Biografia de Enrico De Nicola

História da Itália republicana

9 de novembro de 1877
1 de outubro de 1959
Enrico De Nicola nasceu em Nápoles, em 9 de novembro de 1877. Mudou-se para a história nacional para se tornar o primeiro presidente da República italiana, eleito em 1 de janeiro de 1948. Mas durante sua longa vida, ocupou várias atribuições, do jornalista ao de um advogado. Na verdade, um curso de direito da Universidade de Nápoles, abriu as portas da profissão. Escolha o criminoso de escopo advogado e logo tornou-se conhecido nacionalmente por suas capacidades forenses. No entanto, seu primeiro compromisso significativo está no campo jornalístico. Em 1895, na verdade, tornar-se um editor para o "Don Marzio", cuidando da coluna diária da vida judiciária. Em 1909 em vez disso, ele começou sua carreira política com sua eleição como membro do Parlamento, dentro as chamadas listas de liberal-conservador. Como um leigo, Enrico De Nicola é reconhecida na área que tem como ponto de referência Giovanni Giolitti, um do principal cenário político italiano.
O poder legislativo que participa pela primeira vez o XXIII, a faculdade que Afragola. As eleições de 1913, Dalton é re-eleito e nomeado subsecretário de estado das colônias,-uma posição que ocupou até o ano que vem, 1914, no quarto gabinete chefiado por Giolitti. Problemática por anos para Itália e para os seus governos, que devem sofrer a facção política mais extrema pertencentes os impulsos de corrente, bem como abordar a emergência de guerra e o advogado Napolitano e político é encontrada para apoiar a área de intervencionistas. Também em 1919, no final da primeira guerra mundial, Enrico De Nicola é re-eleito no Parlamento. Após a realização o cargo de ministro de estado do tesouro, sempre durante o Orlando do governo de 1919, Dalton foi eleito presidente da Câmara dos deputados, em 26 de junho de 1920. Este importante post do governo também mantém durante eleições subseqüentes, que confirmou em 1921 e em 1924, ao não tomar um juramento para eles e não participantes, então parlamentares funções.
Entretanto, Mussolini realiza a 1922 marcha sobre Roma, e Dale é encontrado para cobrir o difícil papel de fiador do Pacto Nacional de pacificação entre fascistas e socialistas, então abortado. Ele, como muitos dos políticos liberais e conservadores locais, apóia a confiança para o chefe do executivo. De qualquer forma, para salvar sua conduta ideológica, por assim dizer, especialmente em pós-regime chave, pelo menos na aparência, é uma decisão que parece ter tomado quando saio do escritório do Presidente da câmara, em 1924. Demorou apenas um curto confronto com o regime, o futuro Presidente da República, para dar-lhe uma idéia clara do momento histórico experimentado pela política nacional. Dalton tem a ver com a experiência fascista, participando de diversas comissões, como somente em virtude de sua experiência e conhecimentos jurídicos. E em 1929 foi nomeado senador do Reino sem nunca tomar parte nos trabalhos parlamentares próprios. Por esta altura, seu progressivo distanciamento a política nacional a favor de seu trabalho como advogado. A imagem deixando Dale nos últimos anos é a de uma política de pre-fascista de figura de autoridade. Assim, em 1943, com a queda de Mussolini, é diretamente chamado em questão seu papel como mediador entre os aliados e a coroa a fim de permitir uma transição suave do poder.
Ele, de acordo com fontes da época, a solução para evitar a abdicação do rei Victor Emmanuel III, em virtude da instituição da figura do Tenente, investido no Príncipe Umberto. É, Dalton, no equilíbrio, um dos arquitectos do compromisso, junto com outras figuras proeminentes que farão parte da primeira República, como Bonomi, Nitti e Orlando. Neste mesmo período, também foi nomeado membro do Conselho Nacional. Após a votação a favor da República de junho 2, as partes em massa de 1946 (Dc, Psi e Pci) estão procurando um negócio eleger um chefe de estado. De acordo com muitos, um homem do Sul era a pessoa certa, de preferência pertencentes às fileiras dos moderados, mesmo simpatizantes da monarquia, que, como você sabe, perder-se com um mínimo do referendo de pós-guerra, ganhou pela República. Decidir são De Gasperi, Nenni e Togliatti, que concordar com o nome de Dalton. Assim, na sua reunião de 28 de junho de 1946, a Assembléia nomeia Enrico De Nicola como provisório chefe de estado, em conformidade com o artigo 2. º do Decreto legislativo Viceregal de 16 de março de 1946, sem 98. Dalton tem a melhor desde a primeira votação, com 396 votos a favor de 501. Alguns dias mais tarde, em 1 de julho de 1946, Dalton está instalado.
São os anos difíceis em que a Itália "tentativas" para se tornar uma República, mas não sem conflitos internos. O político Napolitano realiza sua missão de Quirinal, como esperado, recusando-se porém residir ali, como um tributo, como ele próprio dizia que ele considera "sua monarquia". Portanto, prefere o Palazzo Giustiniani. Na confirmação deste período turbulento, há a declaração por Enrico De Nicola, em 25 de junho de 1947, a demitir-se do gabinete do Presidente, aparentemente em desacordo com as forças do governo envolvidos na Assembléia Constituinte. Mas no dia seguinte, em 26 de junho de 1947, Dalton é provisória reeleito chefe de estado. A partir daqui é um pequeno passo para a Presidência do real. E em conformidade com a primeira disposição transitória da Constituição, de 1 de janeiro de 1948, Enrico De Nicola assume o título de Presidente da República italiana. Também neste mesmo ano, inscrever-se com Alcide De Gasperi (Presidente em exercício do Conselho e democrata Christian líder), Giuseppe Grassi (Pli, guardião dos selos no comando) e Umberto Terracini (Pci, presidente da Assembléia Constituinte) a nova Constituição republicana da Itália. Seu mandato como chefe de estado é o mais curto de todos. Em 18 de abril de 1948 eleições e os "centristas", sempre guiados por De Gasperi, tendem a inclinar-se para o Liberal Luigi Einaudi, que acontece de Dalton à Presidência da República.
De acordo com as normas constitucionais então, Dalton foi nomeado senador vitalício como um ex-presidente da República. Alguns anos se passam e o advogado napolitano é nomeado presidente do Senado, em 28 de abril de 1951. É e permanece a única vez que um político italiano era chefe de estado e presidente dos senadores. Em qualquer caso, Dalton renuncia um ano depois, em 24 de junho de 1952. O Tribunal Constitucional nasce e graças a sua experiência leguleia, Enrico De Nicola assume a nomeação do juiz, este novo órgão nacional, em 3 de dezembro de 1955, por nomeação do Presidente da República. No ano seguinte, 23 de janeiro de 1956, a faculdade para sua primeira reunião o nomeou chefe de justiça. Mesmo neste mandato estatutário Dalton revela sua independência ideológica e fá-lo através de outro ato a demitir-se. Um ano mais tarde, na verdade, deixar o gabinete do Presidente, em nítido contraste com o governo italiano acusado, ele disse, para dificultar o trabalho de democratização das instituições judiciais e normas jurídicas, impregnadas de como era ainda da marca fascista precedente.
Alguns meses antes, no entanto, Dalton recebe a honra de cavaleiro da grande cruz decorada com grande cordão da ordem do mérito da República italiana, em 5 de junho de 1956. O primeiro presidente da República italiana, agora idoso, retirou-se da vida pública, deixando a cidade de Roma. 1° de outubro de 1959, em sua casa em Torre del Greco, Enrico De Nicola morre com a idade de oitenta e um anos.
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.