PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de Adriano Celentano

ADS

Precursor dos meios de comunicação, bem acima de qualquer mídia

6 de janeiro de 1938
Adriano Celentano nasceu em Milão no número 14 do mítico "via Gluck" em 6 de janeiro de 1938, aos pais de Puglia, que se mudou ao norte para trabalhar; em Milão Adriano passou sua infância e adolescência; Após deixar a escola realizou um número de postos de trabalho, o mais recente e o mais popular é relojoeiro. Faz sua estréia no Teatro Smeraldo, onde juntamente com Elio Cesari/Tony Renis, apresenta, com o nome de "Os menestréis feliz do ritmo", uma divertida paródia musical do casal Jerry Lewis-Dean Martin, até a noite em Santa Tecla, onde se encontra a amostra de rocha-boogie Bruno Dossena que o convidou para participar do Festival de Rock ' n' roll. Em 18 de maio de 1957 no palácio do gelo em Milão o primeiro Festival italiano do Rock ' n' Roll. Adriano Celentano participa com acompanhamento de banda dos meninos de Rock, de quem pertence a Giorgio Gaber e Roger Whittaker, enquanto Luigi Tenco será adicionado na Alemanha que saxofonista. O único cantor de rock é ele "Adriano na resiliente", o primeiro e o único na Europa. Com "Ciao ti dirò" à frente da concorrência. Três dias depois de assinar seu primeiro contrato com a record milanese Saar (marca de música), para o qual estreou e gravou "Rip It Up", "Jaihouse Rock" e "Tutti Frutti". Em 1958 participa no segundo Festival de Rock ' n' Roll, que dura uma semana. Ela apareceu pela primeira vez em um filme: "o frenético". Em 13 de julho de 1959, é o dia do Festival de Ancona, onde ganha com "Il tuo bacio è come pedra un" e também ganhou o segundo lugar.
A música em breve para escalar o topo das paradas e golpes até toda a Itália a reputação de Adriano Celentano. De agora em diante lá vai ser o ano em que Adriano tem um ou mais 45 RPM no topo das paradas. No mesmo ano o filme "ragazzi del juke-box" e "Jukebox, gritos de amor". Em 1960, Castro aparece em uma seqüência importante de "La Dolce Vita" de Federico Fellini, que quer a todo custo, depois de vê-lo tocar ao vivo enquanto cantava "Reddy Teddy". No mesmo ano ele também estrelou em "Screamers no bar", "Vamos, Johnny!" e "San Remo o grande desafio". No ano seguinte Adriano parte para o serviço militar, mas também para participar de seu primeiro Festival de Sanremo com "Ventiquattromila baci", emparelhado com Little Tony.
VITÓRIAS: terminou em segundo lugar, mas vai ser a mais vendida, ultrapassando 1 milhão de cópias e vencendo um novo primeiro no ranking. Desperta uma sensação sobre o fato de que o Festival ocorreu se os "ombros": a discussão é movida de salões dos italianos na Câmara dos deputados, que é dedicado a uma pergunta parlamentar. Em 1961 folhas Saar e fundou o 'clã Celentano', a primeira experiência de um artista italiano que escolhe para produzem, além da produção de músicos e cantores jovens. O clã é um evento raro de utopia: o fundador imagine um lugar onde um grupo de amigosobras de jogar e jogar trabalho. " O clã logo se tornou uma realidade e de "fantasia" e optar por manter-se independente entre os independentes. É a gravadora apenas 36 anos atrás para ser deixada totalmente italiano. É uma escolha muito original, um exemplo de que é o clã de Sinatra, a quem nenhum cantor italiano antes de Hadrian tinha ousou pensar e que abre caminho para outros (pense o "número um" por Mogol-Battisti ou "PDU" por Mina). O clã ao longo dos anos vai lançar muitos cantores e autores de sucesso. "Fique longe de mim" (1962) é o primeiro registro do clã: ganha o Cantagiro e atinge o topo das paradas, superando o recorde de 1.300.000 cópias vendidas. Em 10 de outubro deixa "Rezar", outro grande sucesso de Adriano Celentano, versão italiana de "Stand by me" por Ben e.
Rei. Eles são publicados "Grazie, prego, com licença" e "nao spento IL sole". O clã é disputado por cada publicador/distribuidor, mas Carter nunca queria dar ações do clã para qualquer outra empresa ou gravadora multinacional. Em 1963, Adriano é volta no topo da lista de 45 voltas com "Sabato triste". Ela estrelou no filme "O monaco di Monza" juntamente com toto e em "um estranho tipo de", no qual ele conhece Claudia Mori, quem se casou um ano mais tarde. Em 1966 volta no festival de Sanremo, onde um decisivo: Carlos pela primeira vez oferece (uma novidade na Europa nunca tinha ouvido falar da poluição), uma canção de ecologistas. A canção é o famoso "Il ragazzo della via Gluck", que não está incluído na primeira audição. A música será superior a 1,5 milhões de cópias vendidas, entrará na consciência coletiva do país e no exterior, como alguns outra música ligeira. Serão traduzidos em mais de 18 idiomas e vai acabar no álbum-intitulado feita com o grupo popular de "insurgentes", com arranjos e direção de Mariano disse.
Em outono lança "Mundo em 7a e", outro grande hit que fala pela primeira vez sobre questões como a energia nuclear, drogas, corrupção, caça, ecologia, antecipando-se, outra vez o que hoje é mais tópica. Emparelhado com Mallon grava "o mais belo casal no mundo,", escrito com um grande autor, Paolo Conte, quem dirá que toda vez que ele compõe pensa a voz de Adrian, "o mais belo na Europa." Em 15 de julho de 1968, nasceu a filha Rosalind; Adriano retorna ao festival de Sanremo com a canção, emparelhado com Milva. Vem em terceiro, mas a canção é o primeira no hit-parade. Mas a 1968 é principalmente o ano de "azul", outro panorama histórico da música música italiana, escrita por Paolo Conte. O 45 rpm, como lado B tem "una Carezza em un pugno" está destacado longamente no topo do ranking. Na sequência do sucesso vem a 33rpm "Azzurro/Una carezza em un pugno". Chamado por Pietro Germi estreou no cinema com "Serafim". VITÓRIAS no festival de cinema de Berlim e Moscou. Alemães, russos, franceses e europeus em geral enlouquecem por Adriano Celentano. Participa com Mallon no Festival de Sanremo em 1970: o casal ganha com "Chi não trabalha não fa L'amore", uma canção ironicamente inspirado no Outono quente.
Existem aqueles que interpretam a canção como um hino contra as greves. Em 1972, lançou "Prisencolinensinanciusol", um rap de primeiro mundo de verdade: os americanos vão descobrir esse tipo de linguagem musical somente dez anos mais tarde. Adriano mais uma vez prova para ser um precursor. O filme sai "branco, vermelho e...", com Sophia Loren, dirigido por Alberto Lattuada. Rai dedica um show de dois episódios intitulados "há Cartwright," por Antonello Falqui. Em 1973 com Mallon interpreta "Rugantino", dirigido por Sergio Corbucci e é o personagem principal em "cinco dias" por Dario Argento. Para fora para o clã o cd "Nostalrock" em que Adriano toca músicas antigas como "Ser bop a lula", "Tutti frutti" e "Only you". Em 1974, ele lançou o filme "Yuppi Du," que ele escreveu, dirigiu, produziu e estrelou (ao lado de Mallon e Charlotte Rampling). Livre para expressar-se, criar um filme que é um milagre. Os críticos concordam: é uma obra-prima! "Ele nasceu um novo Charlie Chaplin", diz Gianluigi Rondi. Giovanni Grazzini exalta e então todas as críticas. "Yuppi Du" Adriano percebe mesmo a trilha sonora e tomou o primeiro lugar em ambos o top 45 de 33 voltas. O período compreendido entre 1975 (com um episódio de "Qual é seu signo?") até 1985 vê para Celentano intensamente ativo como ator, com cerca de vinte filmes, muitos dos quais estabeleceu recordes de bilheteria (mãos de veludo, agitar, casar-me novamente, amo golpeado, ACE, Bingo Bongo, belas características distintivas).
"Madly in love" e "me casar de novo" é o primeiro filme da história do cinema italiano ao toque e exceder 20 bilhões. O álbum "Svalutation" é um comentário irônico sobre a crise económica que afecta a Itália e o oeste inteiro. Invadindo os mercados europeus e atinge o primeiro lugar na França e na Alemanha, onde o Adriano é um ídolo muito amado até hoje. União Soviética considera-o o artista mais popular e o "estrangeiro". Sai, em seguida, o filme "Bluff" por Sergio Corbucci, com Anthony Quinn. Dos anos 90 os discos "re degli ignoranti", "aí vêm os homens", "Alla corte del Re-mix". Um sucesso com o público e os críticos é o trabalho de 1998 "Mina & Celentano" onde duas das mais populares músicas italiana dueto no espaço de 10 músicas. As vendas superior a 1 milhão. Um ano mais tarde, ele lançou o álbum "Io non d'amore tão parlar" atingir um recorde de mais de 2.000.000 de cópias vendidas e a presença entre os primeiros cinco lugares nas paradas italianas por cerca de 40 semanas. A criação do álbum Mogol e Gianni Bella.
Celenatno para RaiUno realiza um programa intitulado "francamente não me importo", que combina música, que desencadeia polêmica para a dureza de algumas imagens transmitidas (guerra, pobreza, morte são as difíceis questões abordadas). O programa, realizado em conjunto com Francesca Neri, ganha o prestigiado Golden Rose de Montreux tv Festival. Em 2000 lançou "Esco di rado e parlo ancora meno". O par de composição Mogol-Gianni Bella, acompanhada por guitarras do Michael Thompson e as modalidades de Fio Zanotti, que uma vez pressentiu a fórmula para uma nova poção. Em 2002 lançou o cd "para sempre", o novo álbum de resiliente escrito novamente com Mogol e Gianni Bella e vários distintos convidados. O disco, com uma tampa pictoricamente ilustrada por Roger Selden também estará disponível em uma versão com um dvd que também trabalhou no último show que acompanhou Asia Argento Adriano em Raiuno "f 125 milhões Você ".
O texto e música de "parafuso", uma das melhores peças do cd, é o veterano Francesco Guccini, colaboração entre os dois anos-luz de estrelas distantes nasceu de um milagre do destino: graças a tenacidade de Claudia Mori, os dois se encontram em um restaurante em Bolonha e Francis deram a letra para Adriano levá-lo de uma das suas letras recém-escritos que casualmente carregava no bolso. "Eu passi facciamo" em vez disso Mallon contato pacífico aka Gino Dahiya (um disco como um activo mas uma chuva de prêmios e elogios de crítica e público), a canção tem uma implicação social que trata o texto envolvido, o tema da guerra, inspirado pela música árabe e étnica. No final de outubro de 2003 sai "sempre que Celentano foi 1", uma melhor coleta de 17 das mais belas canções de Adriano Celentano, escolhidos entre mais de 100 que alcançaram o primeiro lugar no ranking. No final de 2004 lançou "há sempre uma razão"; o cd contém "Lunfardia" uma faixa inédita do grande Fabrizio De Andrè. Depois do álbum, Rihanna mostram um interesse renovado na TV: um retorno sensacional em Rai está no ar, mas um desentendimento com a liderança da empresa parecem deslizar o retorno do artista para o pequeno ecrã. Depois de "Rockpolitik" (outubro de 2005) volta na tv, no final de novembro de 2007, com "a situação da minha irmã não é bom", sem deixar de agitar a controvérsia e debate. Ao mesmo tempo ele lançou o álbum "amore Dormi, a situação não é boa".
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS