PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ESTER 1-5 | Tesouros da Palavra de Deus: semana de 29 de fevereiro–6 de março

ADS BY GOOGLE

ESTER 1-5 | TESOUROS DA PALAVRA DE DEUS: SEMANA DE 29 DE FEVEREIRO–6 DE MARÇO

NOSSA VIDA E MINISTÉRIO CRISTÃO — TEXTOS BÍBLICOS E REFERÊNCIAS
LER E OUVIR A BÍBLIA ON-LINE NO JW.ORG:




TESOUROS DA PALAVRA DE DEUS | ESTER 1-5

“ESTER DEFENDEU O POVO DE DEUS”: (10 MIN)


[Apresente o vídeo Introdução a Ester.]


Ester mostrou muita fé e coragem ao defender o povo de Deus
• A pessoa que comparecesse perante o rei sem ser convocada podia ser morta. Já fazia 30 dias que Ester não era chamada à presença do rei.
• O rei Assuero, provavelmente Xerxes I, tinha um temperamento violento. Certa vez, ele mandou que cortassem um homem ao meio e que o deixassem à vista de todos como aviso. Além disso, quando Vasti lhe desobedeceu, ele a removeu de sua posição como rainha.
• Ester teve que contar que era judia e convencer o rei de que ele tinha sido enganado por seu conselheiro de confiança.

Est 3:5-9 — Hamã tentou eliminar o povo de Deus (ia 131 §§ 18-19)


Ester 3:5-9 Quando Hamã viu que Mordecai se recusava a curvar-se e prostrar-se diante dele, ficou muito furioso. 6 Mas ele achava pouco matar apenas Mordecai, pois tinha sido informado sobre o povo de Mordecai. Assim, Hamã procurou uma forma de exterminar o povo de Mordecai, isto é, todos os judeus em todo o reino de Assuero. 7 No décimo segundo ano do rei Assuero, no primeiro mês, o mês de nisã, lançou-se “pur” (isto é, a sorte) diante de Hamã, para se determinar o dia e o mês, e a sorte caiu no décimo segundo mês, o mês de adar. 8 Então Hamã disse ao rei Assuero: “Há um povo espalhado e disperso entre os povos de todas as províncias do seu reino. Suas leis são diferentes das de todos os outros povos, e eles não obedecem às leis do rei. Não convém aos interesses do rei tolerá-los. 9 Se for do agrado do rei, seja emitido um decreto ordenando a destruição deles. Eu pagarei 10.000 talentos de prata aos oficiais, que os depositarão no tesouro real.”

ia cap. 15 p. 131 pars. 18-19 Ela defendeu o povo de Deus
A fé de Ester é testada
18. (a) Por que Mordecai deve ter se recusado a se curvar diante de Hamã? (Veja também a nota.) (b) Como homens e mulheres de fé hoje imitam o exemplo de Mordecai?
18 Um homem chamado Hamã obteve destaque na corte de Assuero. O rei o nomeou primeiro-ministro, o que fazia de Hamã seu principal conselheiro e o segundo homem mais poderoso no império. O rei até mesmo decretou que quem visse esse alto funcionário deveria se curvar diante dele. (Ester 3:1-4) Para Mordecai, essa lei era um dilema. Ele sabia que devia obedecer ao rei, mas só quando isso não envolvesse desobedecer a Deus. O problema é que Hamã era agagita. Pelo visto, isso significava que ele era descendente de Agague, o rei amalequita executado pelo profeta Samuel. (1 Sam. 15:33) Os amalequitas eram tão maus que se declararam inimigos de Jeová e de Israel. Como povo, eram condenados por Deus. (Deut. 25:19) Como é que um judeu fiel poderia se curvar diante de um amalequita? Mordecai nunca faria isso. Ele manteve sua posição. Até hoje, homens e mulheres de fé têm arriscado a vida para cumprir este princípio: “Temos de obedecer a Deus como governante antes que aos homens.” — Atos 5:29.
19. O que Hamã queria fazer, e como conseguiu convencer o rei?
19 Hamã ficou furioso. Mas tramar algo para matar apenas Mordecai não era suficiente. Ele queria exterminar o povo de Mordecai. Para convencer o rei a fazer isso, Hamã passou uma ideia negativa dos judeus. Sem mencionar nomes, deu a entender que eles eram insignificantes, um povo “disperso e separado entre os povos”. Pior ainda, Hamã disse que eles não obedeciam às leis do rei, ou seja, que eram rebeldes perigosos. Ele propôs doar uma enorme quantia ao tesouro do rei para pagar as despesas da chacina dos judeus no império. Assuero deu o seu próprio anel de sinete a Hamã para ele aprovar qualquer ordem que tivesse em mente. — Ester 3:5-10.
parágrafo 18 Ester 3:1-4 Algum tempo depois, o rei Assuero promoveu Hamã, filho de Hamedata, o agagita, e o engrandeceu, colocando-o numa posição mais elevada do que a de todos os outros príncipes. 2 E todos os servos do rei que estavam no portão do rei se curvavam e se prostravam diante de Hamã, assim como o rei havia ordenado. Mas Mordecai se recusava a curvar-se e prostrar-se diante dele. 3 Então os servos do rei que estavam no portão do rei perguntaram a Mordecai: “Por que você não obedece à ordem do rei?” 4 Eles perguntavam isso dia após dia, mas ele não lhes dava ouvidos. Então informaram Hamã para ver se a conduta de Mordecai seria tolerada, pois lhes tinha dito que era judeu.
Ou: “colocando seu trono mais alto do que”.
parágrafo 18 1 Sam. 15:33 No entanto, Samuel disse: “Assim como a sua espada deixou muitas mulheres sem filhos, sua mãe também ficará sem filhos.” Em seguida Samuel cortou Agague em pedaços perante Jeová em Gilgal.
parágrafo 18 Deu. 25:19 Quando Jeová, seu Deus, lhe tiver dado descanso de todos os inimigos ao seu redor, na terra que Jeová, seu Deus, lhe dá como herança para tomar posse dela, você deve apagar a lembrança de Amaleque de debaixo dos céus. Não se esqueça.
parágrafo 18 Atos 5:29 Pedro e os outros apóstolos responderam: “Temos de obedecer a Deus como governante em vez de a homens.
parágrafo 19 Ester 3:5-10 Quando Hamã viu que Mordecai se recusava a curvar-se e prostrar-se diante dele, ficou muito furioso. 6 Mas ele achava pouco matar apenas Mordecai, pois tinha sido informado sobre o povo de Mordecai. Assim, Hamã procurou uma forma de exterminar o povo de Mordecai, isto é, todos os judeus em todo o reino de Assuero. 7 No décimo segundo ano do rei Assuero, no primeiro mês, o mês de nisã, lançou-se “pur” (isto é, a sorte) diante de Hamã, para se determinar o dia e o mês, e a sorte caiu no décimo segundo mês, o mês de adar. 8 Então Hamã disse ao rei Assuero: “Há um povo espalhado e disperso entre os povos de todas as províncias do seu reino. Suas leis são diferentes das de todos os outros povos, e eles não obedecem às leis do rei. Não convém aos interesses do rei tolerá-los. 9 Se for do agrado do rei, seja emitido um decreto ordenando a destruição deles. Eu pagarei 10.000 talentos de prata aos oficiais, que os depositarão no tesouro real.” 10 O rei tirou então o anel de selar que usava na mão e o deu a Hamã, inimigo dos judeus, filho de Hamedata, o agagita.
Lit.: “deitar mão em”.
Veja Ap. B15.
Isto é, para Hamã executar seu plano.
Veja Ap. B15.
Ou: “todos os distritos jurisdicionais”.
Um talento equivalia a 34,2 kg. Veja Ap. B14.
Ou, possivelmente: “Eu pagarei 10.000 talentos ao tesouro real para aqueles que executarem esse serviço.”
parágrafo 18 Hamã talvez estivesse entre os últimos amalequitas, já que “o restante” deles havia sido destruído nos dias do Rei Ezequias. — 1 Crô. 4:43.
parágrafo 19 Hamã ofereceu 10 mil talentos de prata, o que equivaleria hoje a centenas de milhões de dólares. Se Assuero era Xerxes I, essa oferta de Hamã deve ter sido ainda mais interessante. Xerxes precisava de uma grande quantia de dinheiro para a guerra que estava planejando contra a Grécia havia muito tempo. Essa guerra por fim seria um fracasso.
1 Crô. 4:43 Eles mataram o restante dos amalequitas, os que tinham escapado, e estão morando ali até hoje.

Est 4:11–5:2 — A fé de Ester era maior do que seu medo de morrer (ia 125 § 2; 134 §§ 24-26)


Ester 4:11-5:2 “Todos os servos do rei e o povo das províncias do rei sabem que, se algum homem ou mulher se apresentar ao rei no pátio interno sem ter sido convocado, há uma só lei que se aplica: a pessoa deve ser morta. Ela só continuará viva se o rei lhe estender o cetro de ouro. E já faz 30 dias que não sou convocada à presença do rei.” 12 Quando Mordecai foi informado do que Ester disse, 13 ele mandou responder a Ester: “Não pense que, só por estar na casa do rei, você terá mais chance de escapar do que todos os outros judeus. 14 Se você ficar calada agora, o alívio e o livramento para os judeus virão de outra parte, mas você e os da casa do seu pai morrerão. E quem sabe se não foi para uma ocasião como essa que você se tornou rainha?” 15 Então Ester mandou responder a Mordecai: 16 “Vá, reúna todos os judeus que estão em Susã e jejuem por mim. Não comam nem bebam nada durante três dias, dia e noite, e eu e as minhas criadas também jejuaremos. Eu me apresentarei ao rei, apesar de isso ser contra a lei. E, se eu tiver de morrer, morrerei.” 17 Então Mordecai foi e cumpriu todas as instruções de Ester.
5 No terceiro dia, Ester vestiu seus trajes reais, foi ao pátio interno da casa do rei e ficou esperando em frente à casa do rei. O rei estava na casa real, sentado no seu trono real, de frente para a entrada. 2 Assim que o rei viu a rainha Ester parada no pátio, ela achou favor aos seus olhos, de modo que o rei estendeu a Ester o cetro de ouro que tinha na mão. Ester então se aproximou e tocou a ponta do cetro.

ia cap. 15 p. 125 par. 2 Ela defendeu o povo de Deus
2 Marido? Assuero era bem diferente de tudo o que uma fiel moça judia esperaria de um marido. Ele não seguia o exemplo de homens como Abraão, que humildemente aceitou a orientação de Deus de escutar Sara, sua esposa. (Gên. 21:12) O rei sabia pouco ou nada sobre Jeová, o Deus de Ester, ou sobre Sua Lei. Assuero, porém, conhecia a lei persa, que incluía uma lei que proibia exatamente o que Ester estava para fazer. O quê? A lei dizia que, se uma pessoa comparecesse perante o rei persa sem ter sido convocada por ele, estava sujeita à morte. Ester não tinha sido convocada, mas estava indo ver o rei mesmo assim. Ao se aproximar do pátio interior, de onde o rei no seu trono poderia vê-la, ela talvez achasse que estava caminhando para a morte. — Leia Ester 4:11; 5:1.
parágrafo 2 Gên. 21:12 Então Deus disse a Abraão: “Não se aflija com o que Sara lhe diz sobre o rapaz e sobre a sua escrava. Escute o que ela diz, pois o que será chamado sua descendência virá por meio de Isaque.
Lit.: “a voz dela”.
Lit.: “sua semente”.
parágrafo 2 Ester 4:11 “Todos os servos do rei e o povo das províncias do rei sabem que, se algum homem ou mulher se apresentar ao rei no pátio interno sem ter sido convocado, há uma só lei que se aplica: a pessoa deve ser morta. Ela só continuará viva se o rei lhe estender o cetro de ouro. E já faz 30 dias que não sou convocada à presença do rei.”
parágrafo 2 Ester 5:1 No terceiro dia, Ester vestiu seus trajes reais, foi ao pátio interno da casa do rei e ficou esperando em frente à casa do rei. O rei estava na casa real, sentado no seu trono real, de frente para a entrada.
Ou: “do palácio”.
parágrafo 2 Muitos acreditam que Assuero era Xerxes I, o governante do Império Persa no começo do quinto século AEC.

ia cap. 15 p. 134 pars. 24-26 Ela defendeu o povo de Deus
Uma fé mais forte do que o medo da morte
24. Como Ester mostrou fé e coragem?
24 Havia chegado a hora de Ester tomar uma decisão. Ela disse a Mordecai para pedir que seus compatriotas se juntassem a ela num jejum de três dias. Sua mensagem termina com uma declaração de fé e coragem que ficou registrada até hoje: “Se eu tiver de perecer, terei de perecer.” (Ester 4:15-17) Naqueles três dias, ela deve ter orado mais fervorosamente do que nunca. Finalmente, chegou o momento. Ela colocou sua melhor vestimenta real, fazendo tudo o que podia para agradar o rei. E então saiu ao seu encontro.
25. Descreva o que aconteceu quando Ester entrou para falar com seu marido.
25 Como descrito no começo deste capítulo, Ester dirigiu-se à corte do rei. Podemos imaginar suas preocupações e suas orações fervorosas enchendo-lhe a mente e o coração. Ela entrou no pátio, de onde podia ver Assuero. Talvez tenha tentado ler a expressão no rosto do rei. Se ela teve de esperar, isso deve ter parecido uma eternidade. Mas a espera acabou quando o rei a viu. Com certeza ele ficou surpreso, mas sua expressão facial se abrandou, e ele estendeu seu cetro de ouro! — Ester 5:1, 2.
26. Por que os cristãos verdadeiros precisam de coragem como a de Ester, e por que a missão dela estava apenas começando?
26 Ester tinha conseguido uma audiência, um ouvido atento. Ela havia tomado posição a favor de seu Deus e de seu povo, estabelecendo um belo exemplo de fé para todos os servos de Deus ao longo dos tempos. Os cristãos verdadeiros hoje dão valor a exemplos assim. Jesus disse que seus verdadeiros seguidores seriam identificados pelo amor abnegado. (Leia João 13:34, 35.) Geralmente, é preciso coragem como a de Ester para mostrar esse tipo de amor. Mas mesmo depois de Ester agir a favor do povo de Deus naquele dia, sua missão estava apenas começando. Como ela convenceria o rei de que o conselheiro predileto dele, Hamã, era um terrível conspirador? Como poderia ajudar a salvar seu povo? Essas perguntas serão respondidas no próximo capítulo.
parágrafo 24 Ester 4:15-17 Então Ester mandou responder a Mordecai: 16 “Vá, reúna todos os judeus que estão em Susã e jejuem por mim. Não comam nem bebam nada durante três dias, dia e noite, e eu e as minhas criadas também jejuaremos. Eu me apresentarei ao rei, apesar de isso ser contra a lei. E, se eu tiver de morrer, morrerei.”17 Então Mordecai foi e cumpriu todas as instruções de Ester.
Ou: “Susa”.
parágrafo 25 Ester 5:1, 2 No terceiro dia, Ester vestiu seus trajes reais, foi ao pátio interno da casa do rei e ficou esperando em frente à casa do rei. O rei estava na casa real, sentado no seu trono real, de frente para a entrada. 2 Assim que o rei viu a rainha Ester parada no pátio, ela achou favor aos seus olhos, de modo que o rei estendeu a Ester o cetro de ouro que tinha na mão. Ester então se aproximou e tocou a ponta do cetro.
Ou: “do palácio”.
parágrafo 26 João 13:34, 35 Eu lhes dou um novo mandamento: Amem uns aos outros; assim como eu amei vocês, amem também uns aos outros. 35 Por meio disto todos saberão que vocês são meus discípulos: se tiverem amor entre si.”

ENCONTRE JOIAS ESPIRITUAIS: (8 MIN)


Est 2:15 — Como Ester mostrou modéstia e autodomínio? (w06 1/3 9 § 7)


Ester 2:15 Quando chegou a sua vez de se apresentar ao rei, Ester — filha de Abiail, tio de Mordecai, que a tinha tomado como filha — não solicitou nada além do que foi recomendado por Hegai, eunuco do rei e responsável pelas mulheres. (Durante todo aquele tempo, Ester ganhava o favor de todos os que a viam.)

w06 1/3 p. 9 Destaques do livro de Ester
2:15. Ester demonstrou modéstia e autodomínio por não pedir mais jóias e roupas melhores do que as que Hegai lhe havia fornecido. Foi “a pessoa secreta do coração, na vestimenta incorruptível dum espírito quieto e brando”, que levou Ester a ganhar o favor do rei. — 1 Pedro 3:4.
Ester 2:15 Quando chegou a sua vez de se apresentar ao rei, Ester — filha de Abiail, tio de Mordecai, que a tinha tomado como filha — não solicitou nada além do que foi recomendado por Hegai, eunuco do rei e responsável pelas mulheres. (Durante todo aquele tempo, Ester ganhava o favor de todos os que a viam.)
1 Ped. 3:4 mas seja a pessoa secreta do coração com o adorno imperecível do espírito calmo e brando, que é de grande valor aos olhos de Deus.

Est 3:2-4 — Qual pode ter sido o motivo de Mordecai não ter se curvado diante de Hamã? (ia 131 § 18)


Ester 3:2-4 E todos os servos do rei que estavam no portão do rei se curvavam e se prostravam diante de Hamã, assim como o rei havia ordenado. Mas Mordecai se recusava a curvar-se e prostrar-se diante dele. 3 Então os servos do rei que estavam no portão do rei perguntaram a Mordecai: “Por que você não obedece à ordem do rei?” 4 Eles perguntavam isso dia após dia, mas ele não lhes dava ouvidos. Então informaram Hamã para ver se a conduta de Mordecai seria tolerada, pois lhes tinha dito que era judeu.

ia cap. 15 p. 131 par. 18 Ela defendeu o povo de Deus
A fé de Ester é testada
18. (a) Por que Mordecai deve ter se recusado a se curvar diante de Hamã? (Veja também a nota.) (b) Como homens e mulheres de fé hoje imitam o exemplo de Mordecai?
18 Um homem chamado Hamã obteve destaque na corte de Assuero. O rei o nomeou primeiro-ministro, o que fazia de Hamã seu principal conselheiro e o segundo homem mais poderoso no império. O rei até mesmo decretou que quem visse esse alto funcionário deveria se curvar diante dele. (Ester 3:1-4) Para Mordecai, essa lei era um dilema. Ele sabia que devia obedecer ao rei, mas só quando isso não envolvesse desobedecer a Deus. O problema é que Hamã era agagita. Pelo visto, isso significava que ele era descendente de Agague, o rei amalequita executado pelo profeta Samuel. (1 Sam. 15:33) Os amalequitas eram tão maus que se declararam inimigos de Jeová e de Israel. Como povo, eram condenados por Deus. (Deut. 25:19) Como é que um judeu fiel poderia se curvar diante de um amalequita? Mordecai nunca faria isso. Ele manteve sua posição. Até hoje, homens e mulheres de fé têm arriscado a vida para cumprir este princípio: “Temos de obedecer a Deus como governante antes que aos homens.” — Atos 5:29.
parágrafo 18 Ester 3:1-4 Algum tempo depois, o rei Assuero promoveu Hamã, filho de Hamedata, o agagita, e o engrandeceu, colocando-o numa posição mais elevada do que a de todos os outros príncipes. 2 E todos os servos do rei que estavam no portão do rei se curvavam e se prostravam diante de Hamã, assim como o rei havia ordenado. Mas Mordecai se recusava a curvar-se e prostrar-se diante dele. 3 Então os servos do rei que estavam no portão do rei perguntaram a Mordecai: “Por que você não obedece à ordem do rei?” 4 Eles perguntavam isso dia após dia, mas ele não lhes dava ouvidos. Então informaram Hamã para ver se a conduta de Mordecai seria tolerada, pois lhes tinha dito que era judeu.
Ou: “colocando seu trono mais alto do que”.
parágrafo 18 1 Sam. 15:33 No entanto, Samuel disse: “Assim como a sua espada deixou muitas mulheres sem filhos, sua mãe também ficará sem filhos.” Em seguida Samuel cortou Agague em pedaços perante Jeová em Gilgal.
parágrafo 18 Deu. 25:19 Quando Jeová, seu Deus, lhe tiver dado descanso de todos os inimigos ao seu redor, na terra que Jeová, seu Deus, lhe dá como herança para tomar posse dela, você deve apagar a lembrança de Amaleque de debaixo dos céus. Não se esqueça.
parágrafo 18 Atos 5:29 Pedro e os outros apóstolos responderam: “Temos de obedecer a Deus como governante em vez de a homens.
parágrafo 18 Hamã talvez estivesse entre os últimos amalequitas, já que “o restante” deles havia sido destruído nos dias do Rei Ezequias. — 1 Crô. 4:43.
1 Crô. 4:43 Eles mataram o restante dos amalequitas, os que tinham escapado, e estão morando ali até hoje.

O que a leitura da semana me ensinou sobre Jeová?


Que pontos da leitura posso usar no ministério?


ESTER 1-5 | SUGESTÕES PARA SEUS COMENTÁRIOS PESSOAIS


(ESTER 1:1)
“Ora, aconteceu nos dias de Assuero, que é o Assuero que reinava desde a Índia até a Etiópia [sobre] cento e vinte e sete distritos jurisdicionais,”

it-1 p. 260 Assuero
3. O Assuero do livro de Ester, segundo se crê, é Xerxes I, filho do rei persa Dario, o Grande (Dario Histaspes). Mostra-se que Assuero (Xerxes I) governava 127 distritos jurisdicionais, desde a Índia até a Etiópia. A cidade de Susã era sua capital durante grande parte do seu governo. — Est 1:1, 2.

it-1 p. 627 Cus
O rei persa Cambises II (529-522 AEC) conquistou o Egito durante os dias do Faraó Psamético III, e isto abriu o caminho para levar a Etiópia sob controle persa; assim, podia-se dizer que Assuero (Xerxes I) governava “desde a Índia até a Etiópia [Cus]”. (Est 1:1; 8:9) Confirmando isso, Xerxes declara numa inscrição: “Estes são os países — em adição à Pérsia — sobre os quais sou rei . . . Índia . . . (e) Cus.” — Ancient Near Eastern Texts, p. 316.

it-2 pp. 46-47 Ester, Livro de
Circunstâncias Históricas. O relato fixa o tempo dos eventos relatados nele durante o reinado de Assuero, que governou enquanto o Império Persa se estendia desde a Índia até a Etiópia e incluía 127 províncias ou distritos jurisdicionais. (Est 1:1) Estes fatos, e a sua inclusão no cânon por Esdras, restringem a sua cobertura ao período do reino de um dos seguintes três reis conhecidos na história secular: Dario I, o persa, Xerxes I e Artaxerxes Longímano. Todavia, sabe-se que tanto Dario I como Artaxerxes Longímano favoreceram os judeus antes do 12.° ano dos seus respectivos reinados, o que não se ajusta ao Assuero do livro, visto que ele aparentemente não estava bem familiarizado com os judeus e a religião deles, nem estava inclinado a favorecê-los. Portanto, acredita-se que o Assuero do livro de Ester seja Xerxes I, filho do rei persa Dario, o Grande. Algumas traduções (BLH, PIB) até mesmo colocam “Xerxes” em vez de “Assuero” no texto.

it-2 p. 393 Índia
Índia
A área exata abrangida pelo nome bíblico “Índia” é incerta. (Est 8:9) Os eruditos geralmente sugerem que indica a área da bacia do rio Indo e seus tributários, isto é, a região de Punjab e talvez também Sind. O testemunho do historiador Heródoto (III, 88, 94; IV, 44) indica que “Índia” veio a tornar-se inicialmente parte do Império Persa durante o governo de Dario Histaspes (521-486 AEC). No tempo de Assuero (considerado ser Xerxes I, filho de Dario Histaspes), a Índia constituía o limite oriental do império. — Est 1:1.

(ESTER 1:2)
“[que] naqueles dias, estando o Rei Assuero sentado no seu trono real que se achava em Susã, o castelo,”

it-1 p. 197 Arqueologia
Susã, cenário dos eventos registrados no livro de Ester, foi escavada por arqueólogos franceses entre 1880 e 1890. (Est 1:2) O palácio real de Xerxes, abrangendo cerca de 1 ha, foi descoberto, revelando o esplendor e a magnificência dos reis persas. Os achados confirmaram a exatidão de pormenores registrados pelo escritor de Ester, conforme relacionados com a administração do reino persa e com a construção do palácio. O livro The Monuments and the Old Testament (Os Monumentos e o Velho Testamento), de I. M. Price (1946, p. 408), comenta: “Não existe nenhum evento descrito no Velho Testamento cujo ambiente estrutural possa ser tão vívida e exatamente restaurado por meio das próprias escavações como ‘Susã, o Palácio’.” — Veja SUSÃ.

it-1 p. 260 Assuero
3. O Assuero do livro de Ester, segundo se crê, é Xerxes I, filho do rei persa Dario, o Grande (Dario Histaspes). Mostra-se que Assuero (Xerxes I) governava 127 distritos jurisdicionais, desde a Índia até a Etiópia. A cidade de Susã era sua capital durante grande parte do seu governo. — Est 1:1, 2.

it-1 p. 465 Castelo
“Susã, o castelo”, cerca de 360 km ao L de Babilônia, era uma residência temporária do rei persa. Neemias trabalhava ali como copeiro real antes de partir para Jerusalém. (Ne 1:1) Este também foi o cenário de uma das visões de Daniel. (Da 8:2) Mas, “Susã, o castelo”, é mais conhecido como o cenário para o livro de Ester. (Est 1:2, 5; 3:15; 8:14) “Susã, o castelo”, pelo que parece, não era determinado prédio, mas sim um conjunto de edifícios reais dentro de uma área fortificada. Isto é apoiado por certos pormenores fornecidos no relato. A “casa das mulheres”, onde as virgens foram preparadas para serem apresentadas a Assuero, estava situada ali. (Est 2:3, 8) Antes de sua elevação ao governo, Mordecai se punha diariamente “no portão do rei”, situado em “Susã, o castelo”. — Est 2:5, 21; 3:2-4; veja SUSÃ.

(ESTER 1:3)
“no terceiro ano de ele reinar, ele deu um banquete a todos os seus príncipes e seus servos, a força militar da Pérsia e da Média, os nobres e os príncipes dos distritos jurisdicionais diante dele,”

w06 1/3 pp. 8-9 Destaques do livro de Ester
1:3-5 — O banquete durou 180 dias? O relato não diz que o banquete durou tanto tempo assim, mas que o rei mostrou aos oficiais as riquezas e a beleza de seu glorioso reino por 180 dias. Talvez o rei tenha usado esse longo evento para exibir a glória de seu reinado, com o objetivo de impressionar os nobres e convencê-los de sua habilidade de realizar seus planos. Neste caso, os versículos 3 e 5 poderiam referir-se ao banquete de 7 dias realizado após o término do ajuntamento de 180 dias.

it-2 p. 47 Ester, Livro de
O livro de Ester é acusado de exageros por sua menção de um banquete durante 180 dias, no terceiro ano do reinado de Assuero. (Est 1:3, 4) No entanto, mencionou-se que uma festa tão longa talvez tivesse sido realizada para acomodar os numerosos funcionários das muitas províncias, os quais, por causa dos seus deveres, não podiam ter estado ali em toda a sua duração nem todos ao mesmo tempo. Na realidade, o texto não diz que o banquete durou tanto tempo, mas que o rei mostrou-lhes as riquezas e a glória do seu reino durante 180 dias. Menciona-se um banquete em 1:3 e 1:5. Talvez não se queira indicar dois banquetes, mas que o versículo 3 se refira ao banquete de sete dias para todos os que estavam no castelo, no fim da grande assembléia. — Commentary on the Old Testament (Comentário Sobre o Velho Testamento), de C. Keil e F. Delitzsch, 1973, Vol. III, Ester, pp. 322-324.

(ESTER 1:4)
“mostrando-lhes as riquezas do seu glorioso reino, e a honra [e] a beleza da sua grandeza, por muitos dias, cento e oitenta dias.”

w06 1/3 pp. 8-9 Destaques do livro de Ester
1:3-5 — O banquete durou 180 dias? O relato não diz que o banquete durou tanto tempo assim, mas que o rei mostrou aos oficiais as riquezas e a beleza de seu glorioso reino por 180 dias. Talvez o rei tenha usado esse longo evento para exibir a glória de seu reinado, com o objetivo de impressionar os nobres e convencê-los de sua habilidade de realizar seus planos. Neste caso, os versículos 3 e 5 poderiam referir-se ao banquete de 7 dias realizado após o término do ajuntamento de 180 dias.

it-2 p. 47 Ester, Livro de
O livro de Ester é acusado de exageros por sua menção de um banquete durante 180 dias, no terceiro ano do reinado de Assuero. (Est 1:3, 4) No entanto, mencionou-se que uma festa tão longa talvez tivesse sido realizada para acomodar os numerosos funcionários das muitas províncias, os quais, por causa dos seus deveres, não podiam ter estado ali em toda a sua duração nem todos ao mesmo tempo. Na realidade, o texto não diz que o banquete durou tanto tempo, mas que o rei mostrou-lhes as riquezas e a glória do seu reino durante 180 dias. Menciona-se um banquete em 1:3 e 1:5. Talvez não se queira indicar dois banquetes, mas que o versículo 3 se refira ao banquete de sete dias para todos os que estavam no castelo, no fim da grande assembléia. — Commentary on the Old Testament (Comentário Sobre o Velho Testamento), de C. Keil e F. Delitzsch, 1973, Vol. III, Ester, pp. 322-324.

(ESTER 1:5)
“E ao se completarem estes dias, o rei deu um banquete por sete dias a todo o povo que se achava em Susã, o castelo, tanto para o grande como para o pequeno, no pátio do jardim do palácio do rei.”

w06 1/3 pp. 8-9 Destaques do livro de Ester
1:3-5 — O banquete durou 180 dias? O relato não diz que o banquete durou tanto tempo assim, mas que o rei mostrou aos oficiais as riquezas e a beleza de seu glorioso reino por 180 dias. Talvez o rei tenha usado esse longo evento para exibir a glória de seu reinado, com o objetivo de impressionar os nobres e convencê-los de sua habilidade de realizar seus planos. Neste caso, os versículos 3 e 5 poderiam referir-se ao banquete de 7 dias realizado após o término do ajuntamento de 180 dias.

it-2 p. 47 Ester, Livro de
Menciona-se um banquete em 1:3 e 1:5. Talvez não se queira indicar dois banquetes, mas que o versículo 3 se refira ao banquete de sete dias para todos os que estavam no castelo, no fim da grande assembléia. — Commentary on the Old Testament (Comentário Sobre o Velho Testamento), de C. Keil e F. Delitzsch, 1973, Vol. III, Ester, pp. 322-324.

(ESTER 1:6)
“Havia linho, fino algodão e pano azul, seguros com cordas de tecido fino, e lã tingida de roxo em argolas de prata, e colunas de mármore, leitos de ouro e de prata sobre um pavimento de pórfiro, e de mármore, e de pérola, e de mármore negro.”

it-1 p. 83 Algodão
Algodão
Fibra branca de semente, produzida por certas plantas e usada para fabricar tecidos. A palavra hebraica kar•pás, que pode referir-se tanto a algodão fino como a linho fino, é similar à palavra sânscrita karpasa e à grega kár•pa•sos. Muitas traduções modernas são a favor de traduzi-la por “algodão” em Ester 1:6. Este é mencionado ali como estando entre os tecidos usados para a decoração do pátio do palácio durante o banquete de sete dias do Rei Assuero em Susã. O cultivo do algodão na Pérsia e na Índia remonta a tempos bem antigos. Ao passo que o linho parece ter sido usado mais amplamente no Egito e na Palestina, existe também evidência do uso de algodão ali desde o primeiro milênio AEC.
Pensa-se que o algodoeiro do relato bíblico tenha sido do tipo classificado como Gossypium herbaceum. Este arbusto cresce até cerca de 1,5 m de altura, dá flores amarelas e às vezes rosadas, e, depois de secarem as flores, produz capulhos ou cápsulas de algodão. Quando maduros, os capulhos se rompem, deixando surgir o algodão fofo. Depois de colhido o algodão, tem de se arrancar ou cardar as sementes por passar o algodão por uma descaroçadora. As fibras do algodão estão assim prontas para o processamento final e a tecelagem. Alguns peritos sugerem que os “tecidos brancos” dos tecelões do Egito, mencionados em Isaías 19:9, provavelmente eram de algodão. — Veja PANO.

(ESTER 1:8)
“Quanto ao tempo de se beber segundo a lei, não havia compulsão, pois era assim que o rei tinha providenciado para todo grande homem dos da sua casa, para fazer segundo o bel-prazer de cada um.”

w06 1/3 p. 9 Destaques do livro de Ester
1:8 — De que maneira não havia ‘compulsão quanto ao tempo de se beber segundo a lei’? Naquela ocasião, o Rei Assuero abriu uma exceção ao que parece ter sido um costume persa de as pessoas induzirem umas às outras a beber certa quantidade quando estavam reunidas nesse tipo de evento. “Eles podiam beber muito ou pouco, conforme desejassem”, diz certa obra de referência.

(ESTER 1:10)
“No sétimo dia, quando o coração do rei se sentia bem por causa do vinho, ele disse a Meumã, Bista, Harbona, Bigtá e Abagta, Zetar e Carcas, os sete oficiais da corte que ministravam à pessoa do Rei Assuero,”

it-1 p. 11 Abagta
Abagta
Nome de um dos sete oficiais da corte que ministravam ao rei persa Assuero, marido da judia Ester, no seu palácio em Susã, naquele tempo capital da Pérsia. — Est 1:10.
Na Versão Rei Jaime (em inglês), Abagta é chamado de um de sete “camareiros”, e a nota marginal diz “eunucos”. Embora nos países do Oriente Médio os eunucos fossem freqüentemente usados como servos de confiança dentro da casa real, a palavra original hebraica sa•rís tem primariamente o sentido de “oficial da corte” e apenas secundariamente tem referência a uma pessoa castrada. Visto que estes sete oficiais da corte eram ajudantes do rei e aparentemente não eram designados como guardiães das mulheres (como Hegai, eunuco do rei mencionado em Ester 2:3), eles talvez não fossem eunucos em sentido físico.

(ESTER 1:12)
“Mas a Rainha Vasti se negava a vir à palavra do rei [transmitida] por intermédio dos oficiais da corte. Em vista disso, o rei ficou muito indignado e se acendeu a sua ira no seu íntimo.”

w06 1/3 p. 9 Destaques do livro de Ester
1:10-12 — Por que a Rainha Vasti insistiu em se recusar a comparecer diante do rei? Alguns eruditos sugerem que a rainha se recusou a obedecer porque ela preferiu não se rebaixar diante dos convidados bêbados do rei. Ou talvez a rainha, fisicamente bela, não fosse realmente submissa. Apesar de a Bíblia não dizer o motivo da recusa, os homens sábios daqueles dias achavam que a obediência ao marido definitivamente era importante e que o mau exemplo de Vasti poderia influenciar todas as esposas nas províncias da Pérsia.

(ESTER 1:14)
“e os mais chegados a ele eram Carsena, Setar, Admata, Társis, Meres, Marsena [e] Memucã, sete príncipes da Pérsia e da Média, que tinham acesso ao rei, estando sentados em primeiro lugar no reino):”

it-1 p. 51 Admata
Admata
[do persa, significando “Inconquistado”].
Um dos sete príncipes do reino da Pérsia e da Média, que tinham acesso ao Rei Assuero. Estes príncipes concordaram no julgamento contra a Rainha Vasti, e parece que tal comissão de sete servia regularmente aos reis persas como conselheiros. — Est 1:14; Esd 7:14.

(ESTER 2:3)
“e encarregue o rei comissários em todos os distritos jurisdicionais do seu domínio real, e sejam reunidas todas as moças, virgens, de linda aparência, em Susã, o castelo, na casa das mulheres a cargo de Hegai, eunuco do rei, guardião das mulheres; e dêem-se-lhes as massagens.”

it-1 p. 11 Abagta
Visto que estes sete oficiais da corte eram ajudantes do rei e aparentemente não eram designados como guardiães das mulheres (como Hegai, eunuco do rei mencionado em Ester 2:3), eles talvez não fossem eunucos em sentido físico.

it-1 p. 465 Castelo
“Susã, o castelo”, cerca de 360 km ao L de Babilônia, era uma residência temporária do rei persa. Neemias trabalhava ali como copeiro real antes de partir para Jerusalém. (Ne 1:1) Este também foi o cenário de uma das visões de Daniel. (Da 8:2) Mas, “Susã, o castelo”, é mais conhecido como o cenário para o livro de Ester. (Est 1:2, 5; 3:15; 8:14) “Susã, o castelo”, pelo que parece, não era determinado prédio, mas sim um conjunto de edifícios reais dentro de uma área fortificada. Isto é apoiado por certos pormenores fornecidos no relato. A “casa das mulheres”, onde as virgens foram preparadas para serem apresentadas a Assuero, estava situada ali. (Est 2:3, 8) Antes de sua elevação ao governo, Mordecai se punha diariamente “no portão do rei”, situado em “Susã, o castelo”. — Est 2:5, 21; 3:2-4; veja SUSÃ.

it-2 p. 63 Eunuco
Eunuco
A palavra hebraica sa•rís e a grega eu•noú•khos, quando usadas em sentido literal, aplicam-se a um varão castrado. Esses eram designados nas cortes reais como ajudantes, ou guardiães, da rainha, do harém e das mulheres. (Est 2:3, 12-15; 4:4-6, 9) Por causa da sua associação com os da casa do rei, os eunucos dotados de certas habilidades freqüentemente atingiam altos postos.

(ESTER 2:7)
“E ele veio a ser o tutor de Hadassa, isto é, Ester, filha do irmão de seu pai, porque ela não tinha nem pai nem mãe; e a moça era bonita de figura e bela de aparência, e na morte de seu pai e de sua mãe, Mordecai a tomou como sua filha.”

ia cap. 15 p. 127 par. 8 Ela defendeu o povo de Deus
8 Podemos imaginar Mordecai olhando de vez em quando para Ester com carinho e percebendo, num misto de orgulho e preocupação, que sua querida prima havia crescido e se tornado uma moça de notável beleza. O relato diz que “a moça era bonita de figura e bela de aparência”. (Ester 2:7) A Bíblia apresenta um conceito equilibrado sobre a beleza — é algo agradável, mas precisa estar acompanhada de sabedoria e humildade. Senão, pode gerar vaidade, orgulho e outras características indesejáveis. (Leia Provérbios 11:22.) Já notou como isso é verdade? No caso de Ester, em que resultaria sua beleza? Em algo bom ou ruim? Só o tempo diria.

w11 1/10 p. 19 Ela defendeu o povo de Deus
Podemos imaginar Mordecai olhando de vez em quando para Ester com carinho e percebendo, num misto de orgulho e preocupação, que sua querida prima havia crescido e se tornado uma moça extremamente bela. A Bíblia diz que “a moça era bonita de figura e bela de aparência”. (Ester 2:7) A beleza é algo agradável, mas precisa estar acompanhada de sabedoria e humildade. Senão, pode gerar vaidade, orgulho e outras características indesejáveis. (Provérbios 11:22) Já notou como isso é verdade? No caso de Ester, em que resultaria sua beleza? Em algo bom, ou algo ruim? Só o tempo diria.

it-1 p. 15 Abiail
5. Pai da Rainha Ester e descendente de Benjamim. Era o tio do primo de Ester, Mordecai. (Est 2:5, 15; 9:29) Ester 2:7 indica que ele e sua esposa faleceram quando sua filha Ester ainda era bastante jovem, e assim algum tempo antes do casamento dela com o Rei Assuero.

(ESTER 2:10)
“Ester não dera informações sobre o seu povo ou sobre a sua parentela, porque o próprio Mordecai lhe dera ordem de que não o contasse.”

ia cap. 15 pp. 129-130 par. 13 Ela defendeu o povo de Deus
13 Por exemplo, lemos: “Ester não dera informações sobre o seu povo ou sobre a sua parentela, porque o próprio Mordecai lhe dera ordem de que não o contasse.” (Ester 2:10) Mordecai tinha instruído Ester a ser discreta sobre sua origem judaica. Com certeza, ele notava que havia muito preconceito contra seu povo entre a realeza persa. Como ele ficou alegre por saber que Ester, apesar de estar longe dele, ainda mostrava o mesmo espírito sábio e obediente!

w11 1/10 p. 20 Ela defendeu o povo de Deus
Por exemplo, lemos: “Ester não dera informações sobre o seu povo ou sobre a sua parentela, porque o próprio Mordecai lhe dera ordem de que não o contasse.” (Ester 2:10) Mordecai tinha instruído Ester a ser discreta sobre sua origem judaica. Com certeza, ele notava que havia muito preconceito contra seu povo entre a realeza persa. Como ele ficou alegre por saber que Ester, apesar de estar longe dele, ainda mostrava o mesmo espírito sábio e obediente!

(ESTER 2:14)
“Ela mesma entrava à noitinha e ela mesma retornava de manhã à segunda casa das mulheres, a cargo de Saasgaz, eunuco do rei, guardião das concubinas. Não entrava mais até o rei a menos que o rei se tivesse agradado dela e ela fosse chamada por nome.”

w06 1/3 p. 9 Destaques do livro de Ester
2:14-17 — Ester teve relações sexuais imorais com o rei? A resposta é não. O relato diz que as outras mulheres que haviam sido levadas ao rei voltaram de manhã para a segunda casa que ficava sob a responsabilidade do eunuco do rei, o “guardião das concubinas”. Dessa maneira, as mulheres que passaram a noite com o rei tornaram-se suas concubinas, ou esposas secundárias. Mas Ester não foi levada à casa das concubinas depois de ver o rei. Quando ela foi levada diante de Assuero, “o rei veio a amar Ester mais do que a todas as outras mulheres, de modo que ela obteve mais favor e benevolência diante dele do que todas as outras virgens”. (Ester 2:17) Como ela conseguiu ganhar o ‘favor e a benevolência’ do rei? Da mesma maneira que havia conquistado o favor das outras pessoas. “A moça agradava aos seus olhos [de Hegai], de modo que ela obteve benevolência diante dele.” (Ester 2:8, 9) Hegai a favoreceu estritamente com base no que ele observou — aparência e boas qualidades. De fato, “Ester ganhara continuamente favor aos olhos de todos os que a viam”. (Ester 2:15) Da mesma maneira, o rei ficou impressionado com o que viu em Ester e passou a amá-la.

w91 1/1 p. 31 Perguntas dos Leitores
Depois de descrever os tratamentos de beleza, a Bíblia diz: “Então nestas condições entrava [cada] moça até o rei. . . . Ela mesma entrava à noitinha e ela mesma retornava de manhã à segunda casa das mulheres, a cargo de Saasgaz, eunuco do rei, guardião das concubinas. Não entrava mais até o rei a menos que o rei se tivesse agradado dela e ela fosse chamada por nome.” — Ester 2:13, 14.
As Escrituras dizem que Ester “foi levada” à “casa das mulheres” para o prolongado regime de beleza prescrito: “Então Ester foi levada ao Rei Assuero. . . E o rei veio a amar Ester mais do que a todas as outras mulheres, de modo que ela obteve mais favor e benevolência diante dele do que todas as outras virgens. E passou a pôr-lhe o toucado real sobre a cabeça e a fazê-la rainha em lugar de Vasti.” — Ester 2:8, 9, 16, 17.
Notou, no relato bíblico, a que lugar as mulheres foram levadas após terem passado a noite com o rei? ‘À segunda casa das mulheres, a cargo do guardião das concubinas.’ Portanto, elas se tornaram concubinas. Mordecai, o escritor do livro bíblico de Ester, era hebreu, e, entre seu povo, naquela época, as concubinas tinham a posição social de esposas secundárias. A lei divina prescrevia que o homem israelita podia tomar uma moça estrangeira, que tivesse sido capturada durante a guerra, e ela se tornaria sua concubina, ou esposa secundária, com direitos e proteção legais. (Deuteronômio 21:10-17; compare com Êxodo 21:7-11.) Os filhos que essa concubina legal tivesse eram legítimos e podiam herdar bens. Os 12 filhos de Jacó, antepassados das 12 tribos de Israel, eram a descendência de suas esposas e concubinas legítimas. — Gênesis 30:3-13.
O procedimento era que, após estarem com o rei da Pérsia, as virgens passassem para a casa das concubinas. Isto indica que elas se tornavam suas esposas secundárias.
Que dizer de Ester? A Bíblia não diz que ela dormiu com o rei e assim ganhou o seu favor. Não diz que ela foi levada à casa das concubinas, mas simplesmente diz: “Então Ester foi levada ao Rei Assuero à sua casa real. . . E o rei veio a amar Ester mais do que a todas as outras mulheres.” Lembre-se de que antes, sem nenhum comprometimento sexual de seu estado virtuoso e virgem, ela ganhou a “benevolência” de “Hegai, guardião das mulheres”. Além disso: “No ínterim Ester ganhara continuamente favor aos olhos de todos os que a viam.” (Ester 2:8, 9, 15-17) Assim, Ester claramente impressionou o rei e granjeou seu respeito, assim como granjeara o respeito de outros.
Quão gratos podemos ser de ter os fatos e a compreensão que a Bíblia nos dá! Assim, embora estejamos milhares de anos distantes daqueles eventos, temos motivos para confiar que Ester agiu com genuína virtude e em harmonia com princípios piedosos.

(ESTER 2:15)
“E quando chegou a vez de entrar até o rei, Ester, filha de Abiail, tio de Mordecai, que a tinha tomado como sua filha, ela não solicitou nada senão o que Hegai, eunuco do rei, guardião das mulheres, passou a mencionar (no ínterim Ester ganhara continuamente favor aos olhos de todos os que a viam).”

w06 1/3 p. 9 Destaques do livro de Ester
2:15. Ester demonstrou modéstia e autodomínio por não pedir mais jóias e roupas melhores do que as que Hegai lhe havia fornecido. Foi “a pessoa secreta do coração, na vestimenta incorruptível dum espírito quieto e brando”, que levou Ester a ganhar o favor do rei. — 1 Pedro 3:4.

(ESTER 2:16)
“Então Ester foi levada ao Rei Assuero, à sua casa real, no décimo mês, isto é, no mês de tebete, no sétimo ano do seu reinado.”

w91 1/1 p. 31 Perguntas dos Leitores
Depois de descrever os tratamentos de beleza, a Bíblia diz: “Então nestas condições entrava [cada] moça até o rei. . . . Ela mesma entrava à noitinha e ela mesma retornava de manhã à segunda casa das mulheres, a cargo de Saasgaz, eunuco do rei, guardião das concubinas. Não entrava mais até o rei a menos que o rei se tivesse agradado dela e ela fosse chamada por nome.” — Ester 2:13, 14.
As Escrituras dizem que Ester “foi levada” à “casa das mulheres” para o prolongado regime de beleza prescrito: “Então Ester foi levada ao Rei Assuero. . . E o rei veio a amar Ester mais do que a todas as outras mulheres, de modo que ela obteve mais favor e benevolência diante dele do que todas as outras virgens. E passou a pôr-lhe o toucado real sobre a cabeça e a fazê-la rainha em lugar de Vasti.” — Ester 2:8, 9, 16, 17.
Notou, no relato bíblico, a que lugar as mulheres foram levadas após terem passado a noite com o rei? ‘À segunda casa das mulheres, a cargo do guardião das concubinas.’ Portanto, elas se tornaram concubinas. Mordecai, o escritor do livro bíblico de Ester, era hebreu, e, entre seu povo, naquela época, as concubinas tinham a posição social de esposas secundárias. A lei divina prescrevia que o homem israelita podia tomar uma moça estrangeira, que tivesse sido capturada durante a guerra, e ela se tornaria sua concubina, ou esposa secundária, com direitos e proteção legais. (Deuteronômio 21:10-17; compare com Êxodo 21:7-11.) Os filhos que essa concubina legal tivesse eram legítimos e podiam herdar bens. Os 12 filhos de Jacó, antepassados das 12 tribos de Israel, eram a descendência de suas esposas e concubinas legítimas. — Gênesis 30:3-13.
O procedimento era que, após estarem com o rei da Pérsia, as virgens passassem para a casa das concubinas. Isto indica que elas se tornavam suas esposas secundárias.
Que dizer de Ester? A Bíblia não diz que ela dormiu com o rei e assim ganhou o seu favor. Não diz que ela foi levada à casa das concubinas, mas simplesmente diz: “Então Ester foi levada ao Rei Assuero à sua casa real. . . E o rei veio a amar Ester mais do que a todas as outras mulheres.” Lembre-se de que antes, sem nenhum comprometimento sexual de seu estado virtuoso e virgem, ela ganhou a “benevolência” de “Hegai, guardião das mulheres”. Além disso: “No ínterim Ester ganhara continuamente favor aos olhos de todos os que a viam.” (Ester 2:8, 9, 15-17) Assim, Ester claramente impressionou o rei e granjeou seu respeito, assim como granjeara o respeito de outros.
Quão gratos podemos ser de ter os fatos e a compreensão que a Bíblia nos dá! Assim, embora estejamos milhares de anos distantes daqueles eventos, temos motivos para confiar que Ester agiu com genuína virtude e em harmonia com princípios piedosos.

(ESTER 2:17)
“E o rei veio a amar Ester mais do que a todas as outras mulheres, de modo que ela obteve mais favor e benevolência diante dele do que todas as outras virgens. E passou a pôr-lhe o toucado real sobre a cabeça e a fazê-la rainha em lugar de Vasti.”

w91 1/1 p. 31 Perguntas dos Leitores
Depois de descrever os tratamentos de beleza, a Bíblia diz: “Então nestas condições entrava [cada] moça até o rei. . . . Ela mesma entrava à noitinha e ela mesma retornava de manhã à segunda casa das mulheres, a cargo de Saasgaz, eunuco do rei, guardião das concubinas. Não entrava mais até o rei a menos que o rei se tivesse agradado dela e ela fosse chamada por nome.” — Ester 2:13, 14.
As Escrituras dizem que Ester “foi levada” à “casa das mulheres” para o prolongado regime de beleza prescrito: “Então Ester foi levada ao Rei Assuero. . . E o rei veio a amar Ester mais do que a todas as outras mulheres, de modo que ela obteve mais favor e benevolência diante dele do que todas as outras virgens. E passou a pôr-lhe o toucado real sobre a cabeça e a fazê-la rainha em lugar de Vasti.” — Ester 2:8, 9, 16, 17.
Notou, no relato bíblico, a que lugar as mulheres foram levadas após terem passado a noite com o rei? ‘À segunda casa das mulheres, a cargo do guardião das concubinas.’ Portanto, elas se tornaram concubinas. Mordecai, o escritor do livro bíblico de Ester, era hebreu, e, entre seu povo, naquela época, as concubinas tinham a posição social de esposas secundárias. A lei divina prescrevia que o homem israelita podia tomar uma moça estrangeira, que tivesse sido capturada durante a guerra, e ela se tornaria sua concubina, ou esposa secundária, com direitos e proteção legais. (Deuteronômio 21:10-17; compare com Êxodo 21:7-11.) Os filhos que essa concubina legal tivesse eram legítimos e podiam herdar bens. Os 12 filhos de Jacó, antepassados das 12 tribos de Israel, eram a descendência de suas esposas e concubinas legítimas. — Gênesis 30:3-13.
O procedimento era que, após estarem com o rei da Pérsia, as virgens passassem para a casa das concubinas. Isto indica que elas se tornavam suas esposas secundárias.
Que dizer de Ester? A Bíblia não diz que ela dormiu com o rei e assim ganhou o seu favor. Não diz que ela foi levada à casa das concubinas, mas simplesmente diz: “Então Ester foi levada ao Rei Assuero à sua casa real. . . E o rei veio a amar Ester mais do que a todas as outras mulheres.” Lembre-se de que antes, sem nenhum comprometimento sexual de seu estado virtuoso e virgem, ela ganhou a “benevolência” de “Hegai, guardião das mulheres”. Além disso: “No ínterim Ester ganhara continuamente favor aos olhos de todos os que a viam.” (Ester 2:8, 9, 15-17) Assim, Ester claramente impressionou o rei e granjeou seu respeito, assim como granjeara o respeito de outros.
Quão gratos podemos ser de ter os fatos e a compreensão que a Bíblia nos dá! Assim, embora estejamos milhares de anos distantes daqueles eventos, temos motivos para confiar que Ester agiu com genuína virtude e em harmonia com princípios piedosos.

(ESTER 2:18)
“E o rei foi dar um grande banquete a todos os seus príncipes e a seus servos, o banquete de Ester; e concedeu anistia aos distritos jurisdicionais, e ele dava presentes segundo os meios do rei.”

it-1 p. 140 Anistia
Anistia
Em Ester 2:18 relata-se que Assuero, o monarca persa, depois de fazer de Ester sua rainha, realizou um grande banquete em honra dela e concedeu uma “anistia aos distritos jurisdicionais” do seu domínio. A palavra hebraica hana•hháh, aqui usada, ocorre somente uma vez nas Escrituras. É traduzida, de forma variada, como “alívio” (ALA, LXX), “uma anistia dos impostos” (PIB e um targum), “um dia de descanso” e “folga” (CBC, Vg); e os comentaristas sugerem que a remissão ou anistia poderia envolver a anistia fiscal, a eximição do serviço militar, a soltura de presos, ou uma combinação dessas coisas. Uma diferente palavra hebraica (shemit•táh) é usada em outras partes das Escrituras para descrever a remissão de dívidas ou a suspensão de trabalho. — De 15:1, 2, 9; 31:10; veja SABÁTICO, ANO.
Quanto à soltura de presos, pode-se notar que, durante o reinado de Xerxes I, que se crê seja o Assuero do livro de Ester, ocorreram várias revoltas. Uma inscrição de Persépolis, atribuída a Xerxes, declara: “Depois que me tornei rei, houve (alguns) dentre estes países . . . que se revoltaram, (mas) eu esmaguei (lit.: matei) tais países, . . . e os coloquei (novamente) em sua condição (política anterior).” (Ancient Near Eastern Texts, [Textos Antigos do Oriente Próximo], editado por J. B. Pritchard, 1974, p. 317) Tal supressão de insurreições sem dúvida resultou em presos políticos, e a ocasião festiva em que Ester foi feita rainha talvez tenha dado margem para Assuero cancelar as acusações contra tais e conceder-lhes anistia ou libertação. (Compare isso com Mt 27:15.) A natureza exata dessa anistia, porém, continua indeterminada.

(ESTER 3:1)
“Depois destas coisas, o Rei Assuero engrandeceu a Hamã, filho de Hamedata, agagita, e passou a exaltá-lo e a colocar seu trono acima de todos os outros príncipes que estavam com ele.”

ia cap. 15 p. 131 Ela defendeu o povo de Deus
Hamã talvez estivesse entre os últimos amalequitas, já que “o restante” deles havia sido destruído nos dias do Rei Ezequias. — 1 Crô. 4:43.

ia cap. 15 p. 131 par. 18 Ela defendeu o povo de Deus
18 Um homem chamado Hamã obteve destaque na corte de Assuero. O rei o nomeou primeiro-ministro, o que fazia de Hamã seu principal conselheiro e o segundo homem mais poderoso no império. O rei até mesmo decretou que quem visse esse alto funcionário deveria se curvar diante dele. (Ester 3:1-4) Para Mordecai, essa lei era um dilema. Ele sabia que devia obedecer ao rei, mas só quando isso não envolvesse desobedecer a Deus. O problema é que Hamã era agagita. Pelo visto, isso significava que ele era descendente de Agague, o rei amalequita executado pelo profeta Samuel. (1 Sam. 15:33) Os amalequitas eram tão maus que se declararam inimigos de Jeová e de Israel. Como povo, eram condenados por Deus. (Deut. 25:19) Como é que um judeu fiel poderia se curvar diante de um amalequita? Mordecai nunca faria isso. Ele manteve sua posição. Até hoje, homens e mulheres de fé têm arriscado a vida para cumprir este princípio: “Temos de obedecer a Deus como governante antes que aos homens.” — Atos 5:29.

w11 1/10 p. 21 Ela defendeu o povo de Deus
Hamã talvez estivesse entre os últimos amalequitas, já que “o restante” deles havia sido destruído nos dias do Rei Ezequias. — 1 Crônicas 4:43.

w11 1/10 p. 21 Ela defendeu o povo de Deus
Um homem chamado Hamã obteve destaque na corte de Assuero. O rei o nomeou primeiro-ministro, o que fazia de Hamã seu principal conselheiro e o segundo homem mais poderoso no império. O rei até mesmo decretou que quem visse esse alto funcionário deveria se curvar perante ele. (Ester 3:1-4) Para Mordecai, essa lei era um dilema. Ele sabia que devia obedecer ao rei, mas só quando isso não envolvesse desobedecer a Deus. O problema é que Hamã era “agagita”. Pelo visto, isso significava que ele era descendente de Agague, o rei amalequita executado pelo profeta Samuel. (1 Samuel 15:33) Os amalequitas eram tão maus que se declararam inimigos de Jeová e de Israel. Como povo, eram condenados por Deus. (Deuteronômio 25:19) Como é que um judeu fiel poderia se curvar diante de um amalequita da realeza? Mordecai nunca faria isso. Ele manteve sua posição. Até hoje, homens e mulheres de fé têm arriscado a vida para cumprir este princípio: “Temos de obedecer a Deus como governante antes que aos homens.” — Atos 5:29.

it-1 p. 61 Agagita
Agagita
[De (Pertencente a) Agague].
Um termo aplicado a Hamã e ao pai dele, Hamedata, em Ester 3:1, 10; 8:3, 5; 9:24. Pelo visto, designava-os como descendentes de Agague, e, portanto, de descendência amalequita. Os judeus entendem tradicionalmente assim esta expressão e assumem que Agague seja o monarca mencionado em 1 Samuel 15:8-33. Josefo refere-se a Hamã como “de descendência amalequita”. (Jewish Antiquities (Antiguidades Judaicas), XI, 209 [vi, 5]) Mordecai era descendente de Quis, da tribo de Benjamim, tornando assim a ele e a Hamã, em certo sentido, inimigos tradicionais. — Est 2:5.

it-1 p. 104 Amaleque, amalequitas
Não se faz mais menção direta dos amalequitas na história bíblica ou secular. No entanto, “Hamã, filho de . . . agagita”, provavelmente descendia deles, pois “Agague” era o título ou nome de certos reis amalequitas. (Est 3:1; Núm 24:7; 1Sa 15:8, 9)

it-2 p. 280 Hamã
Hamã
Filho de Hamedata, o agagita. A designação “agagita” pode significar que Hamã era da realeza amalequita. (Est 3:1; veja AGAGITA; AGAGUE N.° 1.) Se Hamã, de fato, era amalequita, isto já explicaria por que tinha tão grande ódio aos judeus, porque Jeová havia decretado que os amalequitas, por fim, seriam exterminados. (Êx 17:14-16) Isto se deu porque eles mostraram ódio a Deus e ao Seu povo por tomar a iniciativa de lançar ataques contra os israelitas quando estes passavam pelo ermo. — Êx 17:8.
Hamã era servo do Rei Assuero (Xerxes I), da Pérsia, o qual governou no começo do quinto século AEC. Hamã foi honrado e designado primeiro-ministro do Império Persa.

(ESTER 3:2)
“E todos os servos do rei que estavam no portão do rei dobravam-se e prostravam-se diante de Hamã, pois assim tinha ordenado o rei a seu respeito. Mordecai, porém, não se dobrava nem se prostrava.”

ia cap. 15 p. 131 par. 18 Ela defendeu o povo de Deus
18 Um homem chamado Hamã obteve destaque na corte de Assuero. O rei o nomeou primeiro-ministro, o que fazia de Hamã seu principal conselheiro e o segundo homem mais poderoso no império. O rei até mesmo decretou que quem visse esse alto funcionário deveria se curvar diante dele. (Ester 3:1-4) Para Mordecai, essa lei era um dilema. Ele sabia que devia obedecer ao rei, mas só quando isso não envolvesse desobedecer a Deus. O problema é que Hamã era agagita. Pelo visto, isso significava que ele era descendente de Agague, o rei amalequita executado pelo profeta Samuel. (1 Sam. 15:33) Os amalequitas eram tão maus que se declararam inimigos de Jeová e de Israel. Como povo, eram condenados por Deus. (Deut. 25:19) Como é que um judeu fiel poderia se curvar diante de um amalequita? Mordecai nunca faria isso. Ele manteve sua posição. Até hoje, homens e mulheres de fé têm arriscado a vida para cumprir este princípio: “Temos de obedecer a Deus como governante antes que aos homens.” — Atos 5:29.

ia cap. 15 p. 131 Ela defendeu o povo de Deus
Hamã talvez estivesse entre os últimos amalequitas, já que “o restante” deles havia sido destruído nos dias do Rei Ezequias. — 1 Crô. 4:43.

w11 1/10 p. 21 Ela defendeu o povo de Deus
Hamã talvez estivesse entre os últimos amalequitas, já que “o restante” deles havia sido destruído nos dias do Rei Ezequias. — 1 Crônicas 4:43.

w11 1/10 p. 21 Ela defendeu o povo de Deus
Um homem chamado Hamã obteve destaque na corte de Assuero. O rei o nomeou primeiro-ministro, o que fazia de Hamã seu principal conselheiro e o segundo homem mais poderoso no império. O rei até mesmo decretou que quem visse esse alto funcionário deveria se curvar perante ele. (Ester 3:1-4) Para Mordecai, essa lei era um dilema. Ele sabia que devia obedecer ao rei, mas só quando isso não envolvesse desobedecer a Deus. O problema é que Hamã era “agagita”. Pelo visto, isso significava que ele era descendente de Agague, o rei amalequita executado pelo profeta Samuel. (1 Samuel 15:33) Os amalequitas eram tão maus que se declararam inimigos de Jeová e de Israel. Como povo, eram condenados por Deus. (Deuteronômio 25:19) Como é que um judeu fiel poderia se curvar diante de um amalequita da realeza? Mordecai nunca faria isso. Ele manteve sua posição. Até hoje, homens e mulheres de fé têm arriscado a vida para cumprir este princípio: “Temos de obedecer a Deus como governante antes que aos homens.” — Atos 5:29.

w06 1/3 p. 9 Destaques do livro de Ester
3:2; 5:9 — Por que Mordecai se recusou a curvar-se diante de Hamã? Não era errado para os israelitas prostrar-se diante de uma pessoa importante, em reconhecimento de sua posição superior. Mas no caso de Hamã havia mais envolvido. Hamã era agagita, provavelmente um amalequita, e Jeová havia destinado Amaleque ao extermínio. (Deuteronômio 25:19) Para Mordecai, curvar-se diante de Hamã era um assunto que envolvia a integridade a Jeová. Ele se recusou terminantemente a fazer isso, declarando que era judeu. — Ester 3:3, 4.

(ESTER 3:4)
“E sucedeu que, falando-lhe eles dia após dia e não os escutando ele, contaram-no então a Hamã para ver se os assuntos de Mordecai ficariam de pé; pois contara-lhes que era judeu.”

w06 1/3 p. 10 Destaques do livro de Ester
3:4. Em algumas situações é prudente não divulgar nossa identidade, assim como fez Ester. Mas quando a questão envolve tomar uma posição em assuntos importantes, como a soberania de Jeová e a nossa integridade, não devemos ter medo de dizer que somos Testemunhas de Jeová.

(ESTER 3:5)
“Ora, Hamã via que Mordecai não se dobrava nem se prostrava diante dele, e Hamã ficou cheio de furor.”

it-1 pp. 268-269 Atitudes, posturas e gestos
Embora fosse comum que os judeus se curvassem diante duma autoridade para mostrar respeito, Mordecai recusou curvar-se diante de Hamã. Isto se deu porque Hamã, sendo agagita, era bem provavelmente um dos amalequitas, a respeito dos quais Jeová dissera que exterminaria completamente a lembrança deles debaixo dos céus, e que Ele estaria em guerra com Amaleque de geração em geração. (Êx 17:14-16) Visto que curvar-se ou prostrar-se podia ser indicação de paz para com Hamã, Mordecai recusou-se a realizar tal ato, porque teria violado com isso a ordem de Deus. — Est 3:5.

(ESTER 3:7)
“No primeiro mês, que é o mês de nisã, no décimo segundo ano do Rei Assuero, alguém lançou Pur, isto é, a Sorte, diante de Hamã, de dia em dia e de mês em mês, [até] o décimo segundo, isto é, o mês de adar.”

it-1 p. 50 Adivinhação
O iníquo Hamã mandou que ‘alguém [evidentemente um astrólogo] lançasse Pur, isto é, a Sorte, de dia em dia e de mês em mês’, a fim de determinar a ocasião mais favorável para mandar exterminar o povo de Jeová. (Est 3:7-9) Sobre este texto, certo comentário diz: “Ao recorrer a este método de determinar o dia mais auspicioso para pôr em execução seu plano atroz, Hamã fez o que os reis e os nobres da Pérsia sempre fizeram, nunca se empenhando em algum empreendimento sem consultar os astrólogos e ficar satisfeitos quanto à hora de sorte.” (Commentary on the Whole Bible [Comentário Sobre Toda a Bíblia], de Jamieson, Fausset e Brown) Baseado em tal adivinhação, Hamã pôs imediatamente em execução seu plano iníquo. No entanto, o poder de Jeová, de livrar seu povo, foi novamente demonstrado, e Hamã, que confiava na adivinhação, foi enforcado no próprio madeiro que preparara para Mordecai. — Est 9:24, 25.

it-2 p. 280 Hamã
Hamã manifestava as características dos amalequitas. Obviamente, era adorador de deuses falsos, e talvez confiasse nos astrólogos quando mandou lançar a sorte para determinar o dia propício para a destruição dos judeus. (Est 3:7; veja SORTE.)

(ESTER 3:8)
“E Hamã passou a dizer ao Rei Assuero: “Há um povo disperso e separado entre os povos em todos os distritos jurisdicionais do teu domínio real; e suas leis são diferentes de todo outro povo e não executam as leis do próprio rei, e não convém ao rei deixá-los ficar.”

ia cap. 15 p. 131 par. 19 Ela defendeu o povo de Deus
Para convencer o rei a fazer isso, Hamã passou uma ideia negativa dos judeus. Sem mencionar nomes, deu a entender que eles eram insignificantes, um povo “disperso e separado entre os povos”. Pior ainda, Hamã disse que eles não obedeciam às leis do rei, ou seja, que eram rebeldes perigosos.

ia cap. 15 p. 131 par. 19 Ela defendeu o povo de Deus
Ester 3:5-10.

w11 1/10 p. 21 Ela defendeu o povo de Deus
Hamã foi falar com o rei, passando uma ideia negativa dos judeus. Sem mencionar nomes, deu a entender que eles eram insignificantes, um povo “disperso e separado entre os povos”. Pior ainda, Hamã disse que eles não obedeciam às leis do rei, ou seja, que eram rebeldes perigosos.

w11 1/10 p. 21 Ela defendeu o povo de Deus
Ester 3:5-10

(ESTER 3:9)
“Se parecer bem ao rei, escreva-se que sejam destruídos; e eu pagarei dez mil talentos de prata nas mãos dos que fizerem a obra, trazendo-os ao tesouro do rei.””

ia cap. 15 p. 131 par. 19 Ela defendeu o povo de Deus
Ele propôs doar uma enorme quantia ao tesouro do rei para pagar as despesas da chacina dos judeus no império.

ia cap. 15 p. 131 par. 19 Ela defendeu o povo de Deus
Ester 3:5-10.

ia cap. 15 p. 131 Ela defendeu o povo de Deus
Hamã ofereceu 10 mil talentos de prata, o que equivaleria hoje a centenas de milhões de dólares. Se Assuero era Xerxes I, essa oferta de Hamã deve ter sido ainda mais interessante. Xerxes precisava de uma grande quantia de dinheiro para a guerra que estava planejando contra a Grécia havia muito tempo. Essa guerra por fim seria um fracasso.

w11 1/10 p. 21 Ela defendeu o povo de Deus
Ele propôs doar uma enorme quantia ao tesouro do rei para pagar as despesas da chacina dos judeus no império.

w11 1/10 p. 21 Ela defendeu o povo de Deus
Hamã ofereceu 10 mil talentos de prata, o que equivaleria hoje a centenas de milhões de dólares. Se Assuero era Xerxes I, essa oferta de Hamã deve ter sido ainda mais interessante. Xerxes havia perdido uma fortuna em sua guerra desastrosa contra os gregos, pelo visto antes de se casar com Ester.

w11 1/10 p. 21 Ela defendeu o povo de Deus
Ester 3:5-10

it-2 p. 280 Hamã
Acrescentou um atrativo financeiro, dizendo ao rei: “Escreva-se que sejam destruídos; e eu pagarei dez mil talentos [c. US$66.060.000] de prata nas mãos dos que fizerem a obra, trazendo-os ao tesouro do rei.”

(ESTER 3:13)
“E enviavam-se as cartas por meio de correios a todos os distritos jurisdicionais do rei, para aniquilar, matar e destruir todos os judeus, tanto o moço como o velho, pequeninos e mulheres, num só dia, no décimo terceiro [dia] do décimo segundo mês, que é o mês de adar, e para saquear o despojo deles.”

ia cap. 15 p. 132 par. 20 Ela defendeu o povo de Deus
20 Em pouco tempo, mensageiros foram rapidamente a cavalo a cada canto do vasto império, levando o que resultaria numa sentença de morte para o povo judeu. Imagine o impacto que essa proclamação deve ter tido ao chegar à distante Jerusalém, onde um restante de judeus, depois de voltar do exílio em Babilônia, lutava para reconstruir a cidade que ainda não tinha muralhas para se defender.

w11 1/10 pp. 21-22 Ela defendeu o povo de Deus
Em pouco tempo, mensageiros a cavalo foram rapidamente a cada canto do vasto império, levando a declaração de sentença de morte ao povo judeu. Imagine o impacto que essa proclamação deve ter tido ao chegar à longínqua Jerusalém, onde um restante de judeus, depois de voltar do exílio em Babilônia, lutava para reconstruir a cidade que ainda não tinha muralhas para se defender.

it-1 p. 572 Correio
Correio
Homem especialmente escolhido dentre a guarda pessoal real para entregar decretos reais e outra correspondência urgente do rei a regiões distantes do seu domínio. A rapidez da entrega, por parte dos correios (hebr.: ra•tsím; literalmente: corredores) era de importância primária. Desde os tempos antigos, tais homens eram chamados de “correios”. São chamados assim em 2 Crônicas 30:6, 10; Jeremias 51:31.
No Império Persa usavam-se cavalos velozes, junto com estações de muda, ou postas, onde novos correios e cavalos descansados aguardavam levar avante as mensagens importantes. (Est 3:13-15; 8:10, 14)

it-2 p. 13 Esdras
Sem dúvida, viveu durante o governo de Assuero, no tempo de Mordecai e Ester, na época em que saiu o decreto de exterminar os judeus em todo o Império Persa. Havia muitos judeus morando em Babilônia, de modo que esta crise nacional deve ter causado um impacto indelével em Esdras, fortalecendo-lhe a fé no cuidado de Jeová pelo seu povo e na libertação deste por Ele, e isto lhe serviu de treinamento, amadurecendo-lhe o critério e a competência para realizar a tremenda tarefa que mais tarde lhe foi dada. — Est 1:1; 3:7, 12, 13; 8:9; 9:1.

(ESTER 3:15)
“Os próprios correios saíram, movidos à velocidade por causa da palavra do rei, e a própria lei foi dada em Susã, o castelo. Quanto ao rei e a Hamã, sentaram-se para beber; mas no que se referia à cidade de Susã, estava em confusão.”

ia cap. 15 p. 132 par. 20 Ela defendeu o povo de Deus
Hamã, porém, sentou-se com o rei para beber, sem remorso pelo sofrimento que estava causando aos judeus e aos amigos deles em Susã. — Leia Ester 3:12–4:1.

w11 1/10 p. 22 Ela defendeu o povo de Deus
Hamã, porém, sentou-se com o rei para beber, sem remorso pelo sofrimento que estava causando aos judeus e aos amigos deles em Susã. — Ester 3:12–4:1.

(ESTER 4:1)
“E o próprio Mordecai soube de tudo o que se tinha feito; e Mordecai passou a rasgar as suas vestes e a vestir-se de serapilheira e a pôr cinzas, e foi saindo ao meio da cidade e a clamar com um clamor alto e amargo.”

ia cap. 15 p. 132 par. 20 Ela defendeu o povo de Deus
Imagine o impacto que essa proclamação deve ter tido ao chegar à distante Jerusalém, onde um restante de judeus, depois de voltar do exílio em Babilônia, lutava para reconstruir a cidade que ainda não tinha muralhas para se defender. Ao receber a terrível notícia, talvez Mordecai tenha pensado neles, bem como em seus amigos e parentes em Susã. Muito aflito, ele rasgou suas vestes, cobriu-se de serapilheira, colocou cinzas sobre a cabeça e ficou no meio da cidade clamando.

ia cap. 15 p. 132 par. 20 Ela defendeu o povo de Deus
Ester 3:12–4:1.

w11 1/10 pp. 21-22 Ela defendeu o povo de Deus
Imagine o impacto que essa proclamação deve ter tido ao chegar à longínqua Jerusalém, onde um restante de judeus, depois de voltar do exílio em Babilônia, lutava para reconstruir a cidade que ainda não tinha muralhas para se defender. Ao receber a terrível notícia, talvez Mordecai tenha pensado neles, bem como em seus amigos e parentes em Susã. Em desespero, rasgou suas vestes, cobriu-se de serapilheira, colocou cinzas sobre a cabeça e ficou no meio da cidade clamando.

w11 1/10 p. 22 Ela defendeu o povo de Deus
Ester 3:12–4:1

(ESTER 4:3)
“E em todos os diversos distritos jurisdicionais, aonde quer que chegasse a palavra do rei e a sua lei, havia grande pranto entre os judeus, bem como jejum, e choro, e lamento. Mesmo serapilheira e cinzas vieram a ser estendidas como leito para muitos.”

it-1 p. 270 Atitudes, posturas e gestos
O pesar muitas vezes era expresso por se rasgar a vestimenta (1Sa 4:12; Jó 2:12; veja RASGAR VESTES.) e às vezes por se porem cinzas sobre a cabeça. (2Sa 13:19) Quando os judeus foram condenados à destruição pelas mãos de seus inimigos, por ordem do Rei Assuero, “serapilheira e cinzas vieram a ser estendidas como leito para muitos”. (Est 4:3)

(ESTER 4:11)
““Todos os servos do rei e o povo dos distritos jurisdicionais se apercebem de que, no que se refere a qualquer homem ou mulher entrar até o rei no pátio interno, não tendo sido chamado, sua única lei é mandar entregar [tal] à morte; apenas se o rei lhe estender o cetro de ouro, então é que ficará vivo. Quanto a mim, não fui chamada para entrar até o rei já por trinta dias.””

ia cap. 15 p. 133 par. 22 Ela defendeu o povo de Deus
Ela ficou com medo, como indica sua resposta a Mordecai. Ela o lembrou da lei que dizia que comparecer perante o rei sem ser convocado significava pena de morte. O transgressor só seria poupado se o rei estendesse o seu cetro de ouro. E será que Ester podia esperar essa clemência, ainda mais depois do que tinha acontecido com Vasti quando se recusou a obedecer a uma ordem do rei? Ester disse a Mordecai que já fazia 30 dias que o rei não a chamava para comparecer perante ele. Esse desinteresse lhe dava bons motivos para se perguntar se havia perdido o favor daquele rei cheio de caprichos. — Ester 4:9-11.

ia cap. 15 p. 133 Ela defendeu o povo de Deus
Xerxes I era conhecido como temperamental e violento. O historiador grego Heródoto registrou alguns exemplos da guerra de Xerxes contra a Grécia. O rei ordenou que se montasse uma ponte flutuante no estreito de Helesponto. Quando uma tempestade destruiu a ponte, Xerxes mandou decapitar os engenheiros e até ordenou que seus homens “punissem” o Helesponto por açoitar a água enquanto uma proclamação ofensiva era lida em voz alta. Na mesma campanha, quando um homem rico suplicou que seu filho fosse eximido do exército, Xerxes mandou o rapaz ser cortado em dois e expôs o cadáver como aviso.

w11 1/10 pp. 22-23 Ela defendeu o povo de Deus
Ela ficou com medo, como indica sua resposta a Mordecai. Ela o fez lembrar da lei do rei. Aparecer perante o rei sem ser convocado significava pena de morte. O transgressor só seria poupado se o rei estendesse o seu cetro de ouro. E será que Ester podia esperar essa clemência, ainda mais depois do que tinha acontecido com Vasti quando se recusou a comparecer perante o rei? Ela disse a Mordecai que já fazia 30 dias que o rei não a chamava para vê-lo. Esse desinteresse lhe dava bons motivos para se perguntar se havia perdido o favor daquele rei cheio de caprichos. — Ester 4:9-11.

w11 1/10 p. 23 Ela defendeu o povo de Deus
Xerxes I era conhecido como temperamental e violento. O historiador grego Heródoto registrou alguns exemplos da guerra de Xerxes contra a Grécia. O rei ordenou que se montasse uma ponte flutuante no estreito de Helesponto. Quando uma tempestade destruiu a ponte, Xerxes mandou decapitar os engenheiros e até ordenou que seus homens “punissem” o Helesponto por açoitar a água enquanto uma proclamação ofensiva era lida em voz alta. Na mesma campanha, quando um homem rico suplicou que seu filho fosse eximido do exército, Xerxes mandou o rapaz ser cortado em dois e expôs o cadáver como aviso.

(ESTER 4:14)
“Pois se tu, neste tempo, ficares completamente calada, o próprio alívio e livramento, procedentes de outro lugar, pôr-se-ão de pé para os judeus; mas, quanto a ti e a casa de teu pai, vós perecereis. E quem sabe se [não] foi para um tempo como este que atingiste a realeza?””

ia cap. 15 pp. 133-134 par. 23 Ela defendeu o povo de Deus
23 Mordecai respondeu com firmeza para fortalecer a fé de Ester. Ele assegurou que, se ela não agisse, a salvação dos judeus viria de outra fonte. Mas como ela poderia esperar ser poupada quando a perseguição ganhasse força? Assim Mordecai mostrou sua profunda fé em Jeová, que nunca deixaria Seu povo ser exterminado nem Suas promessas sem se cumprir. (Jos. 23:14) Depois, Mordecai perguntou a Ester: “Quem sabe se não foi para um tempo como este que atingiste a realeza?” (Ester 4:12-14) Não acha que vale a pena imitar o exemplo de Mordecai? Ele tinha plena confiança em seu Deus, Jeová. E nós, temos? — Pro. 3:5, 6.

w11 1/10 p. 23 Ela defendeu o povo de Deus
Mordecai respondeu com firmeza para fortalecer a fé de Ester. Ele assegurou que se ela não agisse, a salvação dos judeus viria de outra fonte. Mas como ela poderia esperar ser poupada quando a perseguição ganhasse força? Assim Mordecai mostrou sua profunda fé em Jeová, que nunca deixaria Seu povo ser exterminado nem suas promessas sem se cumprir. (Josué 23:14) Depois, Mordecai perguntou a Ester: “Quem sabe se não foi para um tempo como este que atingiste a realeza?” (Ester 4:12-14) Mordecai tinha plena confiança em seu Deus, Jeová. E nós, temos? — Provérbios 3:5, 6.

(ESTER 4:16)
““Vai, reúne todos os judeus que se acham em Susã e jejuai por mim, e não comais nem bebais por três dias, noite e dia. Também eu, com as minhas moças, jejuarei igualmente, e então entrarei até o rei, o que não é segundo a lei; e se eu tiver de perecer, terei de perecer.””

w06 1/3 p. 10 Destaques do livro de Ester
4:16. Com plena confiança em Jeová, Ester enfrentou de maneira fiel e corajosa uma situação que poderia ter resultado em sua morte. É fundamental que aprendamos a confiar em Jeová e não em nós mesmos.

(ESTER 5:1)
“E sucedeu, no terceiro dia, que Ester foi vestir-se regiamente, tomando depois sua posição no pátio interno da casa do rei, defronte da casa do rei, enquanto o rei estava sentado no seu trono real, na casa real, defronte da entrada da casa.”

ia cap. 15 p. 125 pars. 1-2 Ela defendeu o povo de Deus
ESTER tentou ficar calma ao se aproximar do pátio do palácio de Susã. Isso não era fácil. Tudo naquele castelo havia sido projetado para impressionar — suas coloridas esculturas em relevo de tijolos esmaltados, representando touros alados, arqueiros e leões; suas colunas caneladas de pedra; suas imponentes estátuas e até mesmo sua localização no topo de enormes plataformas perto dos montes Zagros, cobertos de neve, com vista para as águas cristalinas do rio Choaspes. Tudo isso tinha o objetivo de fazer cada visitante lembrar do imenso poder do homem que Ester iria ver, aquele que se dizia “o grande rei”, e que também era o marido dela.
2 Marido? Assuero era bem diferente de tudo o que uma fiel moça judia esperaria de um marido. Ele não seguia o exemplo de homens como Abraão, que humildemente aceitou a orientação de Deus de escutar Sara, sua esposa. (Gên. 21:12) O rei sabia pouco ou nada sobre Jeová, o Deus de Ester, ou sobre Sua Lei. Assuero, porém, conhecia a lei persa, que incluía uma lei que proibia exatamente o que Ester estava para fazer. O quê? A lei dizia que, se uma pessoa comparecesse perante o rei persa sem ter sido convocada por ele, estava sujeita à morte. Ester não tinha sido convocada, mas estava indo ver o rei mesmo assim. Ao se aproximar do pátio interior, de onde o rei no seu trono poderia vê-la, ela talvez achasse que estava caminhando para a morte. — Leia Ester 4:11; 5:1.

ia cap. 16 p. 135 pars. 1-2 Ela agiu com sabedoria, coragem e abnegação
ESTER se aproximou lentamente do trono, com o coração acelerado. Imagine o silêncio que pairou sobre a grandiosa corte real do palácio persa de Susã, um silêncio tão profundo que Ester podia ouvir seus próprios passos suaves e o roçar de suas vestes régias. Ela não podia deixar se distrair com a imponência da corte real, a beleza das colunas e o deslumbrante teto esculpido feito de cedros importados do distante Líbano. Ela concentrou toda a sua atenção no rei, o homem que tinha a vida dela em suas mãos.
2 Enquanto Ester se aproximava, o rei a observava atentamente e então lhe estendeu seu cetro de ouro. Foi um gesto simples, mas significou a vida de Ester, pois indicava que o rei a tinha perdoado pela violação que ela havia acabado de cometer: comparecer perante ele sem ter sido convocada. Ao chegar perto do trono, Ester estendeu a mão e tocou a ponta do cetro, cheia de gratidão. — Ester 5:1, 2.

w12 1/1 p. 24 Ela agiu com sabedoria, coragem e abnegação
ESTER se aproximou lentamente do trono, com o coração disparado. Imagine o silêncio que pairou sobre a grandiosa corte real do palácio persa de Susã, um silêncio tão profundo que Ester podia ouvir seus próprios passos suaves e o roçar de suas vestes régias. Ela não podia deixar se distrair com a imponência da corte real, a beleza das colunas e o deslumbrante teto esculpido feito de cedros importados do distante Líbano. Ela concentrou toda a sua atenção no rei, o homem que tinha a vida dela em suas mãos.
Enquanto Ester se aproximava, o rei a observava atentamente e então lhe estendeu seu cetro de ouro. Foi um gesto simples, mas significou a vida de Ester, pois indicava que o rei a tinha perdoado pela violação que ela havia acabado de cometer: aparecer diante dele sem ter sido convocada. Ao chegar perto do trono, Ester estendeu a mão e tocou a ponta do cetro, cheia de gratidão. — Ester 5:1, 2.

w11 1/10 p. 18 Ela defendeu o povo de Deus
ESTER tentou ficar calma ao se aproximar do pátio do palácio de Susã. Isso não era fácil. Tudo naquele castelo — suas multicoloridas esculturas em relevo de tijolos esmaltados, representando touros alados, arqueiros e leões, suas colunas caneladas de pedra e suas imponentes estátuas, até mesmo sua localização no topo de enormes plataformas perto dos montes Zagros, cobertos de neve, com vista para as águas cristalinas do rio Choaspes — havia sido projetado para fazer cada visitante lembrar do imenso poder do homem que ela iria ver, aquele que se dizia “o grande rei”. Ele também era o marido dela.
Marido? Assuero era bem diferente de tudo o que uma fiel moça judia esperaria de um marido. Ele não seguia o exemplo de homens como Abraão, que humildemente aceitou a orientação de Deus de escutar Sara, sua esposa. (Gênesis 21:12) O rei sabia pouco ou nada sobre Jeová, o Deus de Ester, ou sobre Sua Lei. Assuero, porém, conhecia a lei persa, que incluía uma lei que proibia exatamente o que Ester estava para fazer. O quê? A lei dizia que se uma pessoa aparecesse perante o rei persa sem ter sido convocada por ele estava sujeita à morte. Ester não havia sido convocada, mas estava indo ver o rei mesmo assim. Ao se aproximar do pátio interior, de onde o rei no seu trono poderia vê-la, ela talvez achasse que estava caminhando para a morte. — Ester 4:11; 5:1.

it-2 p. 48 Ester, Livro de
Ester tomou “sua posição no pátio interno da casa do rei, defronte da casa do rei, enquanto o rei estava sentado no seu trono real, na casa real, defronte da entrada da casa. E aconteceu que, assim que o rei viu Ester, a rainha, parada no pátio, ela obteve favor aos seus olhos”. (Est 5:1, 2) Escavações feitas revelaram que os pormenores desta descrição são exatos. Havia um corredor desde a Casa das Mulheres até o pátio interno, e do lado oposto do pátio, defronte do corredor, havia o salão, ou a sala do trono, do palácio. O trono achava-se situado no centro da parede mais afastada, e deste ponto de observação o rei podia olhar por cima do anteparo e ver a rainha à espera duma audiência.

(ESTER 5:2)
“E aconteceu que, assim que o rei viu Ester, a rainha, parada no pátio, ela obteve favor aos seus olhos, de modo que o rei estendeu a Ester o cetro de ouro que estava na sua mão. Ester chegou-se então perto e tocou a ponta do cetro.”

ia cap. 16 p. 135 pars. 1-2 Ela agiu com sabedoria, coragem e abnegação
ESTER se aproximou lentamente do trono, com o coração acelerado. Imagine o silêncio que pairou sobre a grandiosa corte real do palácio persa de Susã, um silêncio tão profundo que Ester podia ouvir seus próprios passos suaves e o roçar de suas vestes régias. Ela não podia deixar se distrair com a imponência da corte real, a beleza das colunas e o deslumbrante teto esculpido feito de cedros importados do distante Líbano. Ela concentrou toda a sua atenção no rei, o homem que tinha a vida dela em suas mãos.
2 Enquanto Ester se aproximava, o rei a observava atentamente e então lhe estendeu seu cetro de ouro. Foi um gesto simples, mas significou a vida de Ester, pois indicava que o rei a tinha perdoado pela violação que ela havia acabado de cometer: comparecer perante ele sem ter sido convocada. Ao chegar perto do trono, Ester estendeu a mão e tocou a ponta do cetro, cheia de gratidão. — Ester 5:1, 2.

w12 1/1 p. 24 Ela agiu com sabedoria, coragem e abnegação
ESTER se aproximou lentamente do trono, com o coração disparado. Imagine o silêncio que pairou sobre a grandiosa corte real do palácio persa de Susã, um silêncio tão profundo que Ester podia ouvir seus próprios passos suaves e o roçar de suas vestes régias. Ela não podia deixar se distrair com a imponência da corte real, a beleza das colunas e o deslumbrante teto esculpido feito de cedros importados do distante Líbano. Ela concentrou toda a sua atenção no rei, o homem que tinha a vida dela em suas mãos.
Enquanto Ester se aproximava, o rei a observava atentamente e então lhe estendeu seu cetro de ouro. Foi um gesto simples, mas significou a vida de Ester, pois indicava que o rei a tinha perdoado pela violação que ela havia acabado de cometer: aparecer diante dele sem ter sido convocada. Ao chegar perto do trono, Ester estendeu a mão e tocou a ponta do cetro, cheia de gratidão. — Ester 5:1, 2.

it-2 p. 48 Ester, Livro de
Ester tomou “sua posição no pátio interno da casa do rei, defronte da casa do rei, enquanto o rei estava sentado no seu trono real, na casa real, defronte da entrada da casa. E aconteceu que, assim que o rei viu Ester, a rainha, parada no pátio, ela obteve favor aos seus olhos”. (Est 5:1, 2) Escavações feitas revelaram que os pormenores desta descrição são exatos. Havia um corredor desde a Casa das Mulheres até o pátio interno, e do lado oposto do pátio, defronte do corredor, havia o salão, ou a sala do trono, do palácio. O trono achava-se situado no centro da parede mais afastada, e deste ponto de observação o rei podia olhar por cima do anteparo e ver a rainha à espera duma audiência.

(ESTER 5:3)
“O rei disse-lhe então: “Que tens, ó Ester, a rainha, e qual é a tua solicitação? Até a metade do reinado — a ti seja dado!””

ia cap. 16 p. 135 par. 3 Ela agiu com sabedoria, coragem e abnegação
3 Tudo no Rei Assuero exibia sua imensa riqueza e poder. A vestimenta régia dos monarcas persas daquela época supostamente custava o equivalente a centenas de milhões de dólares. Apesar de toda essa pompa, Ester via certa ternura nos olhos de seu marido; à sua maneira, ele a amava. Ele disse: “Que tens, ó Ester, a rainha, e qual é a tua solicitação? Até a metade do reinado — a ti seja dado!” — Ester 5:3.

w12 1/1 p. 24 Ela agiu com sabedoria, coragem e abnegação
Tudo no Rei Assuero exibia sua imensa riqueza e poder. A vestimenta régia dos monarcas persas daquela época supostamente custava o equivalente a centenas de milhões de dólares. Apesar de toda essa pompa, Ester via uma certa ternura nos olhos de seu marido; à sua maneira, ele a amava. Ele disse: “Que tens, ó Ester, a rainha, e qual é a tua solicitação? Até a metade do reinado — a ti seja dado!” — Ester 5:3.

(ESTER 5:4)
“Ester disse, por sua vez: “Se parecer bem ao rei, venha o rei com Hamã hoje ao banquete que preparei para ele.””

ia cap. 16 p. 136 Ela agiu com sabedoria, coragem e abnegação
Ela escolheu sabiamente o “tempo para falar”
5 Será que Ester deveria contar tudo ao rei na frente de sua corte? Fazer isso poderia humilhá-lo e dar tempo para seu conselheiro Hamã questionar as acusações dela. Assim, o que Ester fez? Séculos antes, o sábio Rei Salomão escreveu sob inspiração: “Para tudo há um tempo determinado, . . . tempo para ficar quieto e tempo para falar.” (Ecl. 3:1, 7) Podemos imaginar o pai adotivo de Ester, o fiel Mordecai, ensinando à jovem esses princípios à medida que ela crescia. Com certeza, Ester sabia da importância de escolher com cuidado o “tempo para falar”.
6 Ester disse: “Se parecer bem ao rei, venha o rei com Hamã hoje ao banquete que preparei para ele.” (Ester 5:4) O rei concordou e mandou avisar Hamã. Consegue perceber como Ester escolheu sabiamente as palavras? Ela preservou a dignidade de seu marido e criou uma oportunidade mais adequada para revelar suas preocupações. — Leia Provérbios 10:19.

w12 1/1 pp. 24-25 Ela agiu com sabedoria, coragem e abnegação
Ela escolheu sabiamente o “tempo para falar”
Será que Ester deveria contar tudo ao rei na frente de sua corte? Fazer isso poderia humilhá-lo e dar tempo a seu conselheiro Hamã para contestar as acusações dela. Assim, o que Ester fez? Séculos antes, o sábio Rei Salomão escreveu sob inspiração: “Para tudo há um tempo determinado, . . . tempo para ficar quieto e tempo para falar.” (Eclesiastes 3:1, 7) Podemos imaginar o pai adotivo de Ester, o fiel Mordecai, ensinando à jovem esses princípios à medida que ela crescia. Com certeza, Ester sabia da importância de escolher com cuidado o “tempo para falar”.
Ester disse: “Se parecer bem ao rei, venha o rei com Hamã hoje ao banquete que preparei para ele.” (Ester 5:4) O rei concordou e mandou que Hamã fosse informado. Consegue perceber como Ester escolheu sabiamente as palavras? Ela preservou a dignidade de seu marido e criou uma oportunidade mais adequada para revelar suas preocupações.

(ESTER 5:8)
“Se eu tiver achado favor aos olhos do rei e se parecer bem ao rei conceder o meu pedido e agir segundo a minha solicitação, venha o rei e Hamã ao banquete que lhes darei [amanhã], e amanhã farei segundo a palavra do rei.””

ia cap. 16 p. 137 pars. 7-8 Ela agiu com sabedoria, coragem e abnegação
Assuero estava feliz, e se sentiu motivado a perguntar novamente a Ester qual era o seu pedido. Será que esse era o tempo para falar?
8 Ester achava que não. Assim, ela convidou o rei e Hamã para um segundo banquete, no dia seguinte. (Ester 5:7, 8) Por que ela adiou o momento de falar? Lembre-se que o povo de Ester estava sob ameaça de morte por causa do decreto do rei. Com tanta coisa em jogo, Ester precisava ter certeza de escolher a hora certa para falar. Portanto, ela esperou, criando uma nova oportunidade para mostrar a seu marido o quanto o respeitava.

w12 1/1 p. 25 Ela agiu com sabedoria, coragem e abnegação
Assuero estava feliz, e se sentiu motivado a perguntar novamente a Ester qual era o seu pedido. Será que esse era o tempo para falar?
Ester achava que não. Assim, ela convidou o rei e Hamã para um segundo banquete, no dia seguinte. (Ester 5:7, 8) Por que ela adiou o momento de falar? Lembre-se que o povo de Ester estava sob ameaça de morte por causa do decreto do rei. Com tanta coisa em jogo, Ester precisava ter certeza de escolher o momento certo. Portanto, ela esperou, criando uma nova oportunidade para mostrar a seu marido o quanto o respeitava.

(ESTER 5:9)
“Conseqüentemente, Hamã saiu naquele dia alegre e contente de coração; mas assim que Hamã viu a Mordecai no portão do rei, e que ele não se levantou nem trepidou por causa dele, Hamã se encheu imediatamente de furor contra Mordecai.”

ia cap. 16 pp. 138-139 par. 10 Ela agiu com sabedoria, coragem e abnegação
10 A paciência de Ester preparou o caminho para uma impressionante sequência de eventos. Hamã saiu do banquete todo animado, “alegre e contente de coração”, pois o rei e a rainha tinham lhe mostrado muita consideração. Mas, quando passou pelo portão do castelo, ele viu Mordecai, aquele judeu que continuava se recusando a prestar-lhe homenagem especial. Como vimos no capítulo anterior, Mordecai não fazia isso por desrespeito, mas sim por causa de sua consciência e de sua relação com Jeová Deus. Ainda assim, Hamã “se encheu imediatamente de furor”. — Ester 5:9.

w12 1/1 p. 25 Ela agiu com sabedoria, coragem e abnegação
A paciência de Ester preparou o caminho para uma impressionante sequência de eventos. Hamã saiu do banquete todo animado, “alegre e contente de coração”, pois o rei e a rainha tinham lhe mostrado muita consideração. Mas quando passou pelo portão do castelo ele viu Mordecai, aquele judeu que continuava se recusando a prestar-lhe homenagem especial. Mordecai não fazia isso por desrespeito, mas sim por causa de sua consciência e de sua relação com Jeová Deus. Ainda assim, Hamã “se encheu imediatamente de furor”. — Ester 5:9.

(ESTER 5:10)
“No entanto, Hamã controlou-se e entrou na sua casa. Sentou-se então e fez que se trouxessem seus amigos e Zeres, sua esposa;”

w93 15/8 p. 20 par. 10 Faça com que seu autodomínio exista e transborde
10 Considere também um exemplo dos dias de Mordecai e de Ester. A autoridade chamada Hamã irou-se porque Mordecai não se curvava diante dele. Mais tarde, Hamã pensou erroneamente que ele ia ser favorecido. “Hamã saiu naquele dia alegre e contente de coração; mas assim que Hamã viu a Mordecai no portão do rei, e que ele não se levantou nem trepidou por causa dele, Hamã se encheu imediatamente de furor contra Mordecai. No entanto, Hamã controlou-se e entrou na sua casa.” (Ester 5:9, 10) Sentiu rapidamente a emoção da alegria. Mas também sentiu rapidamente ira só de ver alguém contra quem tinha rancor. Acha que, quando a Bíblia diz que Hamã “controlou-se”, isso significava que ele era exemplar no exercício do autodomínio? Não. No momento, Hamã controlou suas ações e qualquer demonstração de emoção, mas não controlou sua fúria ciumenta. Suas emoções levaram-no a tramar assassinato.

(ESTER 5:14)
“Então disseram-lhe Zeres, sua esposa, e todos os seus amigos: “Faça-se um madeiro de cinqüenta côvados de altura. Então, de manhã, dize ao rei que se deve pendurar nele a Mordecai. Então entra alegremente com o rei para o banquete.” De modo que a coisa parecia boa a Hamã e ele passou a mandar fazer o madeiro.”

ia cap. 16 p. 139 par. 11 Ela agiu com sabedoria, coragem e abnegação
11 Quando Hamã contou à sua esposa e aos seus amigos sobre essa desfeita, eles o incentivaram a mandar preparar uma enorme estaca com mais de 20 metros de altura e a pedir permissão ao rei para pendurar Mordecai nela. Hamã gostou da ideia e imediatamente colocou o plano em ação. — Ester 5:12-14.

w12 1/1 p. 26 Ela agiu com sabedoria, coragem e abnegação
Quando Hamã contou a sua esposa e amigos essa desfeita, eles o incentivaram a mandar preparar uma enorme estaca com mais de 20 metros de altura e a pedir permissão ao rei para pendurar Mordecai nela. Hamã gostou da ideia e imediatamente colocou o plano em ação. — Ester 5:12-14.

LEITURA DA BÍBLIA: EST 1:1-15 (4 MIN OU MENOS)


Ester 1:1-15 Nos dias de Assuero, isto é, o Assuero que reinava sobre 127 províncias desde a Índia até a Etiópia, 2 nos dias em que o rei Assuero ocupava o trono real na fortaleza de Susã, 3 no terceiro ano do seu reinado, ele deu um banquete a todos os seus príncipes e servos. Estavam presentes perante ele os comandantes militares da Pérsia e da Média, os nobres e os príncipes das províncias. 4 E durante muitos dias, 180 dias, ele lhes mostrou as riquezas do seu glorioso reino, e a grandeza e o esplendor da sua majestade.5 Terminados esses dias, o rei deu um banquete no pátio do jardim do seu palácio durante sete dias a todos os que estavam na fortaleza de Susã, desde o maior até o menor.6 Havia cortinas de linho, de algodão fino e de tecido azul presas com cordões de tecido fino. Havia também cordões de lã roxa presas a argolas de prata, bem como colunas de mármore. E, sobre um piso de pórfiro, mármore branco, madrepérola e mármore negro, havia divãs de ouro e prata. 7 O vinho era servido em cálices de ouro; cada cálice era diferente do outro. O vinho do rei foi servido em grande quantidade, como só o rei tinha condições de fazer. 8 Ninguém era obrigado a beber; essa foi a regra seguida na ocasião, pois o rei havia decidido com os oficiais do seu palácio que cada um faria conforme lhe agradasse. 9 A rainha Vasti também deu um banquete às mulheres na casa real do rei Assuero. 10 No sétimo dia, quando o coração do rei estava alegre por causa do vinho, ele ordenou a Meumã, Bizta, Harbona, Bigtá, Abagta, Zetar e Carcas, os sete oficiais da corte que eram assistentes pessoais do rei Assuero, 11 que trouxessem à presença do rei a rainha Vasti usando o turbante real, para mostrar aos povos e aos príncipes a sua beleza, pois ela era muito bela. 12 Mas a rainha Vasti se recusava a obedecer à ordem do rei transmitida pelos oficiais da corte. Em vista disso, o rei ficou muito irado e se acendeu o seu furor.13 Então o rei consultou os sábios que conheciam bem os precedentes legais, pois os assuntos do rei eram levados a todos os peritos em leis e causas jurídicas. 14 Seus conselheiros mais próximos eram Carsena, Setar, Admata, Társis, Meres, Marsena e Memucã. Esses sete príncipes da Pérsia e da Média tinham acesso ao rei e ocupavam as posições mais elevadas no reino. 15 O rei perguntou: “Segundo a lei, o que se deve fazer com a rainha Vasti por ela não ter obedecido à ordem do rei Assuero transmitida pelos oficiais da corte?”

FAÇA SEU MELHOR NO MINISTÉRIO


Primeira visita: (2 min ou menos)

Apresente a brochura Escute a Deus. Deixe um assunto para considerar na revisita.


Revisita: (4 min ou menos)

Demonstre como revisitar alguém que aceitou a brochura Escute a Deus. Considere as páginas 2 e 3. Deixe um assunto para considerar na próxima visita.


ll pp. 2-3 Prefácio
Prefácio
Deus é como um pai amoroso. 1 Pedro 5:6, 7
Deus é o nosso Criador e se importa conosco. Assim como um pai sábio e amoroso ensina seus filhos, Deus ensina pessoas do mundo inteiro a ter o melhor modo de vida.
Deus revela verdades preciosas que nos dão alegria e esperança.
Se você escutar a Deus, ele lhe dará orientação e proteção, e também o ajudará a lidar com problemas.
Além disso, você viverá para sempre!
Deus nos diz: ‘Venham a mim. Escutem e fiquem vivos.’ Isaías 55:3
1 Ped. 5:6, 7 Portanto, humilhem-se sob a mão poderosa de Deus, para que ele os enalteça no tempo devido, 7 ao passo que lançam sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele cuida de vocês.
Ou: “todas as suas inquietações; todas as suas preocupações”.
Isa. 55:3 Escutem e venham a mim. Deem ouvidos, e vocês ficarão vivos, E eu sem falta farei com vocês um pacto eterno Em harmonia com as fiéis expressões de amor leal a Davi.
Ou: “Inclinem seu ouvido”.
Ou: “sua alma ficará viva”.
Ou: “confiáveis”.

ESTUDO BÍBLICO: (6 MIN OU MENOS)

Usando as páginas 4 e 5 da brochura Escute a Deus e Viva para Sempre, demonstre como dirigir um estudo bíblico com o morador que aceitou a brochura Escute a Deus. (km 7/12 3 § 4)


ll parte 1 pp. 4-5 Como podemos escutar a Deus?
Parte 1
Como podemos escutar a Deus?
O Deus verdadeiro orientou homens a escrever os pensamentos dele num livro sagrado. Esse livro é a Bíblia. Ela tem informações importantes que Deus quer que você saiba.
Deus sabe o que é melhor para nós, e toda sabedoria vem dele. Por escutá-lo, você se tornará realmente sábio. — Provérbios 1:5.
Deus quer que todas as pessoas leiam a Bíblia. Ela pode ser lida em muitos idiomas.
Se você quer escutar a Deus, precisa ler e entender a Bíblia.
Deus fala conosco por meio da Bíblia. 2 Timóteo 3:16
As Testemunhas de Jeová podem ajudá-lo a entender a Bíblia.
Em toda a Terra, elas ensinam a verdade sobre Deus.
Você não precisa pagar nada por essa instrução. Você também pode aprender sobre Deus no Salão do Reino das Testemunhas de Jeová perto da sua casa.
Pessoas em todo o mundo estão escutando a Deus. Mateus 28:19
A palavra de Deus é a verdade. — João 17:17.
Por que podemos confiar em Deus? — Números 23:19.
Pro. 1:5 O sábio escuta e assimila mais instrução; O homem que tem entendimento obtém orientação perita
Ou: “instrução sábia”.
2 Tim. 3:16 Toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa para ensinar, para repreender, para endireitar as coisas, para disciplinar em justiça,
Ou: “corrigir”.
Mat. 28:19 Portanto, vão e façam discípulos de pessoas de todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo,
João 17:17 Santifica-os por meio da verdade; a tua palavra é a verdade.
Ou: “Coloca-os à parte; Torna-os santos”.
Núm. 23:19 Deus não é um homem para mentir, Nem um filho de homem para mudar de ideia. Quando ele diz algo, será que não faz? Quando ele fala, será que não cumpre?
Ou: “lamentar”.

km 7/12 p. 3 par. 4 Ajude as pessoas a escutar a Deus
4. Quais são as características da brochura Escute a Deus e Viva para Sempre?
4 A brochura Escute a Deus e Viva para Sempre tem as mesmas ilustrações que a versão simplificada, Escute a Deus. Ela foi elaborada para estudar com aqueles que têm limitações de leitura ou estão aprendendo a ler. Também pode ser utilizada como exemplar do instrutor ao estudar com alguém que usa a versão simplificada. No canto superior esquerdo de cada lição de duas páginas há uma pergunta que é respondida nessas páginas. Além das ilustrações, há comentários e textos citados. Próximo à parte inferior de muitas páginas há um quadro com alguns pontos adicionais e textos citados que podem ser considerados dependendo da capacidade do estudante.

NOSSA VIDA CRISTÃ


Necessidades locais. (10 min)


Como a nova reunião e a apostila têm ajudado você?: (5 min)

Consideração. Peça que os irmãos comentem como a nova reunião os tem ajudado. Incentive todos a se prepararem bem para aproveitar a reunião ao máximo.


ESTUDO BÍBLICO DE CONGREGAÇÃO: IA CAP. 10 §§ 1-11, QUADRO NA P. 86 (30 MIN)


ia cap. 10 pp. 84-87 pars. 1-11 Ele defendeu a adoração pura

parágrafo 2 1 Reis 18:4 e, quando Jezabel estava eliminando os profetas de Jeová, Obadias levou cem profetas e os manteve escondidos em cavernas, em grupos de 50, e os sustentou com pão e água.)
Lit.: “decepando”.
parágrafo 2 1 Reis 18:19, 20 Agora convoque todo o Israel ao monte Carmelo, e também os 450 profetas de Baal e os 400 profetas do poste sagrado, que comem à mesa de Jezabel.” 20 Assim, Acabe mandou mensageiros a todo o povo de Israel e reuniu os profetas no monte Carmelo.
Veja o Glossário.
parágrafo 3 Tia. 5:17 Elias era um homem com sentimentos iguais aos nossos; contudo, quando ele orou com fervor para que não chovesse, não choveu naquela terra por três anos e seis meses.
parágrafo 3 1 Reis 18:22 Elias disse então ao povo: “Eu sou o único profeta de Jeová que restou, mas há 450 profetas de Baal.
parágrafo 6 1 Reis 16:30-33 Acabe, filho de Onri, foi pior aos olhos de Jeová do que todos os que reinaram antes dele. 31 Como se não bastasse cometer os mesmos pecados que Jeroboão, filho de Nebate, cometeu, ele também tomou como esposa Jezabel, filha de Etbaal, rei dos sidônios, e começou a servir a Baal e a curvar-se diante dele. 32 Além disso, fez para Baal um altar na casa de Baal, que ele tinha construído em Samaria. 33 Acabe fez também o poste sagrado. Ele fez mais para ofender a Jeová, o Deus de Israel, do que todos os reis de Israel que reinaram antes dele.
Ou: “no templo”.
Veja o Glossário.
parágrafo 7 1 Reis 17:1 E Elias, o tisbita, habitante de Gileade, disse a Acabe: “Tão certo como vive Jeová, o Deus de Israel, a quem sirvo, não haverá nem orvalho nem chuva durante estes anos, a não ser que eu ordene!”
Que significa “meu Deus é Jeová”.
Lit.: “perante quem estou de pé”.
parágrafo 8 Rom. 15:4 Pois todas as coisas escritas anteriormente foram escritas para a nossa instrução, a fim de que, por meio da nossa perseverança e por meio do consolo das Escrituras, tivéssemos esperança.
parágrafo 8 Isa. 54:5 “Pois o Grandioso que a fez é como um marido para você, Jeová dos exércitos é o seu nome. O Santo de Israel é o seu Resgatador. Ele será chamado de Deus de toda a terra.
Ou: “senhor”.
parágrafo 8 Mat. 6:24 “Ninguém pode ser escravo de dois senhores; pois ou odiará um e amará o outro, ou se apegará a um e desprezará o outro. Vocês não podem ser escravos de Deus e das Riquezas.
parágrafo 8 Rom. 6:16 Não sabem que, se vocês se apresentam a alguém como escravos, para lhe obedecer, são escravos daquele a quem obedecem — quer do pecado, que leva à morte, quer da obediência, que leva à justiça?
parágrafo 9 1 Reis 18:21 Então Elias se aproximou de todo o povo e disse: “Até quando vocês ficarão indecisos entre duas opiniões? Se Jeová é o verdadeiro Deus, sigam a ele! Mas se é Baal, sigam a ele!” Mas o povo não lhe disse nenhuma palavra em resposta.
Lit.: “mancando”.
parágrafo 10 1 Sam. 17:45 Davi respondeu ao filisteu: “Você vem contra mim com espada, lança e dardo, mas eu vou contra você em nome de Jeová dos exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem você desafiou.
Ou: “a quem você insultou; de quem você zombou”.
parágrafo 10 Êxo. 20:5 Não se curve diante delas nem as sirva, pois eu, Jeová, seu Deus, sou um Deus que exige devoção exclusiva e traz punição pelo erro dos pais sobre os filhos, sobre a terceira geração e sobre a quarta geração daqueles que me odeiam,
Ou: “nem seja induzido a servi-las”.
parágrafo 7 Veja o quadro “Quanto tempo durou a seca nos dias de Elias?”.
parágrafo 9 O monte Carmelo normalmente é viçoso e verde, visto que ventos marítimos carregados de umidade passam pelas suas encostas, com frequência trazendo chuvas e formando bastante orvalho. Uma vez que Baal recebia o crédito pelas chuvas, esse monte evidentemente era um local importante para a sua adoração. Assim, um monte Carmelo improdutivo e seco era um local ideal para expor o baalismo como uma fraude.

ia cap. 10 p. 86 Ele defendeu a adoração pura
Quanto tempo durou a seca nos dias de Elias?
O profeta de Jeová, Elias, anunciou ao Rei Acabe que a longa seca logo acabaria. Isso foi “no terceiro ano” — pelo visto contando a partir do dia em que Elias anunciou a seca. (1 Reis 18:1) Jeová fez chover pouco tempo depois de Elias ter dito que Ele faria isso. Alguns talvez concluam que a seca terminou no decorrer do terceiro ano e que, portanto, durou menos de três anos. Mas tanto Jesus como Tiago disseram que a seca durou “três anos e seis meses”. (Luc. 4:25; Tia. 5:17) Será que isso é uma contradição?
De forma alguma. Veja bem, a estação seca no Israel antigo era bastante longa, durava até seis meses. Sem dúvida, Elias foi até Acabe para anunciar a seca quando o período de estiagem já era incomumente longo e severo. Na verdade, a seca tinha começado quase meio ano antes. Assim, quando Elias anunciou o fim da seca “no terceiro ano”, após ele ter dado o primeiro anúncio, a seca já tinha durado quase três anos e meio. Os “três anos e seis meses” completos já tinham passado quando todo o povo se reuniu para presenciar o grande teste no monte Carmelo.
Considere, então, a ocasião em que Elias visitou o Rei Acabe pela primeira vez. O povo acreditava que Baal era “o cavaleiro das nuvens”, o deus que traria chuvas para acabar com a estação seca. Se a estação seca foi incomumente longa, é provável que as pessoas se perguntassem: ‘Onde está Baal? Quando ele trará as chuvas?’ O anúncio de Elias, de que não choveria nem cairia orvalho até que ele desse a ordem, deve ter sido arrasador para aqueles adoradores de Baal. — 1 Reis 17:1.

1 Reis 18:1 Depois de algum tempo, no terceiro ano, Elias recebeu a seguinte palavra de Jeová: “Vá, apresente-se a Acabe, e eu farei chover sobre o solo.”
Luc. 4:25 Garanto a vocês que havia muitas viúvas em Israel nos dias de Elias, quando o céu se fechou por três anos e seis meses e houve uma grande fome em toda aquela terra.
Tia. 5:17 Elias era um homem com sentimentos iguais aos nossos; contudo, quando ele orou com fervor para que não chovesse, não choveu naquela terra por três anos e seis meses.
1 Reis 17:1 E Elias, o tisbita, habitante de Gileade, disse a Acabe: “Tão certo como vive Jeová, o Deus de Israel, a quem sirvo, não haverá nem orvalho nem chuva durante estes anos, a não ser que eu ordene!”
Que significa “meu Deus é Jeová”.
Lit.: “perante quem estou de pé”.

Recapitulação da reunião e visão geral da próxima semana (3 min)


ESTUDO DE "A SENTINELA" | SEMANA DE 29 DE FEVEREIRO DE 2016–6 DE MARÇO DE 2016
Continue a mostrar “amor fraternal”


TEXTOS BÍBLICOS PARA O ESTUDO

w16 janeiro pp. 1-2 | A Sentinela (Estudo) (2016)
SEMANA DE 29 DE FEVEREIRO DE 2016–6 DE MARÇO DE 2016
Continue a mostrar “amor fraternal”


Qual é o texto do ano para 2016? Em que devemos pensar ao ver esse texto ao longo do ano? Esse artigo mostra como podemos tirar o máximo de proveito do nosso texto do ano.

Continue a mostrar “amor fraternal”

“Que o seu amor fraternal continue.” — HEB. 13:1.

CÂNTICOS: 72, 119

COMO RESPONDERIA?

• O que é amor fraternal?
• Por que é tão importante continuarmos mostrando amor fraternal?
• Como podemos mostrar amor fraternal?

Heb. 13:1 Que o seu amor fraternal continue.
parágrafo 1 Heb. 13:23 Quero que saibam que o nosso irmão Timóteo foi libertado. Se ele vier logo, nós iremos juntos ver vocês.
parágrafo 1 Luc. 21:20-24 “No entanto, quando virem Jerusalém cercada por exércitos acampados, então saibam que está próxima a desolação dela. 21 Então, os que estiverem na Judeia fujam para os montes, os que estiverem no meio dela saiam, e os que estiverem nos campos não entrem nela, 22 porque esses são dias para se executar a justiça a fim de que se cumpram todas as coisas escritas. 23 Ai das mulheres grávidas e das que amamentarem naqueles dias! Porque haverá grande aflição nesta terra e ira contra este povo. 24 E eles cairão pelo fio da espada e serão levados cativos para todas as nações; e Jerusalém será pisada pelas nações até se cumprirem os tempos determinados das nações.
Ou: “dias de vingança”.
Ou: “pelos gentios”.
Ou: “dos gentios”.
parágrafo 2 Heb. 10:32-34 No entanto, lembrem-se sempre dos dias anteriores, em que, depois de vocês terem sido esclarecidos, perseveraram numa grande luta, com muito sofrimento. 33 Algumas vezes vocês foram publicamente expostos tanto a insultos como a aflições, e algumas vezes vocês ficaram ao lado dos que passavam por essas coisas. 34 Pois vocês foram solidários com os que estavam presos e aceitaram alegremente o saque dos seus próprios bens, sabendo que vocês mesmos possuem algo melhor e duradouro.
Lit.: “foram expostos como que num teatro”.
parágrafo 2 Mat. 24:20, 21 Persistam em orar para que a sua fuga não ocorra no inverno nem no sábado; 21 pois então haverá grande tribulação, como nunca ocorreu desde o princípio do mundo até agora, não, nem ocorrerá de novo.
parágrafo 2 Heb. 12:4 Na sua luta contra esse pecado, vocês ainda não resistiram até o ponto de ter seu sangue derramado.
parágrafo 2 Heb. 10:36-39 Pois vocês precisam de perseverança, a fim de que, depois de terem feito a vontade de Deus, recebam o cumprimento da promessa. 37 Pois mais “um pouquinho de tempo”, e “aquele que vem chegará, e não demorará”. 38 “Mas o meu justo viverá em razão da fé”, e, “se ele retroceder, eu não me agradarei dele”. 39 Ora, nós não somos dos que retrocedem para a destruição, mas dos que têm fé para preservar a vida.
Ou: “minha alma não se agradará dele”.
Ou: “alma”.
parágrafo 3 2 Tim. 3:1 Mas saiba que nos últimos dias haverá tempos críticos, difíceis de suportar.
parágrafo 3 2 Tim. 3:12 De fato, todos os que desejarem levar uma vida de devoção a Deus, em união com Cristo Jesus, também serão perseguidos.
parágrafo 3 Luc. 21:34-36 “Mas prestem atenção a si mesmos, para que o seu coração nunca fique sobrecarregado com o excesso no comer e no beber e com as ansiedades da vida, e de repente aquele dia os apanhe de surpresa, 35 como uma armadilha. Pois ele virá sobre todos os que moram na face de toda a terra. 36 Portanto, mantenham-se despertos, fazendo todo o tempo súplicas para que consigam escapar de todas essas coisas que têm de ocorrer e consigam ficar em pé diante do Filho do Homem.”
parágrafo 4 Heb. 13:1 Que o seu amor fraternal continue.
Heb. 13:1 Que o seu amor fraternal continue.
parágrafo 5 João 11:36 Em vista disso, os judeus disseram: “Vejam como ele o amava!”
Ou: “ele tinha afeição por ele”.
parágrafo 5 Mat. 23:8 Mas vocês não sejam chamados ‘Rabi’, pois um só é o seu Instrutor, e todos vocês são irmãos.
parágrafo 5 Rom. 12:10 Com amor fraternal, tenham ternos sentimentos uns pelos outros. Tomem a iniciativa em honrar uns aos outros.
parágrafo 6 Rom. 10:12 Pois não há distinção entre judeu e grego; o mesmo Senhor está sobre todos e é rico para com todos os que o invocam.
Ou: “generoso”.
parágrafo 6 1 Tes. 4:9 No entanto, no que se refere ao amor fraternal, vocês não precisam que lhes escrevamos, pois vocês mesmos são ensinados por Deus a amar uns aos outros.
parágrafo 7 1 João 4:7 Amados, continuemos a amar uns aos outros, porque o amor vem de Deus, e todo aquele que ama nasceu de Deus e conhece a Deus.
parágrafo 7 1 João 4:20, 21 Se alguém diz: “Eu amo a Deus”, e ainda assim odeia o seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama o seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. 21 E recebemos dele este mandamento: aquele que ama a Deus deve amar também o seu irmão.
parágrafo 7 Mar. 13:14-18 “No entanto, quando vocês virem a coisa repugnante que causa desolação estar num lugar onde não devia (que o leitor use de discernimento), então, os que estiverem na Judeia fujam para os montes. 15 O homem que estiver no terraço não desça, nem entre para tirar algo da sua casa, 16 e o homem que estiver no campo não volte ao que deixou atrás, para apanhar sua capa. 17 Ai das mulheres grávidas e das que amamentarem naqueles dias! 18 Persistam em orar para que isso não ocorra no inverno;
Ou: “estar de pé”.
parágrafo 7 Luc. 21:21-23 Então, os que estiverem na Judeia fujam para os montes, os que estiverem no meio dela saiam, e os que estiverem nos campos não entrem nela, 22 porque esses são dias para se executar a justiça a fim de que se cumpram todas as coisas escritas. 23 Ai das mulheres grávidas e das que amamentarem naqueles dias! Porque haverá grande aflição nesta terra e ira contra este povo.
Ou: “dias de vingança”.
parágrafo 7 Rom. 12:9 Que o amor de vocês seja sem hipocrisia. Abominem o que é mau; agarrem-se ao que é bom.
parágrafo 8 Mar. 13:19 pois aqueles dias serão dias de tribulação, como nunca ocorreu desde o princípio da criação, que Deus criou, até agora, nem ocorrerá de novo.
Ou: “até aquele tempo”.
parágrafo 8 Apocalipse 7:1-3 Depois disso vi quatro anjos em pé nos quatro cantos da terra, segurando firmemente os quatro ventos da terra, de modo que nenhum vento pudesse soprar sobre a terra, nem sobre o mar, nem sobre árvore alguma. 2 E eu vi outro anjo subir do nascente, com um selo do Deus vivente, e ele gritou em alta voz para os quatro anjos aos quais havia sido concedido fazer dano à terra e ao mar: 3 “Não façam dano à terra, nem ao mar, nem às árvores, até termos selado na testa os escravos do nosso Deus.”
Ou: “leste”.
parágrafo 8 Isa. 26:20 Vá, povo meu, entre nos seus quartos E feche as portas atrás de si. Esconda-se por um instante, Até que passe o furor.
Ou: “aposentos internos”.
Ou: “a indignação”.
parágrafo 8 Heb. 10:24, 25 E pensemos uns nos outros para nos estimular ao amor e às boas obras, 25 não deixando de nos reunir, como é costume de alguns, mas nos encorajando uns aos outros, e ainda mais ao passo que vocês veem chegar o dia.
Ou: “preocupemo-nos uns com os; estejamos atentos uns aos”.
Ou: “motivar; atiçar”.
parágrafo 9 Mat. 24:6-9 Vocês ouvirão falar de guerras e notícias de guerras. Cuidado para não ficar apavorados, pois essas coisas têm de acontecer, mas ainda não é o fim. 7 “Porque nação se levantará contra nação e reino contra reino; haverá falta de alimentos e terremotos num lugar após outro. 8 Todas essas coisas são um começo das dores de aflição. 9 “Então as pessoas os entregarão a tribulação e os matarão, e vocês serão odiados por todas as nações, por causa do meu nome.
parágrafo 9 Apocalipse 6:5, 6 Quando ele abriu o terceiro selo, ouvi a terceira criatura vivente dizer: “Venha!” E vi um cavalo preto. O que estava montado nele tinha uma balança na mão. 6 Ouvi o que parecia ser uma voz no meio das quatro criaturas viventes, dizendo: “Um litro de trigo por um denário e três litros de cevada por um denário. E não faça dano ao azeite e ao vinho.”
Ou: “queniz”. Veja Ap. B14.
Moeda romana de prata que equivalia ao salário de um dia. Veja Ap. B14.
parágrafo 9 Mat. 24:12 e, por causa do aumento do que é contra a lei, o amor da maioria esfriará.
parágrafo 11 Heb. 13:2 Não se esqueçam da hospitalidade, porque graças a ela alguns, sem saber, receberam anjos.
Ou: “bondade com estranhos”.
parágrafo 11 Gên. 18:2-5 Ele levantou os olhos e viu três homens parados a certa distância. Quando os viu, correu da entrada da tenda ao encontro deles, e curvou-se por terra. 3 Então ele disse: “Jeová, se achei favor aos teus olhos, por favor, não passes por teu servo sem parar. 4 Por favor, permitam que se traga um pouco de água e sejam lavados os seus pés; então recostem-se debaixo da árvore. 5 Visto que passaram por aqui, pelo seu servo, deixem-me buscar um pouco de pão para que se revigorem. Depois poderão seguir caminho.” Então eles disseram: “Está bem. Pode fazer como falou.”
Lit.: “fortaleçam seu coração”.
parágrafo 11 Gên. 19:1-3 Os dois anjos chegaram a Sodoma ao anoitecer, e Ló estava sentado no portão de Sodoma. Quando os viu, Ló se levantou e foi ao encontro deles, e se curvou com o rosto por terra. 2 E disse: “Por favor, meus senhores, venham, por favor, para a casa do seu servo e passem a noite ali, e sejam lavados os seus pés. Então poderão se levantar cedo e seguir caminho.” Eles responderam: “Não; nós passaremos a noite na praça.”3 Mas ele insistiu tanto que eles foram com ele para sua casa. Preparou-lhes então um banquete e assou pães sem fermento, e eles comeram.
parágrafo 12 Luc. 10:42 Mas poucas coisas são necessárias, ou apenas uma. Maria, por sua vez, escolheu a boa porção, e essa não será tirada dela.”
Ou: “melhor parte”.
parágrafo 12 Luc. 14:12-14 A seguir ele disse também ao homem que o havia convidado: “Quando você oferecer um almoço ou um jantar, não chame seus amigos, nem seus irmãos, nem seus parentes, nem seus vizinhos ricos. Pois eles, por sua vez, poderiam convidá-lo também, e isso seria para você uma retribuição. 13 Mas, quando oferecer um banquete, convide os pobres, os aleijados, os mancos, os cegos; 14 e você será feliz, porque eles não têm nada com que recompensá-lo. Pois você será recompensado na ressurreição dos justos.”
parágrafo 12 3 João 5-8 Amado, você mostra sua fidelidade naquilo que faz pelos irmãos, mesmo que não os conheça. 6 Eles deram testemunho do seu amor perante a congregação. Por favor, encaminhe-os na viagem deles de uma maneira digna de Deus. 7 Porque foi a favor do nome dele que saíram, sem receber nada das pessoas das nações. 8 Portanto, nós temos a obrigação de mostrar hospitalidade a irmãos como esses, para que nos tornemos colaboradores na verdade.
parágrafo 13 Heb. 13:3 Lembrem-se dos que estão presos, como se vocês estivessem presos com eles, e dos que estão sendo maltratados, visto que vocês mesmos também estão no corpo.
Lit.: “dos acorrentados; dos em correntes”.
Ou, possivelmente: “como se vocês estivessem sofrendo com eles”.
parágrafo 13 Fil. 1:12-14 Quero que vocês saibam, irmãos, que a minha situação tem, na verdade, resultado no progresso das boas novas, 13 de modo que as correntes que me prendem por causa de Cristo se tornaram de conhecimento público entre toda a Guarda Pretoriana e todos os demais. 14 Agora, a maioria dos irmãos no Senhor ganhou confiança por causa das minhas correntes e está mostrando ainda mais coragem para falar destemidamente a palavra de Deus.
parágrafo 13 Heb. 10:34 Pois vocês foram solidários com os que estavam presos e aceitaram alegremente o saque dos seus próprios bens, sabendo que vocês mesmos possuem algo melhor e duradouro.
parágrafo 13 Heb. 13:18, 19 Continuem a orar por nós, pois estamos certos de que temos uma boa consciência, visto que queremos nos comportar honestamente em todas as coisas. 19 Mas eu os exorto especialmente a orar para que eu seja restituído a vocês mais depressa.
Ou: “uma consciência honesta”.
parágrafo 15 Heb. 13:4 O casamento seja honroso entre todos, e o leito conjugal mantido puro, porque Deus julgará os que praticam imoralidade sexual e os adúlteros.
Ou: “imaculado”.
Veja o Glossário.
parágrafo 15 1 Tim. 5:1, 2 Não repreenda severamente um homem idoso. Ao contrário, aconselhe-o bondosamente como a um pai; aos jovens, como a irmãos; 2 às mulheres idosas, como a mães; às jovens, como a irmãs, com toda a castidade.
Ou: “suplique a ele”.
parágrafo 15 1 Tes. 4:3-8 Pois esta é a vontade de Deus: que vocês sejam santos e se abstenham de imoralidade sexual. 4 Cada um de vocês deve saber controlar o seu próprio corpo em santidade e honra, 5 não com paixão desenfreada, ávida, como as nações que não conhecem a Deus. 6 Ninguém deve ultrapassar os limites do que é próprio e se aproveitar do seu irmão nesse assunto, pois Jeová exige punição por todas essas coisas, assim como lhes dissemos antes e também os advertimos fortemente. 7 Pois Deus nos chamou, não para a impureza, mas para a santidade. 8 Portanto, quem desconsidera isso não desconsidera o homem, mas a Deus, que dá a vocês o seu espírito santo.
Em grego, porneía. Veja o Glossário.
Lit.: “vaso”.
Ou: “apetite sexual ávido”.
Veja Ap. A5.
parágrafo 15 Mat. 5:28 Mas eu lhes digo que todo aquele que persiste em olhar para uma mulher, a ponto de sentir paixão por ela, já cometeu no coração adultério com ela.
parágrafo 16 Heb. 13:5 Que o seu modo de vida seja livre do amor ao dinheiro; fiquem satisfeitos com as coisas que têm. Pois ele disse: “Eu nunca deixarei você e nunca o abandonarei.”
Ou: “coisas atuais”.
parágrafo 16 1 Tim. 6:6-8 De fato, há grande ganho na devoção a Deus junto com o contentamento. 7 Pois não trouxemos nada ao mundo, nem podemos levar nada embora.8 Assim, tendo o que comer e o que vestir, estaremos contentes com isso.
Lit.: “junto com autossuficiência”.
Ou: “tendo sustento”.
Ou: “e abrigo”. Lit.: “e cobertura”.
parágrafo 16 1 Tim. 6:17-19 Dê instruções aos que são ricos no mundo atual: que eles não sejam arrogantes e que não baseiem a sua esperança nas riquezas incertas, mas em Deus, que nos proporciona ricamente todas as coisas que nos dão satisfação. 18 Diga-lhes que pratiquem o bem, que sejam ricos em boas obras, que sejam generosos, prontos para partilhar, 19 armazenando um tesouro para si, um bom alicerce para o futuro; fazendo isso, eles se apegarão firmemente à verdadeira vida.
Ou: “Ordene”.
Ou: “no atual sistema de coisas; na época atual”. Veja o Glossário.
Ou: “soberbos”.
Ou: “liberais”.
Ou: “entesourando de forma segura para si”.
parágrafo 17 Heb. 13:6 Para que fiquemos cheios de coragem e digamos: “Jeová é o meu ajudador; não terei medo. O que me pode fazer o homem?”
Veja Ap. A5.
parágrafo 17 1 Tes. 5:14, 15 Por outro lado, nós os exortamos, irmãos, que advirtam os indisciplinados, consolem os que estão deprimidos, amparem os fracos, sejam pacientes com todos. 15 Tomem cuidado para que ninguém pague mal com mal, mas empenhem-se sempre pelo bem uns dos outros e de todos.
Ou: “aconselhem com firmeza”.
Ou: “os desanimados”. Lit.: “os de pouca alma”.
parágrafo 17 Luc. 21:25-28 “Também, haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas; e, na terra, angústia de nações, que não saberão o que fazer por causa do rugido do mar e da sua agitação. 26 Pessoas desfalecerão de medo, na expectativa das coisas que vêm sobre a terra habitada, pois os poderes dos céus serão abalados. 27 E então verão o Filho do Homem vir numa nuvem, com poder e grande glória. 28 Mas, quando essas coisas começarem a ocorrer, ponham-se de pé e levantem a cabeça, porque o seu livramento está se aproximando.”
parágrafo 18 Heb. 13:7 Lembrem-se dos que exercem liderança entre vocês, os que lhes falaram a palavra de Deus, e, ao observar os resultados da conduta deles, imitem sua fé.
parágrafo 18 Heb. 13:17 Sejam obedientes aos que exercem liderança entre vocês e sejam submissos, pois eles vigiam sobre vocês e prestarão contas disso; para que façam isso com alegria, e não com suspiros, porque isso seria prejudicial a vocês.
Ou: “as suas almas”.
parágrafo 18 1 Tes. 5:13 tenham a mais alta consideração por eles em amor, por causa do trabalho deles. Sejam pacíficos uns com os outros.
parágrafo 19 1 Tes. 4:9, 10 No entanto, no que se refere ao amor fraternal, vocês não precisam que lhes escrevamos, pois vocês mesmos são ensinados por Deus a amar uns aos outros. 10 Realmente, vocês estão fazendo isso com relação a todos os irmãos, em toda a Macedônia. Mas nós os exortamos, irmãos, a continuar fazendo isso cada vez mais.
parágrafo 20 Heb. 13:1 Que o seu amor fraternal continue.

Clique na imagem para Baixar informações completas em arquivos digitais para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone


PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS