2 Crônicas 15-16-17-18-19, Destaques da Bíblia: semana de 14 de dezembro

Destaques da leitura da Bíblia: 2 Crônicas 15-19. Informações para o estudo pessoal

Ler e ouvir a leitura da Bíblia em JW.org:



Pesquisa para Destaques da Bíblia desta semana: 2 Crônicas 15-19

14 de dez. Leitura da Bíblia: 2 Crônicas 15-19



(2 CRÔNICAS 15:2)

“Por conseguinte, saiu diante de Asa e disse-lhe: “Ouvi-me, ó Asa, e todo o Judá e Benjamim! Jeová está convosco enquanto mostrardes estar com ele; e se o buscardes, deixar-se-á achar por vós, mas se o abandonardes, ele vos abandonará.”

*** w12 15/8 pp. 9-10 “Há uma recompensa pela vossa atividade” ***
Mas havia também um toque alertador nas palavras do profeta Azarias, quando disse: “Se o abandonardes, [Jeová] vos abandonará.” Que isso nunca nos aconteça, pois os efeitos podem ser trágicos. (2 Ped. 2:20-22) As Escrituras não revelam por que Jeová mandou alertar Asa, mas o rei não acatou o alerta.

*** w12 15/8 p. 9 “Há uma recompensa pela vossa atividade” ***
“Ouvi-me, ó Asa, e todo o Judá e Benjamim! Jeová está convosco enquanto mostrardes estar com ele; e se o buscardes, deixar-se-á achar por vós, mas se o abandonardes, ele vos abandonará

*** w12 15/8 p. 9 “Há uma recompensa pela vossa atividade” ***
2 Crô. 15:1, 2,

*** w12 15/8 p. 9 “Há uma recompensa pela vossa atividade” ***
Essas palavras podem fortalecer a nossa fé. Elas mostram que Jeová estará conosco desde que o sirvamos fielmente. Ao rogarmos sua ajuda, podemos confiar que ele nos ouve.

(2 CRÔNICAS 15:7)

“E vós, sede corajosos e não deixeis que as vossas mãos se abaixem, porque há uma recompensa pela vossa atividade.””

*** w12 15/8 p. 9 “Há uma recompensa pela vossa atividade” ***
“Sede corajosos”, disse Azarias. Não raro é preciso muita coragem para fazer o que é correto, mas sabemos que é possível com a ajuda de Jeová.
Visto que a avó de Asa, Maacá, “tinha feito um ídolo horrível ao poste sagrado”, o rei enfrentou a difícil tarefa de removê-la da posição régia de “senhora”. Além de enfrentar esse desafio, ele queimou o ídolo dela. (1 Reis 15:13) Asa foi abençoado por sua determinação e coragem. Nós também temos de nos apegar resolutamente a Jeová e às suas normas justas, quer nossos familiares sejam leais a Deus, quer não. Se fizermos isso, Jeová recompensará a nossa conduta fiel.
Parte da recompensa de Asa foi ver muitos israelitas do apóstata reino do norte afluírem a Judá ao perceberem que Asa tinha o apoio de Jeová. Por causa de seu grande apreço pela adoração pura, eles preferiram deixar suas casas para viver entre servos de Jeová. Daí, Asa e todo o Judá entraram alegremente ‘num pacto para buscar a Jeová de todo o coração e de toda a alma’. O resultado? Jeová ‘se deixou achar por eles e continuou a dar-lhes descanso em todo o redor’. (2 Crô. 15:9-15)

*** w12 15/8 p. 9 “Há uma recompensa pela vossa atividade” ***
Sede corajosos e não deixeis que as vossas mãos se abaixem, porque há uma recompensa pela vossa atividade.” — 2 Crô. 15:1, 2, 7.

*** it-2 p. 762 Mão ***
‘abaixar as mãos’, ficar desanimado (2Cr 15:7;

(2 CRÔNICAS 15:17)

“E os próprios altos não desapareceram de Israel. Somente o próprio coração de Asa mostrou ser pleno em todos os seus dias.”

*** it-1 p. 102 Altos ***
Asa, que sucedeu a Abijão no trono, serviu a Jeová em fidelidade e fez empenhos decisivos para eliminar do reino todos os acessórios da adoração falsa. (1Rs 15:11-13) “Removeu de todas as cidades de Judá os altos e os pedestais-incensários.” (2Cr 14:2-5) Todavia, 1 Reis 15:14 e 2 Crônicas 15:17 aparentemente indicam que os altos não foram removidos. Pode ser que Asa, embora removesse os altos da adoração de falsos deuses, deixasse aqueles onde o povo adorava a Jeová. Ou, talvez surgissem novamente os altos perto do fim do seu reinado, existindo assim para seu sucessor Jeosafá destruí-los. No entanto, nem mesmo durante o reinado de Jeosafá os altos desapareceram completamente. (1Rs 22:42, 43; 2Cr 17:5, 6; 20:31-33) A adoração que Judá praticava nos altos estava tão arraigada, que as reformas tanto de Asa como de Jeosafá não conseguiram eliminar todos eles permanentemente.

*** it-1 p. 224 Asa ***
O registro em 2 Crônicas 14:2-5 declara que Asa “removeu os altares estrangeiros e os altos, e destroçou as colunas sagradas, e cortou os postes sagrados”. No entanto, 1 Reis 15:14 e 2 Crônicas 15:17 indicam que ele ‘não removeu os altos’. Por conseguinte, pode ser que os altos a que o relato anterior de Crônicas se refere fossem os da adoração pagã adotada, que infetava Judá, ao passo que o relato de Reis se refere aos altos em que o povo se empenhava na adoração a Jeová. Mesmo depois de ser erguido o tabernáculo e do posterior estabelecimento do templo, ocasionalmente se ofereciam sacrifícios a Jeová em altos, o que era aceitável a Ele em circunstâncias especiais, como nos casos de Samuel, Davi e Elias. (1Sa 9:11-19; 1Cr 21:26-30; 1Rs 18:30-39) Todavia, o lugar costumeiro, aprovado para sacrifícios, era o autorizado por Jeová. (Núm 33:52; De 12:2-14; Jos 22:29) Formas impróprias de adoração nos altos talvez tenham continuado, apesar da remoção dos altos pagãos, talvez porque o rei não procurou eliminá-las com o mesmo vigor com que removeu os locais pagãos. Ou é possível que Asa realmente tenha feito a completa remoção de todos os altos; mas, neste caso, estes surgiram de novo no decorrer do tempo, e não haviam sido removidos no término de seu reinado, o que permitiu que fossem despedaçados pelo seu sucessor, Jeosafá.

(2 CRÔNICAS 15:19)

“Quanto a uma guerra, não ocorreu até o trigésimo quinto ano do reinado de Asa.”

*** it-1 p. 241 Asa ***
Assim, também, a aparente discrepância entre a declaração em 2 Crônicas 15:19, no sentido de que, quanto à “uma guerra, não ocorreu até o trigésimo quinto [realmente o décimo quinto] ano do reinado de Asa”, e a declaração em 1 Reis 15:16, no sentido de que “sucedeu haver mesmo guerra entre Asa e Baasa, rei de Israel, em todos os seus dias”, pode ser explicada no sentido de que, uma vez iniciados os conflitos entre os dois reis, eles depois foram contínuos, assim como Hanani predissera. — 2Cr 16:9.

(2 CRÔNICAS 16:1)

“No trigésimo sexto ano do reinado de Asa subiu Baasa, rei de Israel, contra Judá e começou a construir Ramá, para não deixar ninguém sair nem entrar até Asa, rei de Judá.”

*** w12 15/8 p. 10 “Há uma recompensa pela vossa atividade” ***
2 Crô. 16:1

*** w12 15/8 p. 10 “Há uma recompensa pela vossa atividade” ***
No 36.° ano do reinado de Asa, o Rei Baasa, de Israel, fez investidas contra Judá. Talvez para evitar que seus súditos declarassem lealdade a Asa e à adoração pura, Baasa fortificou a cidade fronteiriça de Ramá, uns dez quilômetros ao norte de Jerusalém.

*** it-1 p. 241 Asa ***
A declaração em 2 Crônicas 16:1, de que Baasa subiu contra Judá “no trigésimo sexto ano do reinado de Asa”, tem suscitado algumas dúvidas, visto que o governo de Baasa, que começou no terceiro ano de Asa e que durou apenas 24 anos, já tinha terminado uns 10 anos antes do 36.° ano do governo de Asa. (1Rs 15:33) Ao passo que alguns sugerem ter havido um erro de escriba e crêem que a referência seja ao 16.° ou 26.° ano do reinado de Asa, não é preciso presumir que houve erro para harmonizar os relatos. Comentadores judaicos citam o Seder Olam, que sugere que o 36.° ano foi contado desde a existência do reino separado de Judá (997 AEC), e correspondia ao 16.° ano de Asa (Roboão governando 17 anos, Abias 3 anos e Asa estando então no seu 16.° ano). (Soncino Books of the Bible [Livros da Bíblia, de Soncino], Londres, 1952, n. sobre 2Cr 16:1.) Este era também o ponto de vista do arcebispo Ussher.

(2 CRÔNICAS 16:3)

““Há um pacto entre mim e ti, e entre meu pai e teu pai. Eis que deveras te envio prata e ouro. Vai, rompe o teu pacto com Baasa, rei de Israel, para que se retire de mim.””

*** it-1 p. 241 Asa ***
Intriga e Guerra Contra Baasa. O Rei Baasa, de Israel, passou a bloquear o caminho de qualquer pessoa inclinada a voltar a Judá, por fortificar a cidade fronteiriça de Ramá, situada na estrada principal para Jerusalém e apenas a curta distância ao N daquela cidade. Asa, por algum processo de raciocínio humano, ou devido a acatar maus conselhos, deixou então de estribar-se unicamente em Jeová, e recorreu à diplomacia e a manobras conspiratórias para remover tal ameaça. Tomou os tesouros do templo, e os da casa real, e os enviou como suborno ao Rei Ben-Hadade I, da Síria, a fim de induzi-lo a desviar a atenção de Baasa mediante um ataque contra a fronteira N de Israel. Ben-Hadade I aceitou isso, e sua incursão contra cidades israelitas ao N interrompeu a obra de construção de Baasa, e provocou a retirada de suas forças de Ramá. Asa recrutou então todo o potencial humano disponível no inteiro reino de Judá, e removeu todos os estoques de materiais de construção de Baasa, usando-os para reforçar as cidades de Geba e Mispá. — 1Rs 15:16-22; 2Cr 16:1-6.

(2 CRÔNICAS 16:4)

“Portanto, Ben-Hadade escutou o Rei Asa e enviou os chefes das suas forças militares contra as cidades de Israel, de modo que golpearam Ijom, e Dã, e Abel-Maim, e todos os armazéns das cidades de Naftali.”

*** it-1 p. 14 Abel-Bete-Maacá, Abel de Bete-Maacá ***
Os circundantes campos férteis, bem regados, sem dúvida deram origem a outro nome merecido, Abel-Maim (significando “Curso de Água de Águas”). Sua localização tornava-a excelente lugar de armazenagem. — 2Cr 16:4.

(2 CRÔNICAS 16:9)

“Pois, quanto a Jeová, seus olhos percorrem toda a terra, para mostrar a sua força a favor daqueles cujo coração é pleno para com ele. Agiste nesciamente no que toca a isto, pois doravante haverá guerras contra ti.””

*** cl cap. 4 pp. 42-43 pars. 15-16 “Jeová é . . . grande em poder” ***
15 Jeová também usa seu poder para nos beneficiar pessoalmente. Note o que diz 2 Crônicas 16:9: “Quanto a Jeová, seus olhos percorrem toda a terra, para mostrar a sua força a favor daqueles cujo coração é pleno para com ele.” O que aconteceu com Elias, conforme mencionado no início, ilustra isso. Por que Jeová lhe fez aquelas demonstrações assombrosas de poder divino? Bem, a perversa Rainha Jezabel havia jurado matar Elias. O profeta estava fugindo para salvar a vida. Ele se sentia sozinho, assustado e desanimado — como se todo o seu trabalho árduo tivesse sido em vão. Para consolar esse homem aflito, Jeová lembrou-o vividamente da grandeza do poder divino. O vento, o terremoto e o fogo indicavam que o Ser mais poderoso do Universo apoiava Elias. Por que deveria ter medo de Jezabel, tendo o apoio do Deus Todo-Poderoso? — 1 Reis 19:1-12.
16 Embora atualmente não seja sua época de fazer milagres, Jeová não mudou desde os dias de Elias. (1 Coríntios 13:8) Ele está tão desejoso como sempre esteve de usar seu poder em favor dos que o amam. É verdade que ele reside num elevado domínio espiritual, mas não está longe de nós. Seu poder é ilimitado, de modo que a distância não é nenhum obstáculo. Na verdade, “Jeová está perto de todos os que o invocam”. (Salmo 145:18) Certa vez, quando o profeta Daniel orou a Jeová pedindo ajuda, um anjo lhe apareceu antes mesmo de ele terminar de orar! (Daniel 9:20-23) Nada pode impedir Jeová de ajudar e fortalecer aqueles a quem ele ama. — Salmo 118:6.

*** w02 15/10 p. 14 Jeová está cuidando de você ***
Jeová procura ajudar-nos
4 O Diabo percorre a Terra, procurando alguém para acusar e devorar. (Jó 1:7, 9; 1 Pedro 5:8) Em contraste com isso, Jeová procura ajudar os que precisam de sua força. O profeta Hanani disse ao Rei Asa: “Quanto a Jeová, seus olhos percorrem toda a terra, para mostrar a sua força a favor daqueles cujo coração é pleno para com ele.” (2 Crônicas 16:9) Que diferença entre a vigilância odiosa de Satanás e o cuidado amoroso de Jeová!

*** it-1 p. 241 Asa ***
Assim, também, a aparente discrepância entre a declaração em 2 Crônicas 15:19, no sentido de que, quanto à “uma guerra, não ocorreu até o trigésimo quinto [realmente o décimo quinto] ano do reinado de Asa”, e a declaração em 1 Reis 15:16, no sentido de que “sucedeu haver mesmo guerra entre Asa e Baasa, rei de Israel, em todos os seus dias”, pode ser explicada no sentido de que, uma vez iniciados os conflitos entre os dois reis, eles depois foram contínuos, assim como Hanani predissera. — 2Cr 16:9.

(2 CRÔNICAS 16:11)

“E eis os assuntos de Asa, os primeiros e os últimos, eis que estão escritos no Livro dos Reis de Judá e de Israel.”

*** w09 15/3 p. 32 Perguntas dos Leitores ***
Por outro lado, certas referências podem ser a livros que têm nomes similares aos livros da Bíblia, mas que na realidade não fazem parte dela. Podemos exemplificar isso com quatro livros antigos: o “livro dos assuntos dos tempos dos reis de Judá”, o “Livro dos Reis de Judá e de Israel”, o “Livro dos Reis de Israel” e o “Livro dos Reis de Israel e de Judá”. Embora os nomes desses livros soem parecido com os nomes dos livros bíblicos conhecidos como 1 Reis e 2 Reis, esses quatro livros não foram inspirados e não fazem parte do cânon bíblico. (1 Reis 14:29; 2 Crô. 16:11; 20:34; 27:7) Provavelmente eram apenas escritos históricos disponíveis quando o profeta Jeremias e Esdras escreveram os relatos que lemos na Bíblia.

(2 CRÔNICAS 16:12)

“E Asa, no trigésimo nono ano do seu reinado, passou a padecer dos pés até ficar muito doente; e mesmo na sua doença não buscou a Jeová, mas sim os que curavam.”

*** w12 15/8 p. 10 “Há uma recompensa pela vossa atividade” ***
2 Crô. 16:12

*** w12 15/8 p. 10 “Há uma recompensa pela vossa atividade” ***
No 39.° ano de seu reinado, Asa ficou muito doente com um padecimento nos pés. “Mesmo na sua doença não buscou a Jeová, mas sim os que curavam”, diz o relato. Pelo visto Asa negligenciava sua saúde espiritual.

*** it-1 p. 241 Asa ***
Doença e Morte. Os últimos três anos de Asa trouxeram-lhe sofrimento devido a uma enfermidade dos pés (talvez gota) e ele insensatamente procurou antes a cura física do que a espiritual.

(2 CRÔNICAS 16:14)

“Enterraram-no, pois, na sua grandiosa sepultura que escavara para si na Cidade de Davi; e deitaram-no na cama que fora enchida de óleo de bálsamo e de diversas espécies de ungüento, misturadas num ungüento de fabricação especial. Além disso, fizeram para ele uma queima fúnebre extraordinariamente grande.”

*** w05 1/12 p. 20 Destaques do livro de Segundo das Crônicas ***
16:13, 14 — Asa foi cremado? Não. A “queima fúnebre extraordinariamente grande” refere-se à queima de especiarias, não à cremação de Asa. — Nota.

*** it-1 pp. 805-806 Embalsamamento ***
As Escrituras, relatando o sepultamento do Rei Asa, declaram: “Deitaram-no na cama que fora enchida de óleo de bálsamo e de diversas espécies de ungüento, misturadas num ungüento de fabricação especial. Além disso, fizeram para ele uma queima fúnebre extraordinariamente grande.” Não se tratava da cremação do rei, mas da queima de especiarias. (2Cr 16:13, 14) E, se este uso de ungüento pode ser considerado mesmo uma forma de embalsamamento, não era do tipo praticado pelos egípcios.

*** it-1 p. 819 Enterro, lugares de sepultamento ***
Especiarias tais como mirra e aloés costumavam ser incluídas em tal enfaixamento (Jo 19:39, 40), ou o corpo talvez fosse deitado em óleo e ungüento, como se fez com o corpo do Rei Asa. (2Cr 16:14) A grande “queima fúnebre” mencionada neste último caso evidentemente era a queima de tais especiarias, que produziam assim um incenso aromático.

(2 CRÔNICAS 17:6)

“E seu coração tornou-se ousado nos caminhos de Jeová e ele até mesmo removeu de Judá os altos e os postes sagrados.”

*** w09 15/6 p. 12 Seja “zeloso de obras excelentes”! ***
Asa talvez tenha removido os altos associados à adoração de deuses falsos mas não aqueles onde o povo adorava a Jeová. Ou pode ser que certos altos foram reconstruídos no final do reinado de Asa e que estes então foram removidos por seu filho Jeosafá. — 1 Reis 15:14; 2 Crô. 15:17.

*** w09 15/6 p. 12 par. 4 Seja “zeloso de obras excelentes”! ***
Asa “removeu os altares estrangeiros e os altos, e destroçou as colunas sagradas, e cortou os postes sagrados”. (2 Crô. 14:3) Jeosafá, inflamado de zelo pela adoração de Jeová, “removeu de Judá os altos e os postes sagrados”. — 2 Crô. 17:6; 19:3.

(2 CRÔNICAS 17:17)

“E de Benjamim havia o poderoso, valente Eliada, e com ele havia duzentos mil homens armados de arco e escudo.”

*** it-1 p. 190 Armas, armadura ***
O “escudo” menor ou “broquel” (hebr.: ma•ghén) era costumeiramente usado por arqueiros e usualmente é associado com armas leves, tais como o arco. Por exemplo, era usado pelos arqueiros benjaminitas da força militar do Rei Asa, de Judá. (2Cr 14:8) O escudo menor costumava ser redondo e era mais comum do que o escudo grande, provavelmente sendo usado principalmente no combate de corpo a corpo. Que o tsin•náh e o ma•ghén hebraicos diferiam consideravelmente em tamanho parece ser indicado pelos escudos de ouro feitos por Salomão, sendo que o escudo grande era revestido com quatro vezes mais ouro do que o escudo menor, ou broquel. (1Rs 10:16, 17; 2Cr 9:15, 16) O ma•ghén, assim como o tsin•náh, parece ter constituído parte duma expressão geral para armas de guerra. — 2Cr 14:8; 17:17; 32:5.

(2 CRÔNICAS 18:25)

“Disse então o rei de Israel: “Tomai a Micaías e fazei-o voltar a Amom, chefe da cidade, e a Joás, filho do rei.”

*** it-2 p. 580 Joás ***
6. Um daqueles a quem o fiel profeta Micaías foi entregue por Acabe para ser encarcerado. Ele é chamado de “filho do rei”. (1Rs 22:26, 27; 2Cr 18:25, 26) Esta expressão talvez se refira a um descendente do Rei Acabe, ou pode denotar um oficial de descendência real ou alguém intimamente associado com a família real.

(2 CRÔNICAS 19:3)

“Não obstante, acharam-se boas coisas contigo, por teres eliminado do país os postes sagrados e teres preparado teu coração para buscar o [verdadeiro] Deus.””

*** cl cap. 24 pp. 244-245 par. 12 Nada pode “nos separar do amor de Deus” ***
12 Há um exemplo ainda mais positivo: o do bom Rei Jeosafá. Quando ele cometeu um ato tolo, o profeta de Jeová lhe disse: “Por isso há indignação contra ti da parte da pessoa de Jeová.” De fato, palavras preocupantes! Mas a mensagem de Jeová não parou por aí. Acrescentou: “Não obstante, acharam-se boas coisas contigo.” (2 Crônicas 19:1-3) De modo que, apesar de sua ira justa, Jeová não ficou cego para com a bondade de Jeosafá. Como isso é diferente do modo como agem os humanos imperfeitos! Quando ficamos aborrecidos com outros, nossa tendência é desconsiderar o que eles têm de bom. E, quando pecamos, o desapontamento, a vergonha e a culpa que sentimos nos fazem esquecer das boas qualidades que nós mesmos temos. Lembre-se, porém, de que, se nos arrependermos de nossos pecados e fizermos bastante esforço para não repeti-los, Jeová nos perdoará.

*** w05 1/12 p. 20 Destaques do livro de Segundo das Crônicas ***
19:1-3. Jeová procura o que é bom em nós, mesmo quando lhe damos razões para ficar zangado conosco.

*** w03 1/7 p. 17 par. 13 “Deus é amor” ***
13 A Bíblia revela algo mais que nos assegura o amor de Jeová: ele procura e aprecia o que há de bom em nós. Por exemplo, considere o bom Rei Jeosafá. Quando ele cometeu um ato tolo, o profeta de Jeová lhe disse: “Por isso há indignação contra ti da parte da pessoa de Jeová.” De fato, palavras preocupantes! Mas a mensagem de Jeová não parou por aí. Prosseguiu: “Não obstante, acharam-se boas coisas contigo.” (2 Crônicas 19:1-3) De modo que, apesar de sua ira justa, Jeová não ficou cego para com as “boas coisas” de Jeosafá. Não é reanimador saber que nosso Deus procura o que há de bom em nós, embora sejamos imperfeitos?

(2 CRÔNICAS 19:4)

“E Jeosafá continuou morando em Jerusalém; e começou a sair novamente entre o povo, desde Berseba até a região montanhosa de Efraim, para trazê-los de volta a Jeová, o Deus de seus antepassados.”

*** it-1 p. 342 Berseba ***
Berseba veio a representar o ponto mais meridional ao se descrever a extensão da Terra da Promessa, conforme expresso na frase proverbial, “desde Dã para baixo até Berseba” (Jz 20:1), ou, na direção inversa, “desde Berseba até Dã”. (1Cr 21:2; 2Cr 30:5) Depois da divisão da nação em dois reinos, Berseba continuou a ser usada para indicar a extremidade sul do reino de Judá, nas expressões “desde Geba até Berseba” (2Rs 23:8) e “desde Berseba até a região montanhosa de Efraim” (onde começava o reino setentrional de Israel). (2Cr 19:4) Nos tempos pós-exílicos, a expressão era usada de forma ainda mais limitada, para se referir à região ocupada pelos repatriados de Judá, que se estendia desde Berseba “até o vale de Hinom”. — Ne 11:27, 30.
Na realidade, havia outras cidades da Terra da Promessa situadas ao S de Berseba, assim como havia cidades israelitas ao N de Dã. No entanto, tanto Dã como Berseba encontravam-se em fronteiras naturais da terra. No caso de Berseba, sua localização era abaixo das montanhas de Judá, à beira do deserto. Adicionalmente, era uma das principais cidades de Judá (junto com Jerusalém e Hébron), e isto se dava, não só porque dispunha de excelentes reservas de água, em comparação com a região circunvizinha, possibilitando assim tanto a lavoura como as pastagens de manadas e rebanhos, mas também porque importantes estradas convergiam para ela, vindas de várias direções. Do Egito, uma antiga rota subia pelo “Caminho dos Poços”, atravessando Cades-Barnéia até Berseba, unindo-se a outra estrada pela qual viajavam as caravanas de camelos dos “Reinos das Especiarias” da península da Arábia, em direção à Filístia ou a Judá. De Eziom-Géber, na cabeceira do golfo de Acaba, outra rota subia pelo Arabá e então se virava para o O, ascendendo a subida de Acrabim até Berseba. Em Gaza, na planície filistéia, uma estrada que saía da estrada principal levava ao SE, a Berseba. E, ligando-a com o restante de Judá, uma estrada ia de Berseba para o NE, subindo o platô nas montanhas de Judá até Jerusalém e outros pontos mais para o N. — Gên 22:19.

(2 CRÔNICAS 19:7)

“E agora venha sobre vós o pavor de Jeová. Tomai cuidado e agi, porque com Jeová, nosso Deus, não há injustiça, nem parcialidade, nem aceitação de suborno.””

*** w11 1/8 p. 28 Um dia promissor e de grandes expectativas ***
“Venha sobre vós o pavor de Jeová”
Anthony Morris, do Corpo Governante, explicou o significado da expressão bíblica “o pavor de Jeová”. (2 Crônicas 19:7) Essas palavras não se referem a algum tipo de terror mórbido, mas sim a um desejo intenso de fazer o que é certo, um respeito tão forte e sincero que nos faz tremer de ansiedade.

(2 CRÔNICAS 19:11)

“E aqui está Amarias, o sacerdote principal sobre vós para todo assunto de Jeová; e Zebadias, filho de Ismael, líder da casa de Judá para todo assunto do rei; e como oficiais estão à vossa disposição os levitas. Sede fortes e agi, e mostre-se Jeová com aquilo que é bom.””

*** it-1 p. 104 Amarias ***
3. Sacerdote principal “para todo assunto de Jeová”, especialmente causas jurídicas, durante o reinado de Jeosafá. — 2Cr 19:11.

Clique na imagem para Baixar informações completas em arquivos digitais para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone