Pesquisar conteúdo aqui

Custom Search

Biografia: Yves Saint-Laurent | Costureiro francês, um dos nomes lendários de Haute Couture.

(Yves Mathieu Saint-Laurent;) Oran, na Argélia, 1936 - Paris, 2008) costureiro francês, um dos nomes lendários de Haute Couture. Filho de Charles Mathieu e Lucienne Andrée Saint-Laurent, cresceu com as irmãs, com todas as comodidades esperadas de uma boa família na Argélia francesa. Seu pai, advogado de algum sucesso, sempre quis Yves para estudar direito e este frequentou uma escola de Oran, onde recebeu uma educação baseada em uma disciplina de ferro que o afectou e influenciou a sua vida mais tarde.
Ele sempre foi muito ligado à mãe, Lucienne, uma mulher bonita e elegante, que ficou fascinada por Yves com suas constante mudanças. Ela imediatamente entendeu a criança sensível e quando ele viu que colegas riram de seu filho porque ele usava suas irmãs bonecas e bonecos do teatro escola, decidi encontrar um centro de aprendizagem de costura e padrão de design em Paris, onde ele poderia desenvolver seu talento.

Yves Saint-Laurent
Este foi um período de formação e também duvido entre decidir sobre teatro ou moda, em que o adolescente Saint-Laurent devorado Vogue e outras revistas no momento em que ler Marcel Proust, autor favorito dele. Finalmente, estimulado por sua mãe, ela decidiu fazer o salto, e o Yves provincial foi apenas se mudou para Paris com dezessete anos, dispostos a aprender tudo sobre a alta-costura.
E logo mostrou que seu compromisso era sério. Ele mostrou seus projetos para Michel de Brunhoff, editor da Vogue, que ficou satisfeito e decidiu publicá-las no seu diário. Ele seguiu o Conselho de Brunhoff e matriculado em uma escola de Haute Couture, mas achei chato e pouco tempo depois deixou de assistir às aulas. Impaciente aprendiz apresentado um esboço de um vestido de cocktail em uma competição e ganhou o primeiro prêmio, feito que serviu para ser conhecido entre a sociedade parisiense.

Herdeiro natural de Christian Dior

O jovem que Saint Laurent foi introduzido para Christian Dior por De Brunhoff e ele imediatamente se rendeu ao seu talento. Em 1954 começou a trabalhar sob as ordens do grande criador, que se tornaria na mão até sua morte em 1957. Durante três anos que ele colaborou de forma estreita com a Dior, que muitas vezes criticou suas propostas extravagantes mas ao mesmo tempo admirava o talento criativo de seu jovem discípulo, que costumava ser chamado de "meu príncipe".
A morte do professor afetou o jovem discípulo, que passou a ser seu herdeiro natural. Uma vez que ele foi nomeado diretor de arte da empresa, ele lançou sua primeira coleção, apresentada sob o nome de trapézio e com que foi um sucesso retumbante. Entre o público que compareceram que desfile foi Pierre Bergé, um amigo de Dior e habitual círculo da moda parisiense, que, ao longo do tempo, tornou-se parceiro, amigo e amante de Yves.
Em 1960, ele não poderia ajudar mais as obrigações do serviço militar e deixou seu posto à frente da Dior porque ele foi convocado pelo exército francês. Alguns meses não podem tolerar a dureza da vida militar e sofreram sua primeira grande depressão, teve que ser internado em um hospital psiquiátrico militar. Seu amigo Berge usado suas influências e logo depois tem que deixá-lo de lá.

A criação de sua própria empresa

Enquanto isso, a casa de Dior nomeado diretor assistente de Yves, Marc Bohan, que muito desagradou o costureiro, que decidiu processar a empresa. Ajudado por seu amigo inseparável Berge, Saint Laurent entrou com um processo e lutou até que recebem uma compensação da empresa por danos morais e, com esse dinheiro e Mack Robinson, um homem de negócios americano interessado em moda, ele criou sua própria casa de alta costura.
Em 1962, ele apresentou uma coleção primeira sob o nome dele e quatro anos mais tarde lançou o smoking, que, com o passar do tempo, tornou-se um clássico. Com esta promessa e o resto de suas criações foi erigida no pioneiro de uma moda mais democrática, mais rápido e mais acessível para as gerações.
Em meados da década de 1960, foi trabalhar em coleções projetadas para mulheres maduras e sofisticadas. A atriz Elizabeth Taylor usou no casamento com Richard Burton, um modelo de Saint-Laurent e outras celebridades, tais como Marlene Dietrich, Farah Diba, a Duquesa de Windsor, Sofia Loren e Catherine Deneuve, também tirou sua roupa na ocasião. Com a cumplicidade de sua melhor amiga, Betty Catroux, Saint-Laurent criou um estilo andrógino que procurou encontrar o equivalente do traje masculino para as mulheres.

Criador do revolucionário e ocasional modelo

Em 1970, seus desfiles, destacadas-se a apresentação do americano feminino e vestidos e blusas que deixaram atrás bare. Mas o fato de que seu 'estilo' coleção de 1940 ficou muito ruim de clientes foi motivo que suficiente para Yves decidiu abandonar a moda durante os dois anos seguintes. No início da década de 1970 ele fez modelo para sua Rive Gauche masculino coleção pronto a usar e chegou a posar nua para a câmera de Jean-Loup Sieff para o perfume dela, bastante incomum naqueles dias.
Com a ajuda de seus dois melhores designers e Anne-Marie Munoz, Loulou de La Falaise, em 1974, o costureiro reapareceu com uma coleção dedicada ao segundo Império e novamente ouvi aplausos. Naquele ano, a revista Time chamou-o "Rei da moda" e dedicou uma capa. Também entrou várias vezes em hospitais, que veio a cair, e mesmo o apoio de seu amigo Pierre conseguiu evitar que você termina cada vez somente em seu apartamento de Paris, ou refugiado na mansão que havia sido construído em Marrakech. Alimentado acima com esta situação, Berge deixou-o em 1976.

Medos de um vencedor

Em 1983, no Metropolitan Museum de Nova York, abriu uma exposição dedicada às suas criações. Dois anos mais tarde foi o Museu de belas artes em Pequim que fez o mesmo, e em 1986, o Museu da moda em Paris apresentou uma retrospectiva do designer desde 1958. O sucesso de Saint-Laurent foi tal que, no final da década de oitenta, a empresa criada há mais de vinte anos já tinha mais de 10.000 pessoas que trabalharam em 200 países e cerca de 360 milhões de euros facturados.
Apesar do fato de que ele já tinha sido distinguido com o prémio de moda Oscar Neiman Marcus (Dallas, 1958), ou bazar de o Oscar Harper (1966), meados da década de 1980 tornou-se o reconhecimento público ao seu trabalho e recebeu a Legião de honra o Presidente francês François Mitterrand. No entanto, Yves Saint-Laurent continuaram a sofrer episódios de insegurança e o medo do fracasso levou-o a consumir tranqüilizantes e comprimidos para dormir.
Na década de 1990 ele passou longos períodos em seu palácio em Marrakech, onde ele está preso por semanas para criar suas coleções. Em Paris, em 12 de julho de 1998, por ocasião da final da Copa do mundo, 300 modelos desfilaram no estádio Saint Denis, em uma retrospectiva de quarenta anos de criação do designer. E nesse mesmo ano, criou o que se tornaria sua última linha pronto a usar.
O designer americano, Albert Elbaz foi escolhido pelo professor para que isso acontece, mas compra no ano seguinte da maioria de sua empresa pelo grupo Pinault mudou seus planos. Tom Ford tomou conta de tudo, exceto de Haute Couture, que continuou mais alguns anos no comando do costureiro francês. Após sua aposentadoria em 2002, Yves Saint-Laurent permaneceu um enigma, um anarquista de milionário capaz de declarar: "a única coisa que lamento não é ter inventado o jeans".
Se algo se destaca no Yves Saint-Laurent, além de seu gênio criativo, é o caráter transgressivo e contraditória, uma verdadeira lenda da moda por seu próprio direito, autor do terno a Subsaariana, shorts... As transparências primeiras para o escândalo do negro, a rota do designer, que foi o primeiro a quebrar as regras de Couture, não representava um hino às mulheres e a moda, sempre à procura de um equilíbrio entre o conforto e a fantasia. Doente e cansado, retirou-se ciente de ter feito progresso Haute Couture e criaram o vestuário da mulher contemporânea.
Publicado para fins educacionais com permissão de: Biografías y Vidas
Biografias de personagens históricos e personalidades