PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de León de Greiff | Poeta colombiana.

ADS

(De Francisco Assis Bogislao de León de Greiff Haeusler;) Medellin, 1895 - Bogotá, 1976) poeta colombiana que se destacou por sua música simbólica, sarcástica e imaginativa, lirismo é um do mais original que deu a Colômbia. Popular entre os poetas e quase sempre ignorada pelo leitor comum, vivido em Bogotá, onde frequentou a gerações sucessivas de Boémia e avant-garde. O barroco e a singularidade do seu estilo colocado entre a vanguarda mais influente na América.

León de Greiff
Após completar seus estudos no liceu de Universidade de Antioquia, em Medellín, estudou três anos na escola de minas da Universidade de Antioquia. Mais tarde, estudou direito na Universidade livre de Santafé de Bogotá, enquanto ele ganhou amplo conhecimento de matemática e música.
Desde cedo que ele mostrou uma forte preocupação literária, desenvolver um estilo moderno e inovador e já os vinte anos foi editor da revista literária Panidas, enquanto fazia parte do grupo literário do mesmo nome,. Na mesma época ele era secretário geral Rafael Uribe Uribe. Em 1916, ele trabalhou como um contador de caixa do Banco Central. Ele mais tarde iria gerenciar as obras de extensão da ferrovia de Antioquia pelo rio Cauca na área de Bolombolo.
Em 1925, colaborou no jornal a novapublicação que trouxe uma nova geração em que León de Greiff começou a destacar-se como um escritor. Em 1927, casou com Matilde Bernal Nichols, com quem teve quatro filhos: Boris, Hjalmar, Astrid e Axel. Neste mesmo ano foi nomeado chefe de estatísticas da direcção de estradas de Antioquia e, em seguida, as estradas de ferro nacionais.
Em 1945 foi cabeça do ensino secundário da seção de bolsas de estudo. Três anos depois foi nomeado diretor do serviço de extensão Cultural da Colômbia. Em 1954, ele ensinou literatura na faculdade de engenharia e música no Conservatório da Universidade Nacional. Depois de trabalhar como professor, ele serviu como Secretário da Embaixada da Colômbia na Suécia e viajou como convidado para a União Soviética e a China.
Sua obra poética é difícil de entender, devido ao uso de um simbolismo escuro, um produto imaginário pessoal rico, alimentado, em parte, pela sua ascendência espanhola e escandinavo dual, que empurrou-o para fazer uso de complexos problemas para os leitores do seu país, já eram recriações de tradições e paisagens distantes ou referências a autores marginalizados. Esta antiga encruzilhada já sugere a síntese de várias linguagens que caracterizam a sua obra, que produzem de neo máquina um sistema sinfônico pessoal incomparável na língua castelhana, vocabulário, jogos verbais, música, portanto, não é excessivo afirmar a existência de um greiffiana de sintaxe.
Sua produção original parece vir a partir de si mesmo e, ao mesmo tempo, de todas as possíveis referências culturais, a espontaneidade dos menestréis de perfeição do Renascimento, a extravagância do barroco, vibração romântica, luxo modernista, experimentalismo de vanguarda. Existem provas de sua disponibilidade para fornecer verso excitante, bem como o gosto pelo uso de palavras obsoletas, neologismos e onomatopéias é palpável influência dos grandes poetas franceses do século XIX (Baudelaire, Rimbaud), mas é quase inútil perceber o vasto catálogo de autores que alimenta a sua criação. Seus pseudônimos insinuam vários registros, entonações e influências: Guillaume de Lorges, Claudio Monteflavo, Diego de Estúñiga, Gaspar von Der Nacht, Gaspar de la Nuit, Sergio Stepansky, a Lelo Beremundo, cinza de le Leo, o escuro Judas, Matías Aldecoa, Erik Fjorsson, Harald escuro...
Seus dois primeiros livros, distorções (1925) e o livro dos sinais (1930), contêm alguns dos seus poemas dos mais famosos, como a balada de fórmula definitiva e paradoxal e a balada do mar invisível. Variações em torno de nada (1936) é o seu livro-razão geral e que reúne os melhores momentos da totalidade de seus temas: amor, poesia, silêncio, nada, a viagem e pernoite. A eles devem ser adicionados Em prosa de Gaspar (1937), farsa de peripatéticos os pinguins (1942), Farrago (1955) e paradoxal veleiro (1959). Todos estes títulos foram coletados em suas obras completas (1960), depois que publicou mesmo Nova et vetera (1968).
O trabalho de León de Greiff ganhou distinções oficiais nacionais (tais como a Cruz de Boyacá, na Colômbia, a ordem de San Carlos e o prémio nacional de poesia em 1970) e também recebeu o reconhecimento internacional: da Argentina foi nomeado para o prémio Nobel da literatura e um prêmio de poesia que leva seu nome foi estabelecido em Caracas.
Publicado para fins educacionais com permissão de: Biografías y Vidas
Biografias de personagens históricos e personalidades

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS