Caverna Chauvet › Civilização Chavin › Cunda: os primórdios do budismo leigo » Origens e História

Artigos e Definições › Conteúdo

  • Caverna Chauvet › Origens
  • Civilização Chavin › Origens
  • Cunda: os primórdios do budismo leigo › Origens

Civilizações antigas › Lugares históricos e seus personagens

Caverna Chauvet › Origens

Definição e Origens

de Emma Groeneveld
publicado em 12 de fevereiro de 2017
Painel dos Rinocerontes, Caverna Chauvet (Replica) (Patilpv25)
A Caverna Chauvet (também conhecida como a Caverna Chauvet-Pont-d'Arc) é uma caverna paleolítica situada perto de Vallon-Pont-d'Arc na região de Ardèche, no sul da França, que abriga exemplos requintados de arte pré-histórica. Agora fiavelmente datado entre c. 33.000 e c. 30.000 anos atrás, os numerosos e diversos animais que pontilham as paredes internas da caverna - tanto pintados como gravados - exibem uma qualidade artística tão alta que se acreditava que eles tivessem uma idade mais próxima da arte igualmente impressionante em cavernas. como a caverna de Lascaux. Sua idade e arte nos fizeram reconsiderar a história da arte, bem como as capacidades desses seres humanos. A caverna recebeu o status de Patrimônio Mundial da UNESCO.

A DESCOBERTA

No domingo, 18 de dezembro de 1994 CE, Jean-Marie Chauvet e seus dois amigos, Éliette Brunel e Christian Hillaire, estavam seguindo sua paixão pela espeleologia (o estudo das cavernas) e explorando uma área na margem esquerda do rio Ardèche, perto de o Pont-d'Arc. Um leve fluxo de ar que emana de um buraco os alertou para a possível existência de cavernas subterrâneas. Ao percorrerem as passagens, descobriram alguns pequenos traços de ocre vermelho, antes de serem surpreendidos pela magnitude das centenas de pinturas e gravuras.

OCUPAÇÃO HUMANA

A Caverna de Chauvet foi ocupada por humanos durante pelo menos dois períodos, o primeiro de c. 37.500 anos atrás para c. 33.500 anos atrás, e o segundo de c. 32.000 para c. 27.000 anos atrás. Cerca de 80% das datas registradas estão em torno da marca de 32.000 anos - o que corresponde à idade média das pinturas e gravuras e se encaixa confortavelmente no período aurignaciano. Os restantes sinais de ocupação são de cerca de 27.000 anos atrás, o que se relaciona com o período gravettiano seguinte. De pelo menos 21.000 anos atrás até sua redescoberta em 1994 EC, a Caverna de Chauvet foi completamente lacrada para os visitantes devido à entrada ter entrado em colapso.
Pont-d'Arc Cavern, Réplica da Caverna Chauvet

Pont-d'Arc Cavern, Réplica da Caverna Chauvet

Os artistas desta caverna pertenciam assim à cultura aurignaciana, a primeira cultura do Paleolítico Superior ou Superior na Europa, que começou quando os humanos anatomicamente modernos chegaram pela primeira vez na Europa há cerca de 40.000 anos e duraram cerca de 28.000 anos atrás. Eles eram caçadores-coletores, cujas presas eram compostas predominantemente de renas, cavalos, bisontes e auroques, e enfrentavam a concorrência de predadores como os ursos das cavernas e leões-das-cavernas, panteras e lobos. Os aurinacianos usavam uma ampla gama de ferramentas orgânicas, faziam enfeites pessoais, arte figurativa e até mesmo instrumentos musicais e, portanto, mostram o pacote completo do que chamamos de comportamento totalmente moderno.

EXISTEM CENTENAS DE PINTURAS E GRAVURAS NA CAVERNA DE CHAUVET, QUE SE ENCONTRAM DE FORMAS GEOMÉTRICAS DE PONTOS VERMELHOS NAS PAREDES, EM IMPRESSÕES DE MÃO, A MAIS DE 420 REPRESENTAÇÕES DE ANIMAIS.

Lareiras foram encontradas dentro da caverna, então é claro que as atividades diárias desses grupos de pessoas aconteceram aqui também. Curiosamente, as lareiras tinham um uso adicional não doméstico - elas também eram usadas para produzir carvão, que fazia parte do kit de ferramentas dos artistas.
Os artistas da Chauvet Cave tinham tochas à sua disposição para projetar sombras sombrias e bruxuleantes na escuridão total da caverna. O relevo natural das paredes teria sido continuamente destacado e contrastado, o que deve ter sido impressionante de se observar, especialmente quando combinado com as formas animais usadas para decorá-las. Para pintar, tinta preta feita de carvão ou dióxido de manganês e tinta vermelha feita de hematita foi aplicada nas superfícies da rocha, ou por escovas; dedos; usando pedaços de carvão como lápis; ou desenho de toco, que está colando tinta na paredee depois espalhando-a com a mão ou um pedaço de pele. A tinta também poderia ser pulverizada nas paredes através de tubos, ou, para os aventureiros, diretamente da boca, através de estênceis, como as mãos colocadas na parede. Chauvet se destaca porque aqui, as paredes eram frequentemente preparadas para as iminentes pinturas, raspando-as primeiro, o que realmente fez as pinturas estourarem.
Painel dos Leões (Detalhe), Chauvet Cave

Painel dos Leões (Detalhe), Chauvet Cave

A ARTE

Há centenas de pinturas e gravuras na Caverna de Chauvet, que vão desde formas geométricas de pontos vermelhos nas paredes, passando por impressões digitais, até mais de 420 representações de animais. Na maioria são animais que não foram caçados, como leões, rinocerontes e ursos, o que é interessante porque, a partir do período gravitacional posterior, as preferências tenderam a ser revertidas, com o foco em caçar presas. Chauvet também se destaca pelo uso de técnicas sofisticadas, como a raspagem de paredes, o desenho de cepos e a descrição de perspectivas, que de outra forma não são tão abundantemente representadas na arte rupestre pré-histórica. Embora este seja um assunto complicado, acredita-se que esses povos paleolíticos possam ter tido algum tipo de religião xamânica em que a arte tenha desempenhado um papel, talvez com uma dose de magia de caça adicionada (onde os animais representados foram diretamente influenciados por atuar em suas imagens).

A PRIMEIRA PARTE DA CAVERNA

Algumas das primeiras pinturas em que se pode esbarrar depois de entrar na caverna são três ursos da caverna pintados de vermelho em um pequeno recesso. O artista usou inteligentemente o relevo da parede para formar os ombros do maior urso, bem como o desenho do focinho, os contornos da cabeça e dos anteriores, dando maior profundidade à composição. Esta primeira parte da caverna, que é caracterizada pela cor vermelha, é também o lar de alguns grupos de grandes pontos vermelhos, localizados em uma câmara lateral, feita mergulhando a palma da mão direita em tinta vermelha líquida e, em seguida, empurrando contra a parede da caverna. Um pouco mais adiante na primeira seção da caverna, há algumas imagens misteriosas, novamente em vermelho, com pedaços geométricos, difíceis de identificar; eles poderiam ser sinais simbólicos, ou mesmo representações de animais (talvez uma borboleta ou um pássaro com suas asas abertas?). Um grande painel de pinturas vermelhas está além, estendendo-se por mais de doze metros, que apresenta principalmente impressões de mãos, sinais geométricos e animais como leões e rinocerontes.
Cluster de Pontos Vermelhos, Chauvet Cave (Replica)

Cluster de Pontos Vermelhos, Chauvet Cave (Replica)

A SEGUNDA SEÇÃO

Uma câmara que não tem arte adornando suas paredes abre o caminho para a segunda seção da caverna, onde as pinturas são agora predominantemente pretas, em vez de vermelhas, e as gravuras também estão na ribalta.
A Câmara Hillaire, situada aqui, é repleta de gravuras que decoram grandes rochas suspensas; uma delas é uma notável coruja de orelhas compridas que é mostrada com a cabeça voltada para a frente, enquanto o corpo é visto de costas, o que eterniza o truque de festa de rotação de 180 graus da espécie.
Gravura de coruja, Chauvet Cave (réplica)

Gravura de coruja, Chauvet Cave (réplica)

Mais adiante, mais cavalos saltam, desta vez desenhados em carvão no chamado Painel dos Cavalos. Cerca de 20 animais são vistos em uma cena naturalista única, rara na arte paleolítica, e que constitui uma das principais peças da Caverna Chauvet. No centro das atenções estão as cabeças de quatro cavalos, mas os verdadeiros observadores são dois rinocerontes que ficam frente a frente, com chifres cruzados, confrontando um ao outro exatamente como os rinocerontes machos realmente lutam na natureza.
Um Painel de Renas e uma estrutura composta por um crânio de urso de caverna - decorado com marcas de carvão e colocado em cima de um grande bloco de pedra calcária, com suas órbitas oculares espiando pela escuridão - destacam ainda mais a versatilidade desses humanos paleolíticos.
Painel dos Cavalos, Chauvet Cave (Replica)

Painel dos Cavalos, Chauvet Cave (Replica)

EXPLORANDO A CÂMARA FINAL

Ao avançar mais na caverna, as coisas continuam ficando mais espetaculares. A câmara final é tão ricamente decorada que você mal sabe onde procurar. A primeira peça de destaque é o Painel dos Rinocerontes, desenhado com carvão sobre pedra, com nove leões, uma rena e 17 rinocerontes (que são de outra forma muito raros na arte da parede do Paleolítico). A composição tem uma perspectiva espacial, conseguida através da saída de lacunas em locais estratégicos e diminuindo o tamanho dos chifres dos rinocerontes em direção às costas.
À direita do recesso central, o incrível Painel dos Leões faz outra cena única na arte paleolítica; a cena principal mostra um orgulho de 16 leões (indicados principalmente apenas por suas cabeças) perseguindo um grupo de sete bisões. As expressões tensas dos leões, suas poses e o fato de que os leões machos se juntaram às fêmeas - o que acontece na natureza - nos deixa com um instantâneo de uma caçada em andamento. As técnicas separam ainda mais essa peça; uma superfície raspada; sombreamento obtido pelo desenho de tocos; áreas deixadas em branco para criar profundidade; e esboços aprimorados raspando todo o saque para fazer os animais quase pularem da parede.
Algumas formas mais misteriosas do que estes animais facilmente identificáveis também estão presentes na câmara final. O Painel do Feiticeiro tem desenhos e gravuras em preto, e apresenta animais como leões, um cavalo, dois mamutes e um boi-almiscarado, mas também uma forma estranha conhecida como 'Feiticeiro'. Parece ser uma criatura composta de corpo inferior de uma mulher coroado com a parte superior do corpo e cabeça de um bisonte negro com chifres. Os últimos animais nesta câmara são um rinoceronte vermelho, um rinoceronte e um mamute (desenhados a carvão e gravados).

A CAVERNA HOJE

Levando a dura lição da caverna de Lascaux ao coração, que foi fortemente danificada pelo dióxido de carbono produzido por seus incontáveis visitantes, a Caverna de Chauvet é selada para o público. Continua sendo estudado por uma equipe interdisciplinar, originalmente liderada por Jean Clottes, e desde 2001 CE por Jean-Michel Geneste. Um olhar atento é mantido por quaisquer sinais alarmantes. Para acalmar os interesses frenéticos de pessoas fascinadas por nossos ancestrais artísticos - novamente seguindo o exemplo de Lascaux - uma réplica (conhecida como Pont-d'Arc Cavern) foi construída perto da caverna original.

Civilização Chavin › Origens

Definição e Origens

por Mark Cartwright
publicado em 07 de abril de 2015
Jarra de Jarra com Jarro de Stirrup (Walters Art Museum)
A civilização de Chavin floresceu entre 900 e 200 aC nos Andes norte e centro e foi uma das primeiras culturas pré- incas.O centro religioso de Chavin, Chavin de Huantar, tornou-se um importante local de peregrinação andina, e a arte de Chavin influiu igualmente nas culturas contemporâneas e posteriores dos Paracas aos Incas, ajudando a difundir imagens e idéias de Chavin e estabelecendo o primeiro sistema universal de crença andina.

RELIGIÃO DO CHAVIN

Um dos mais importantes deuses de Chavin foi a Deidade do Estado-Maior, que é o assunto mais provável para a famosa figura central no Portal do Sol em Tiwanaku. Precursor do deus criador andino Viracocha, a Deidade do Estado-Maior estava associada à fertilidade agrícola e geralmente possui uma equipe em cada mão, mas também está representada em uma estátua do Novo Templo no local de culto de Chavin de Huantar (veja abaixo). Esta figura de meio metro representa a dualidade masculina e feminina, com uma mão segurando uma concha de espondilo e a outra uma concha de strombus.Outra representação célebre do mesmo local é a Estela Raimondi, uma laje de granito de dois metros de altura com o deus incisão em baixo relevo como uma figura não específica de gênero com garras nos pés, garras e presas em uma imagem que pode ser lida em dois instruções. Uma segunda divindade importante de Chavin era o deus dos jaguares, também um tema popular na arte de Chavin.

CHAVIN CERIMÔNIA RELIGIOSA ENVOLVIDA ESPECÍFICOS MULTI-SENSORIAIS QUE INCLUÍRA RITUAIS DE SANGRENTA E SACRIFICIA.

A cerimônia religiosa de Chavin envolveu espetáculos multissensoriais que incluíam rituais de sangue e sacrifícios que podiam ser realizados em espaços públicos que acomodavam até 1.500 pessoas ou no ambiente mais restrito e exclusivo de interiores complexos de templos. Uma característica importante do culto era um sacerdócio de xamãs que se punha em transe através de plantas alucinatórias, como folhas de coca e certos tipos de cactos e cogumelos. Uma aura adicional de mistério religioso foi alcançada com a queima de incenso, sacerdotes subitamente aparecendo sobre os templos por meio de escadarias internas secretas e uma cacofonia de sons musicais de cantores e trombetas de conchas.

CHAVIN DE HUANTAR

O sítio religioso mais importante de Chavin era Chavin de Huantar no Vale do Mosna, que esteve em uso por mais de cinco séculos e se tornou um local de peregrinação famoso em toda a região andina. O local é significativamente colocado no ponto de encontro de dois rios - uma típica tradição andina - o Mosna e o Wacheksa. Deslizamentos de terra antigos deixaram terraços férteis, e a proximidade de muitas nascentes e um amplo e variado suprimento de pedra para projetos monumentais de construção garantiram o crescimento do local.
No seu auge, o centro tinha uma população de 2.000 a 3.000 e cobria cerca de 100 acres. O Velho Templo data de c. 750 aC e é na verdade um complexo de edifícios que juntos formam uma forma em U. No centro, duas escadarias descem para uma quadra circular afundada. As paredes dos edifícios são forradas com lajes de pedra quadradas e retangulares que transportam imagens de criaturas xamânicas transformadoras, esculpidas em baixo relevo. As figuras misturam características humanas com presas e garras de jaguar e usam toucas de serpente simbolizando a visão espiritual.
Mapa da Civilização de Chavin

Mapa da Civilização de Chavin

O monólito Lanzón, de 4,5 metros de altura, assume a forma de um tradicional arado de patas dos Andes e fica no interior labiríntico do Antigo Templo. Mostra uma criatura sobrenatural com presas e garras decoradas com cobras. A criatura aponta para baixo com uma mão e para cima com a outra, talvez indicando seu domínio dos reinos terrestres e celestiais. Acredita-se que esse monólito talvez tenha sido o local de um antigo oráculo que deu respostas às demandas dos peregrinos que, por sua vez, deixaram ofertas de ouro, obsidiana, conchas e cerâmica. Existem também muitos canais de pedra no interior do templo, através dos quais a água correu sob pressão, criando assim um ruído impressionante nas câmaras internas confinadas e um acompanhamento evocativo das declarações do oráculo.
A característica mais marcante do Novo Templo (de c. 500 aC), que era na verdade uma extensão do complexo do Velho Templo, são as 100 cabeças de pedra que se projetavam das paredes externas. Estes formam uma série transformacional e mudam progressivamente de humanos para jaguar. O templo em sua nova forma media 100 metros de comprimento e atingia uma altura de 16 metros com três andares. Sua entrada Portal Preto e Branco é flanqueada em ambos os lados por uma única coluna ; um carrega uma imagem de uma águia, o outro um falcão representando a fêmea e o macho, respectivamente, em um típico exemplo de dualidade de Chavin. O Novo Templo também contém o Obelisco Tello de 2,5 metros de altura que mostra dois jacarés e cobras e pode representar o mito da criação. Em frente ao templo, uma grande praça afundada de 50 metros de altura foi construída para fins cerimoniais, uma característica que se tornaria padrão em muitos locais religiosos subseqüentes dos Andes.
Outros prédios mais modestos em Chavin de Huantar, que costumam usar tijolos de adobe com formato cônico, indicam que havia um grande número de residentes permanentes, uma hierarquia social e centros de especialização em embarcações. O local e a cultura Chavin em geral entraram em declínio em algum momento do século III dC por razões que permanecem obscuras, mas que provavelmente estão relacionadas a vários anos de seca e terremotos e à inevitável agitação social causada por esse estresse. Não há evidência arqueológica de uma força militar de Chavin ou de conquistas regionais específicas. As estruturas políticas do Chavin, infelizmente, permanecem misteriosas, mas criaram um legado artístico duradouro que influenciaria quase todas as civilizações andinas subsequentes.
Chavin Stone Tenon Head

Chavin Stone Tenon Head

ARTE DO CHAVIN

A arte de Chavin é cheia de imagens de felinos (especialmente jaguares), cobras e aves de rapina, bem como seres sobrenaturais, muitas vezes com presas de aparência feroz. As criaturas são muitas vezes transformacionais - apresentadas em dois estados ao mesmo tempo - e projetadas para confundir e surpreender. As imagens também são muitas vezes anatrópicas - elas podem ser vistas de diferentes direções. Como o historiador de arte RR Stone resume:
Um efeito perceptivo forte, certamente calculado pelos artistas de Chavin, inspira confusão, surpresa, medo e admiração através do uso de imagens dinâmicas e variáveis que contêm leituras variadas dependendo da direção em que são abordadas. (37)
É também digno de nota que muitos dos animais da imagem de Chavin são das selvas planícies distantes e, assim, ilustram a influência de longo alcance da cultura Chavin, um ponto confirmado pela presença em Chavin de Huantar de ofertas votivas de culturas a centenas de quilômetros de distância. A Divindade da Equipe foi outro assunto popular na escultura, cerâmica e tecidos de Chavin. Os tecidos de algodão pintados dos Chavin são, de fato, os primeiros exemplos de qualquer cultura andina e assumem a forma de enforcamentos, cintos e roupas.
A cerâmica típica de Chavin é de alta qualidade e de paredes finas, geralmente um vermelho polido, preto ou marrom. A forma mais comum é a embarcação bulbosa com estribo, muitas vezes com desenhos polidos criados representando imagens da religião de Chavin. As embarcações também podem ser antropomórficas, tipicamente de onças, seres humanos sentados e frutas e plantas. As conchas eram uma forma popular de joalheria entre a elite de Chavin e também podiam ser esculpidas em trompetes para uso em cerimônias religiosas. Bacias finas de madeira sobrevivem que são primorosamente incrustadas com casca de espondilo e madrepérola, bem como turquesa. Finalmente, os Chavin eram trabalhadores metalúrgicos experientes e criaram objetos - especialmente coroas de cilindro, máscaras, peitorais e jóias - em ouro laminado usando técnicas de solda e repuxagem para competir com qualquer outra cultura andina em sua imaginação e execução.

Cunda: os primórdios do budismo leigo › Origens

Civilizações antigas

por Charley Linden Thorp
publicado a 01 de dezembro de 2016
O frágil Buda Shakyamuni, conhecido como Gautama Buda e o Buda Histórico, chegou ao fim de sua vida física e longa carreira docente. Ele e seus discípulos próximos decidiram em seu lugar de descanso final sob as árvores gêmeas de sala em Kushinagar, a república de Malla, no nordeste da antiga Índia. Lá, ele estava deitado ao seu lado, cercado por muitos dignitários e monges iluminados que se reuniram para dizer adeus a ele (c. 563 ou 480 aC). Entre eles, havia um seguidor leigo profundamente dedicado chamado Cunda (Chunda). Ele era filho de um ferreiro da área próxima do castelo de Kushinagara, que veio por sua própria vontade para prestar seus respeitos ao grande Buda, trazendo com ele 15 de seus amigos.
Para mostrar sua devoção, Chunda descartou suas roupas de trabalho diárias e vestiu um manto simples, com o ombro direito na forma tradicional dos monásticos. Ele se ajoelhou no joelho direito e se curvou aos pés do Buda. Ele então fez um discurso confiante e sinceramente que deveria mudar o curso futuro do budismo.
Cunda & Friends

Cunda & Friends

Como todos os participantes fizeram, Chunda implorou ao Buda que aceitasse as simples ofertas costumeiras de comida caseira que ele e seus amigos haviam trazido. Todos os ilustres membros da congregação já ofereciam presentes luxuosos de bens preciosos como gado e ouro, mas o Buda se recusara a aceitar tudo até esse ponto. De repente, para surpresa de todos, as ofertas modestas de Chunda foram aceitas e ele passou a expressar eloqüentemente sua profunda tristeza de si mesmo e de seus 15 amigos diante da perspectiva de perder o Buda. Ele esperava que a comida simples o preparasse para entrar em Parinirvana, o estado mais elevado da cessação de todo desejo, e que todos os seres sencientes não sofressem de pobreza espiritual depois de sua morte.
Na Índia antiga, e até certo ponto hoje, o rígido sistema de castas rejeitava pessoas como Chunda porque ele não se encaixava em nenhuma das quatro principais castas: não era clérigo ou erudito, não era da nobreza ou guerreiro; não um comerciante ou agricultor, ou um trabalhador em geral ou servo. Mas ele tinha confiança de que todos os humanos, apesar da casta imposta no nascimento, eram iguais e que, quando o Buda os deixasse, todos eles seriam igualmente destituídos espiritualmente. Ele disse:
O Honrado pelo Mundo! Minha situação é como a de qualquer das quatro castas que, por causa da pobreza, tem que deixar seu país para encontrar trabalho e depois comprar gado domesticado e campos férteis. Depois de remover as pedras e ervas daninhas e cultivar sua terra, ele só tem que esperar a chuva cair do céu.(Capítulo 2, Mahaparinirvana Sutra )
Suas palavras demonstraram grande sabedoria, apesar de sua falta de educação formal ou treinamento espiritual. Ele sabia que todos os seres vivos precisavam simplesmente da chuva do Dharma para torná-los espiritualmente férteis, e que o Buda, o verdadeiramente desperto, o Tathagata, poderia trazer tal chuva para o mundo humano do sofrimento ( samsara ). O Buda ficou encantado e imediatamente conferiu a vida eterna e conectou-o à sempre presença (sânscrito; dharmakaya ). Em outras palavras, ele foi iluminado no local.
Cunda Preparando a Última Refeição para o Buda

Cunda Preparando a Última Refeição para o Buda

Durante seu ministério, o Buda insistiu que seus discípulos deveriam deixar sua vida normal e se tornarem praticantes monásticos, aprendendo rígida disciplina moral ( Vinaya ) e defendendo regras monásticas. Os discípulos reunidos que haviam atingido o auge de todo o treinamento espiritual estavam observando enquanto Chunda, um leigo e um "intocável" - uma pessoa fora do sistema de castas - tornou-se imediatamente iluminado sem treinamento e, portanto, supostamente com pouca virtude. Chunda tornou-se a exceção que seria uma parte crucial da última vontade e testamento do Buda, quando ele voltasse para a fonte espiritual.

O ILUMINADOR INCRÍVEL DE CHUNDA, UMA PESSOA LEIGO E A FAMÍLIA, ABRIU O CAMINHO PARA TODOS OS SERES, NÃO IMPORTA O SEU CASTELO.

Havia duas maneiras pelas quais esse momento na história do budismo trouxe mudanças fundamentais às aspirações dos budistas. Em primeiro lugar, este esclarecimento sem precedentes de Chunda, um leigo e chefe de família era abrir o caminho para todos os seres, não importa qual a sua casta, seja leiga ou clerical, para aspirar a alcançar o Nirvana (ou iluminação). É fácil imaginar o quão radicalmente isso mudou o curso do budismo Mahayana, porque agora qualquer um poderia se tornar iluminado e muitas ordens budistas leigas surgiram mais tarde.
Em segundo lugar, Chunda tornou-se iluminado em sua própria vida como um homem relativamente jovem. Ele não teve que trabalhar duro para acumular mérito e virtude, a fim de tornar-se iluminado em uma vida futura, que era a crença Brahmin vigente na época. A aceitação do Buda das humildes ofertas de Chunda era simbólica do fato de que todos os seres sencientes são dotados da Natureza de Buda, e que quando a chuva do Dharma irriga as sementes da Natureza de Buda, eles amadurecerão, eliminando todo carma negativo e sofrimento humano. Ao trazer muitos de seus amigos em um gesto sincero de reverência ao Buda e por ter a confiança de fazer sua oferta diante de todos os dignitários e estimados discípulos, ele exibiu o espírito de um Buda, sem treinamento ou privilégio.
Em reconhecimento à aceitação do Buda de suas humildes ofertas, Chunda disse:
É difícil nascer um ser humano e ainda mais difícil encontrar um Buda. Seria como uma tartaruga marinha cega encontrando um tronco flutuante com um buraco e cutucando a cabeça. ( O Grande Sutra Parinirvana )
Este comentário levou o Buda a deixar suas instruções finais antes de mudar para o Parinirvana. Seus ensinamentos finais, conhecidos como Dharmakaya, focalizaram a impermanência e o desapego seguido. Ele os deixou no lugar de seu corpo físico, assegurando à congregação de luto que ele sempre estaria com eles encarnado nos últimos ensinamentos e que esses ensinamentos finais existiriam por toda a eternidade, porque eles eram indestrutíveis.
Siddhartha Gautama, o Buda histórico

Siddhartha Gautama, o Buda histórico

Chunda também tem a fama de descrever a raridade de encontrar um Buda no Bosque de Sala da seguinte maneira:
Um udambara (uma flor que diz florescer uma vez a cada 3000 anos) raramente pode ser visto, e assim é encontrar um Buda... que possa nutrir a fé de todos os seres sencientes e... extinguir o sofrimento da morte e do renascimento. ( O Coração, o Diamante e o Sutra de Lótus )
Uma escultura recente de Chunda na Sala Grove com seus 15 amigos executados por um moderno escultor japonês é uma inspiração para os budistas japoneses do Budismo Shinnyo, cuja crença principal é que todos os seres são capazes de polir sua Natureza de Buda e alcançar o Nirvana.
A profunda humildade e o coração sincero de Chunda irradiavam-se para além dos praticantes avançados e iluminados que talvez se tornassem arrogantes ou complacentes. Isso indica que a prática como um verdadeiro budista do coração não é sobre o sucesso e a reputação mundanos, mas sobre a humildade, a sinceridade e a crença simples, mas total, no poder de amar a bondade e a pura fé no mundo. O caráter de Chunda marca o começo não só do budismo leigo, mas também uma característica predominante dos Mahayanas do budismo (século II dC em diante), o Bodhisattva que alcança a iluminação para o benefício de todos os outros seres e promete adiar sua própria iluminação até a universalidade. a iluminação é alcançada.

LICENÇA

Artigo baseado em informações obtidas dessas fontes:
com permissão do site Ancient History Encyclopedia
Conteúdo disponível sob licença Creative Commons: Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported. Licença CC-BY-NC-SA