Pular para o conteúdo principal

Escola do Ministério Teocrático Semana de 28 de julho ‒ Destaques de Números 1-3

Referências para a Escola do Ministério Teocrático

Baixar as referências no arquivo PDF para PCs, Smartphones e Tablets ou impressão em formato de livreto

Baixar as referências no arquivo PDF para PCs, Smartphones e Tablets

Programa para a Escola do Ministério Teocrático: Semana de 28 de julho


ss14 pp. 1-4 Programa da Escola do Ministério Teocrático para 2014
28 de jul. Leitura da Bíblia: Números 1-3
N.° 1: Números 3:21-38
N.° 2: “Toda sorte de homens” serão salvos (rs p. 339 §2)
N.° 3: Acusação — Como a lei hebraica e romana lidavam com acusações? (it-1 p. 45 §§6-10)

w14 15/5 pp. 1-2 Sumário
28 DE JULHO DE 2014–3 DE AGOSTO DE 2014
Você está avançando com a organização de Jeová?
PÁGINA 26 CÂNTICOS: 45, 27

ws14 15/5 pp. 1-2 Sumário
28 DE JULHO DE 2014–3 DE AGOSTO DE 2014
Você está avançando com a organização de Jeová?
PÁGINA 21 • CÂNTICOS: 45, 27


Destaques do livro de Números 1-3


Destaques do livro de Números

APÓS o êxodo do Egito, os israelitas foram organizados como nação. Poderiam, logo em seguida, ter entrado na Terra Prometida, mas não foi o que aconteceu. Em vez disso, tiveram de vaguear umas quatro décadas por um “grande e atemorizante ermo”. (Deuteronômio 8:15) Por quê? O relato histórico no livro bíblico de Números nos conta o que aconteceu. Esse relato deve incutir em nós a necessidade de obedecer a Jeová Deus e de respeitar seus representantes.
Escrito por Moisés no ermo e nas planícies de Moabe, o livro de Números abrange um período de 38 anos e 9 meses — desde 1512 AEC até 1473 AEC. (Números 1:1; Deuteronômio 1:3) Seu nome se deriva de dois censos dos israelitas, feitos com uns 38 anos de diferença um do outro. (Capítulos 1-4, 26) A narrativa é dividida em três seções. A primeira parte relata o que aconteceu no monte Sinai. A segunda abrange o que ocorreu durante a peregrinação de Israel no ermo. E a última parte trata dos acontecimentos nas planícies de Moabe. Ao ler esse relato, talvez queira pensar nas seguintes perguntas: ‘O que esses incidentes me ensinam? Há nesse livro princípios que podem me beneficiar hoje?’

NO MONTE SINAI

(Números 1:1-10:10)
O primeiro dos dois censos ocorreu enquanto os israelitas ainda estavam ao sopé do monte Sinai. Com exceção dos levitas, todos os homens com 20 anos ou mais somavam 603.550. O censo evidentemente foi feito para fins militares. O acampamento inteiro, incluindo mulheres, crianças e os levitas, talvez tivesse mais de três milhões de pessoas.
Depois do censo, os israelitas receberam instruções referentes à ordem de marcha, pormenores a respeito dos deveres dos levitas e do serviço no tabernáculo, instruções sobre quarentena, bem como leis sobre casos de ciúme e votos de nazireus. O capítulo 7 contém informações referentes às ofertas feitas pelos cabeças tribais, relacionadas com a inauguração do altar, e o capítulo 9 considera a celebração da Páscoa. A assembléia recebeu também instruções sobre como acampar e levantar acampamento.

Perguntas bíblicas respondidas:

2:1, 2 — O que eram os “sinais” junto aos quais cada divisão de três tribos devia acampar-se no ermo? A Bíblia não fornece uma descrição dos sinais. No entanto, não eram considerados como símbolos sagrados, nem se lhes deu significado religioso. Os sinais eram usados para fins práticos — a fim de ajudar a pessoa a encontrar seu lugar certo no acampamento.

*** w08 1/7 p. 21 Você Sabia? ***
Por que geralmente se faz referência a 12 tribos de Israel quando na verdade havia 13 tribos?
As tribos, ou famílias, de Israel descenderam dos filhos de Jacó, cujo nome foi mudado para Israel. Esse patriarca teve 12 filhos — Rubem, Simeão, Levi, Judá, Dã, Naftali, Gade, Aser, Issacar, Zebulão, José e Benjamim. (Gênesis 29:32–30:24; 35:16-18) Onze tribos receberam o nome desses irmãos, mas nenhuma o de José. Em vez disso, duas tribos receberam o nome de seus filhos, Efraim e Manassés, que foram reconhecidos plenamente como cabeças tribais. Portanto, Israel tinha 13 tribos. Então, por que a Bíblia em geral fala de 12?
Primeiro, entre os israelitas, os homens da tribo de Levi foram escolhidos para servir no tabernáculo de Jeová e mais tarde no templo. Portanto, eles eram isentos do serviço militar. Jeová disse a Moisés: “Somente a tribo de Levi não deves registrar e não deves incluir a soma deles entre os filhos de Israel. E tu mesmo encarrega os levitas do tabernáculo do Testemunho e de todos os seus utensílios, e de tudo o que pertence a ele.” — Números 1:49, 50.
Segundo, os levitas não ganharam um território na Terra Prometida. Em vez disso, receberam 48 cidades espalhadas por todo o Israel. — Números 18:20-24; Josué 21:41.
Por esses dois motivos, a tribo de Levi normalmente não era incluída na lista das tribos. Assim, em geral, dizia-se que as tribos de Israel eram 12. — Números 1:1-15.

*** w84 15/4 p. 28 Respeite a Jeová — é a exortação do livro de Números ***
O CONTEÚDO PROMOVE O RESPEITO A DEUS
Os israelitas já estavam ao sopé do monte Sinai por cerca de um ano, quando Jeová ordenou que Moisés fizesse um recenseamento. Com exceção dos levitas, todos os varões com 20 anos ou mais foram registrados, e seu número totalizou 603.550. Em lugar dos primogênitos, Deus tomou os levitas para o serviço do tabernáculo. Forneceram-se instruções quanto à ordem de marcha, na qual Judá, a tribo mais numerosa, havia de tomar a dianteira. Por ordem de Deus, os levitas foram então registrados e designaram-se-lhes tarefas sagradas. — Números 1:1 a 4:49.

*** w02 15/9 p. 21 “A salvação pertence a Jeová” ***
Será que saudar uma bandeira que representa o Estado ou ajoelhar-se diante dela realmente contraria a ordem de se dar devoção exclusiva a Deus? Os antigos israelitas tinham “sinais”, ou estandartes, em torno dos quais suas divisões de três tribos se ajuntavam enquanto estavam no ermo. (Números 2:1, 2) Comentando as palavras hebraicas referentes a esses estandartes, a Cyclopedia de McClintock e Strong diz: “Nenhuma delas expressa a idéia que ‘estandarte’ transmite à nossa mente, a saber, uma bandeira.” Além disso, os estandartes de Israel não eram considerados sagrados, nem havia cerimônias associadas com o seu uso. Serviam simplesmente de sinais de indicação, mostrando ao povo onde se devia reunir.

*** w94 1/12 p. 9 O lugar legítimo da adoração de Jeová na nossa vida ***
O modo de Israel adorar a Jeová
4 Se você tivesse tido uma vista aérea de Israel acampado no ermo, o que teria observado? Enormes, mas ordeiras, fileiras de tendas, acomodando possivelmente mais de três milhões de pessoas, agrupadas em divisões de três tribos, ao norte, ao sul, ao leste e ao oeste. Olhando mais de perto, teria notado também outro agrupamento perto do centro do acampamento. Estes quatro grupos menores de tendas acomodavam as famílias da tribo de Levi. No próprio centro do acampamento, numa área cercada por uma parede de panos, havia uma estrutura extraordinária. Esta era a “tenda de reunião”, ou tabernáculo, construída por israelitas “de coração sábio”, segundo a planta de Jeová. — Números 1:52, 53; 2:3, 10, 17, 18, 25; Êxodo 35:10.
5 Em cada um dos cerca de 40 acampamentos durante sua peregrinação pelo ermo, Israel erigiu o tabernáculo, e este passou a ser o ponto focal no seu acampamento. (Números, capítulo 33) A Bíblia descreve apropriadamente a Jeová como morando entre os do seu povo no próprio centro do acampamento deles. Sua glória enchia o tabernáculo. (Êxodo 29:43-46; 40:34; Números 5:3; 11:20; 16:3) O livro Our Living Bible (Nossa Bíblia Viva) comenta: “Este santuário portátil era de máxima importância, visto que constituía o centro de reunião religiosa para as tribos. Mantinha-as assim unidas durante os longos anos da peregrinação no deserto e possibilitava ações unidas.” Além disso, o tabernáculo servia de constante lembrete de que a adoração que os israelitas prestavam ao seu Deus era o ponto focal da sua vida.

*** w11 1/6 p. 13 Deus tem uma organização? ***
O Israel antigo — uma nação bem organizada
Jeová Deus usou Moisés para organizar os israelitas na adoração verdadeira. Considere os procedimentos relacionados ao acampamento deles durante sua jornada no deserto do Sinai. Com certeza, teria sido um caos se cada família tivesse permissão de armar sua tenda em qualquer lugar que desejasse. Jeová deu à nação instruções específicas sobre onde cada tribo devia montar acampamento. (Números 2:1-34) A Lei de Moisés também continha regulamentos precisos sobre saúde e higiene — por exemplo, a respeito da eliminação de dejetos humanos. — Deuteronômio 23:12, 13.

*** w02 1/8 p. 10 pars. 5-7 Sujeite-se lealmente à autoridade instituída por Deus ***
5 Jeová tomou outras providências para cuidar das necessidades espirituais de seu povo. Mesmo antes de chegarem à Terra Prometida, Ele ordenou que construíssem o tabernáculo, o centro da adoração verdadeira. Providenciou também um sacerdócio para ensinar a Lei, para oferecer sacrifícios de animais e para queimar incenso de manhã e à noite. Deus empossou o irmão mais velho de Moisés, Arão, como o primeiro sumo sacerdote de Israel, e designou os filhos de Arão para ajudá-lo a cumprir seus deveres. — Êxodo 28:1; Números 3:10; 2 Crônicas 13:10, 11.
6 Cuidar das necessidades espirituais de vários milhões de pessoas era uma tarefa enorme, e havia relativamente poucos sacerdotes. Por isso, providenciou-se que outros membros da tribo de Levi os ajudassem. Jeová disse a Moisés: “Os levitas tens de dar a Arão e a seus filhos. São os dados, que foram dados a ele dentre os filhos de Israel.” — Números 3:9, 39.
7 Os levitas estavam bem organizados. Foram divididos em três famílias — os gersonitas, os coatitas e os meraritas — e cada uma recebeu tarefas específicas. (Números 3:14-17, 23-37) Pode ter parecido que algumas tarefas eram mais importantes do que outras, mas todas eram essenciais. O trabalho dos levitas coatitas exigia que ficassem próximos da arca sagrada do pacto e da mobília do tabernáculo. No entanto, todos os levitas, quer coatitas quer não, usufruíam privilégios maravilhosos. (Números 1:51, 53) Lamentavelmente, alguns não apreciaram seus privilégios. Em vez de se sujeitarem lealmente à autoridade divina, ficaram descontentes e cederam ao orgulho, à ambição e ao ciúme. O levita Corá foi um desses.

*** w11 15/9 p. 27 Jeová conhece você? ***
Contraste entre humildade e orgulho
11 Moisés e Corá são exemplos de nítido contraste na questão de mostrar respeito pelo arranjo de Jeová e suas decisões. As reações deles influíram em como Jeová os considerou. Corá era um levita coatita e teve muitos privilégios. Estes provavelmente incluíram ver a libertação da nação na travessia do mar Vermelho, apoiar a condenação divina dos israelitas desobedientes no monte Sinai e participar no transporte da arca do pacto. (Êxo. 32:26-29; Núm. 3:30, 31) Pelo visto ele havia sido leal a Jeová por anos e, por isso, muitos no acampamento de Israel o admiravam.

*** w02 1/5 pág. 15 párr. 7 Jehová odia la traición ***
7 Siglos antes de la época de Malaquías, Jehová había encomendado a los levitas el cuidado del tabernáculo (más tarde, el templo) y su sagrado ministerio. Eran los maestros de la nación de Israel. Cumplir con aquella asignación habría significado vida y paz para ellos y para la nación (Números 3:5-8). Sin embargo, los levitas perdieron el temor de Dios que habían tenido en un principio. Por ello, Jehová les dijo: “Ustedes se han desviado del camino. Ustedes han hecho que muchos tropiecen en la ley. Ustedes han arruinado el pacto de Leví [...,] no estaban guardando mis caminos” (Malaquías 2:8, 9). Debido a que no enseñaron la verdad y dieron un mal ejemplo, los sacerdotes extraviaron a muchos israelitas, por lo que Jehová tenía razón para enojarse con ellos.

*** w98 1/2 p. 11 Jeová é um Deus de pactos ***
Prosélitos em Israel
13 Qual era a situação desses prosélitos? Quando Jeová fez o seu pacto, ele o fez apenas com Israel; os da “vasta mistura de gente”, embora estivessem presentes, não eram classificados como participantes. (Êxodo 12:38; 19:3, 7, 8) Seus primogênitos não foram levados em conta quando se calculou o preço de resgate para os primogênitos de Israel. (Números 3:44-51) Décadas mais tarde, quando a terra de Canaã foi dividida entre as tribos israelitas, nada foi reservado para os crentes não-israelitas. (Gênesis 12:7; Josué 13:1-14) Por que não? Porque o pacto da Lei não foi feito com prosélitos. Mas os prosélitos do sexo masculino eram circuncidados em obediência à Lei. Eles observavam os regulamentos dela e se beneficiavam com as sua provisões. Tanto os prosélitos como os israelitas estavam sob o pacto da Lei. — Êxodo 12:48, 49; Números 15:14-16; Romanos 3:19.


N.° 1: Números 3:21-38


N.° 2: “Toda sorte de homens” serão salvos (rs p. 339 §2)

rs p. 339 §2 Salvação
Que dizer de textos como Tito 2:11, que fala da “salvação a todos os homens”, segundo a versão Al? Outros textos, tais como João 12:32, Romanos 5:18 e 1 Timóteo 2:3, 4, dão uma idéia similar na Al, ALA, BLH, NTI, etc. As expressões gregas vertidas “todos” nesses versículos são formas infletidas da palavra pas. Conforme indicado no Expository Dictionary of New Testament Words, de Vine (Londres, 1962, Vol. I, p. 46), pas pode também significar “toda espécie ou variedade”. Portanto, nos versículos acima, em vez de “todos”, poderia ser usada a expressão “toda espécie de”; ou “toda sorte de”, como se faz na NM. Qual é o certo — “todos” ou a idéia transmitida por “toda sorte de”? Bem, qual é o modo de verter que também está em harmonia com o resto da Bíblia? O último. Considere Atos 10:34, 35; Revelação 7:9, 10; 2 Tessalonicenses 1:9. (Note: Outros tradutores também reconhecem este sentido da palavra grega, conforme se vê do modo como a verteram em Mateus 5:11 — “todo tipo de”, BMD, BLH; “toda espécie de”, LR; “toda a sorte de”, BF.)

N.° 3: Acusação — Como a lei hebraica e romana lidavam com acusações? (it-1 p. 45 §§6-10)

it-1 p. 45 §§6-10 Acusação
Uma palavra hebraica vertida por “acusação” (sit•náh) deriva da raiz verbal sa•tán, que significa “opor-se”. (Esd 4:6; veja Za 3:1.) A palavra grega mais comum para “acusar” é ka•te • go •ré • o, que contém a idéia de ‘falar contra’ alguém, usualmente em sentido judicial ou jurídico. (Mr 3:2; Lu 6:7) Em Lucas 16:1, a palavra grega di•a•bál•lo, vertida ‘acusar’, também pode ser traduzida ‘caluniar’. (Int) Relaciona-se com di•á•bo•los (caluniador), raiz da palavra “Diabo”.
O termo grego traduzido ‘acusar falsamente’ em Lucas 3:14 (sy•ko •fan•té • o) é vertido ‘extorquir por meio de acusação falsa’ em Lucas 19:8. Significa literalmente “tomar por exibir figo”. Dentre as diversas explicações sobre a origem desta palavra, uma é que, na antiga Atenas, era proibida a exportação de figos procedentes da província. Alguém que denunciasse outros, acusando-os de tentar exportar figos, era chamado de “exibidor de figo”. O termo passou a designar um informante maldoso, alguém que acusa outros para obter lucro, um difamador, um chantagista.
Alguém talvez fosse chamado a prestar contas e fosse acusado duma transgressão, mas fosse inteiramente inocente, inculpe, vítima dum difamador. A lei hebraica, portanto, especificava a responsabilidade de cada um na nação, de levar os transgressores a uma prestação de contas, e ao mesmo tempo providenciava uma adequada proteção ao acusado. Alguns exemplos da Lei mosaica servirão para ilustrar esses princípios. Quando alguém tinha conhecimento dum crime, ele tinha de apresentar a acusação perante as devidas autoridades. (Le 5:1; 24:11-14) As autoridades, por sua vez, tinham de “investigar, e indagar cabalmente”, a respeito das acusações, para determinar a sua validez, antes de aplicar uma punição. (De 13:12-14) O observador não devia ocultar a transgressão ou deixar de levantar uma acusação contra o culpado, mesmo que este fosse um parente achegado, tal como um irmão, um filho, uma filha ou o cônjuge. (De 13:6-8; 21:18-20; Za 13:3) Exigia-se o depoimento de duas ou três testemunhas, não meramente a palavra dum único acusador. — Núm 35:30; De 17:6; 19:15; Jo 8:17; He 10:28.
A Lei de Moisés concedia também ao acusado o direito de se confrontar com seu acusador perante um tribunal, a fim de que se determinasse plenamente a veracidade das acusações. (De 19:16-19; 25:1) Um exemplo clássico disso foi o caso das duas prostitutas que, com um bebê, compareceram perante o sábio Rei Salomão, a fim de que ele decidisse quem era a mãe do bebê. — 1Rs 3:16-27.
A lei romana também exigia que os acusadores comparecessem no tribunal. Assim, quando o cidadão romano, Paulo, estava em julgamento perante os governadores Félix e Festo, ordenou-se também o comparecimento dos seus acusadores. (At 22:30; 23:30, 35; 24:2, 8, 13, 19; 25:5, 11, 16, 18) O comparecimento de Paulo perante César, em Roma, porém, foi devido à sua própria apelação, a fim de ser absolvido, e não para acusar a sua própria nação. (At 28:19) Nem Paulo, nem mesmo Jesus, mas Moisés, por sua conduta e pelo que escreveu, acusou a nação judaica de transgressão. — Jo 5:45.

Referências consultadas em: Watchtower Library 2013 CD‒ROM

Baixar as referências no arquivo PDF para PCs, Smartphones e Tablets

Baixar as referências no arquivo PDF para PCs, Smartphones e Tablets

Posts mais vistos

Bigamia - Definição, conceito, significado, o que é Bigamia

Bigamia: definições, conceitos e significados Definição de bigamia Bigamia. O status do homem ou a mulher casada com duas pessoas ao mesmo tempo. Não é permitido no mundo ocidental.
Bigamia é um termo jurídico que se refere à situação que ocorre quando uma pessoa entra em qualquer número de casamentos 'secundários', além do original, que é reconhecido legalmente; e você pode ser punido com prisão. Muitos países têm leis específicas que proíbe a bigamia e considerado crime qualquer casamento infantil.
Bigamia entra a classificação da poligamia, que é mais geral. Isso gera:
"O tipo de casamento em que é permitido para uma pessoa ser casada com várias pessoas ao mesmo tempo."
De acordo com esta definição:
• Poligamia decompõe-se em: "poli = muitos" e "veado = casamento", referindo-se aos "vários casamentos".
Tempo:
• Bigamia é decomposto em: "bi = dois" e "veado = casamento", referindo-se ao "apenas doi…

O que é demisexualidad | Conceitos de Psicologia.

O que é demisexualidad?Desde o final do século XX, a sexualidade tornou-se um muito menos tabu e colonizou todas as esferas da vida. Sexo na arte, ciência sexo, sexo na família e até mesmo na escola. Afinal, não há nada de errado: Se você falar mais de sexo, mais se sabe, vai ter menos preconceitos e é muito mais saudável e responsável.Os seres humanos são seres sexuais desde o nascimento até a nossa morte e, portanto, a sexualidade é parte de todos os aspectos de nossa personalidade. A sexualidade é muito mais do que atração sexual e relacionamentos, portanto, mesmo se uma pessoa não experimentar desejos sexuais de qualquer tipo, é um erro chamar assexuada e que, além de não sentir atração sexual, a pessoa continua a ser um ser sexual.
Mas vamos deixar de lado a assexualidade chamada e se concentrar por um momento sobre a demisexualidad. Sobre o que é isso? É uma condição física? Será que a orientação sexual? Ou o que?
O que é exatamente o demisexualidad?O demisexualidad não é …

Farmacologia - Definição, conceito, significado, o que é Farmacologia

Definição de compêndio de Farmacologia ‒ de conceitos e significados 1. Definição de farmacologia Farmacologia (em grego, pharmacon (φάρμακον), drogas e logos (λόγος), ciência) é a ciência que estuda a origem, as ações e as propriedades das substâncias químicas sobre organismos vivos. Em um sentido mais restrito, é considerado o estudo da farmacologia da droga, é que aqueles têm efeitos benéficos ou tóxicos. Farmacologia tem aplicações clínicas quando substâncias são utilizadas no diagnóstico, prevenção e tratamento de uma doença ou para alívio de seus sintomas.
Você também pode falar de farmacologia como o estudo unificado de propriedades de substâncias químicas e organismos vivos e todos os aspectos de suas interações, orientados para o tratamento, diagnóstico e prevenção de doenças.
Farmacologia como ciência engloba o conhecimento da história, origem e uso de drogas, bem como suas propriedades físicas e químicas, associações, efeitos da droga no corpo e o impacto d…