Pular para o conteúdo principal

Escola do Ministério Teocrático Semana de 21 de julho ‒ Destaques de Levítico 25-27

Referências para a Escola do Ministério Teocrático

Baixar as referências no arquivo PDF para PCs, Smartphones e Tablets ou impressão em formato de livreto

Baixar as referências no arquivo PDF para PCs, Smartphones e Tablets

Programa para a Escola do Ministério Teocrático: Semana de 21 de julho


ss14 pp. 1-4 Programa da Escola do Ministério Teocrático para 2014
21 de jul. Leitura da Bíblia: Levítico 25-27
N.° 1: Levítico 26:1-17
N.° 2: Será que por fim todos os humanos serão salvos? (rs p. 339 §1)
N.° 3: Acidente, acaso — Como as Escrituras diferenciam algo acidental de algo intencional (it-1 p. 43)

w14 15/5 pp. 1-2 Sumário
21-27 DE JULHO DE 2014
Jeová é um Deus de organização
PÁGINA 21 CÂNTICOS: 125, 53

ws14 15/5 pp. 1-2 Sumário
21-27 DE JULHO DE 2014
Jeová é um Deus de organização
PÁGINA 15 • CÂNTICOS: 125, 53


Destaques do livro de Levítico 25-27

Perguntas bíblicas respondidas:

25:35-37 — Era sempre errado que os israelitas cobrassem juros? Quando o dinheiro era emprestado para fins comerciais, quem o emprestava podia cobrar juros. No entanto, a Lei proibia cobrar juros por empréstimos feitos para aliviar a pobreza. Era errado aproveitar-se dos revezes financeiros de um vizinho pobre. — Êxodo 22:25.
26:19 — Como podem ‘os céus tornar-se como ferro e a terra como cobre’? Por causa da falta de chuva, os céus acima da terra de Canaã pareciam como ferro duro e impermeável. Sem chuva, a terra passaria a ter um brilho metálico da cor do cobre.
26:26 — Qual é o significado de ‘dez mulheres cozerem pão em apenas um forno’? Normalmente, cada mulher precisaria ter seu próprio forno para dar conta de tudo o que ela precisava assar. Mas essas palavras indicam que haveria uma escassez tão grande de alimentos que um forno seria suficiente para o que dez mulheres teriam para assar. Essa foi uma das conseqüências preditas de deixar de manter a santidade.

*** w11 15/11 p. 17 “Residentes temporários” num mundo mau ***
Alerta para os israelitas
4 Os descendentes de Abraão, os israelitas, tornaram-se numerosos e por fim foram organizados como nação, com legislação e território próprios. (Gên. 48:4; Deut. 6:1) O povo de Israel nunca se devia esquecer de que o Proprietário legítimo de sua terra era Jeová. (Lev. 25:23) Eles eram como inquilinos com a obrigação de respeitar os desejos do Proprietário. Além do mais, deviam lembrar-se de que “o homem não vive somente de pão”; não deviam permitir que a prosperidade material os levasse a se esquecerem de Jeová. (Deut. 8:1-3) Antes de se estabelecerem na sua terra, os israelitas receberam este alerta: “Tem de suceder que, quando Jeová, teu Deus, te introduzir na terra de que jurou aos teus antepassados, Abraão, Isaque e Jacó, que ta havia de dar, cidades grandes e de bom aspecto, que não construíste, e casas cheias de todas as coisas boas e que não encheste, e cisternas escavadas que não escavaste, vinhedos e oliveiras que não plantaste, e tiveres comido e te tiveres fartado, guarda-te para que não te esqueças de Jeová.” — Deut. 6:10-12.

*** w05 15/3 p. 15 pars. 1-2 ‘Fomos comprados por um preço’ ***
“A ESCRAVIDÃO era comum e amplamente aceita no mundo antigo”, diz o Holman Illustrated Bible Dictionary (Dicionário Bíblico Ilustrado de Holman). E acrescenta: “A economia do Egito, da Grécia e de Roma dependia do trabalho escravo. No primeiro século da Era Cristã, a proporção de escravos com relação à população era de um para cada três pessoas na Itália, e um para cada cinco em outros países.”
2 Embora a escravidão também existisse no Israel antigo, a Lei mosaica garantia proteção aos escravos hebreus. Segundo a Lei, um israelita podia servir como escravo por no máximo seis anos. No sétimo ano, ele devia ‘sair como alguém liberto sem custo’. Mas os regulamentos sobre o tratamento dispensado aos escravos eram tão justos e humanitários que a Lei de Moisés fazia a seguinte provisão: “Se o escravo disser com insistência: ‘Eu amo realmente meu amo, minha esposa e meus filhos; não quero sair como alguém liberto’, então seu amo terá de levá-lo perto do verdadeiro Deus e terá de encostá-lo à porta ou à ombreira; e seu amo terá de furar-lhe a orelha com uma sovela, e ele terá de ser seu escravo por tempo indefinido.” — Êxodo 21:2-6; Levítico 25:42, 43; Deuteronômio 15:12-18.

*** w01 1/12 p. 22 par. 14 Tema a Jeová e guarde os seus mandamentos ***
14 Anos mais tarde, José se viu face a face com os seus irmãos, que impiedosamente o haviam vendido à escravidão. Ele poderia ter facilmente aproveitado a premente necessidade que eles tinham de alimentos como oportunidade para se vingar do mal que lhe causaram. Mas, tratar alguém tiranicamente não mostra que se tem temor de Deus. (Levítico 25:43) Por isso, quando José notou amplas provas da mudança de atitude dos seus irmãos, perdoou-lhes misericordiosamente. Assim como José, nosso temor de Deus nos induzirá a vencer o mal com o bem, e nos refreará de cair numa tentação. — Gênesis 45:1-11; Salmo 130:3, 4; Romanos 12:17-21.

*** w01 15/9 pp. 12-13 pars. 12-13 Será você alcançado pela bênção de Jeová? ***
12 A evidência mais notável de que Boaz persistia em escutar a Jeová foi o seu modo altruísta de agir segundo a lei de resgate, de Deus. Boaz fez tudo o que pôde para garantir que a herança do seu parente — o falecido marido de Noemi, Elimeleque — continuasse na família de Elimeleque. Por meio do “casamento de cunhado”, a viúva devia casar-se com o parente mais próximo do seu falecido marido, para que o filho que lhes nascesse ficasse com a herança. (Deuteronômio 25:5-10; Levítico 25:47-49) Rute apresentou-se para o casamento em lugar de Noemi, que passara da idade de ter filhos. Depois que um parente mais próximo de Elimeleque se negou a ajudar Noemi, Boaz tomou Rute como esposa. Seu filho, Obede, foi considerado descendente de Noemi e herdeiro legal de Elimeleque. — Rute 2:19, 20; 4:1, 6, 9, 13-16.
13 Ricas bênçãos alcançaram Boaz por ele ter acatado altruistamente a lei de Deus. Por meio do seu filho Obede, ele e Rute foram abençoados com o privilégio de se tornarem antepassados de Jesus Cristo. (Rute 2:12; 4:13, 21, 22; Mateus 1:1, 5, 6) Aprendemos dos atos altruístas de Boaz que os que mostram amor a outros e que agem em harmonia com os requisitos de Deus são alcançados por bênçãos.

*** w08 15/4 p. 4 pars. 7-8 Rejeite “coisas sem valor” ***
7 Ainda hoje em muitos países há pessoas que se curvam diante de imagens feitas pelo homem, e tais deuses são tão inúteis agora como foram no passado. (1 João 5:21) Além de imagens, porém, a Bíblia descreve outras coisas como deuses. Considere, por exemplo, estas palavras de Jesus: “Ninguém pode trabalhar como escravo para dois amos; pois, ou há de odiar um e amar o outro, ou há de apegar-se a um e desprezar o outro. Não podeis trabalhar como escravos para Deus e para as Riquezas.” — Mat. 6:24.
8 De que modo as “Riquezas” podem se tornar um “deus”? Como exemplo, pense numa pedra num terreno no Israel antigo. Essa pedra poderia ser usada para construir uma casa ou um muro. Mas, se fosse erguida como “coluna sagrada” ou como “peça de exibição”, ela se tornaria uma pedra de tropeço para o povo de Jeová. (Lev. 26:1) De modo similar, o dinheiro tem seu lugar. Precisamos dele para sobreviver e podemos usá-lo beneficamente no serviço de Jeová. (Ecl. 7:12; Luc. 16:9) No entanto, se colocarmos a busca de dinheiro à frente de nosso serviço cristão, o dinheiro acaba se tornando um deus para nós. (Leia 1 Timóteo 6:9, 10.) Neste mundo, onde a busca de lucro financeiro é tão importante para as pessoas, temos de nos certificar de que nosso conceito sobre esse assunto seja equilibrado. — 1 Tim. 6:17-19.

*** w08 15/10 pp. 13-14 pars. 9-10 Jeová atende a uma oração sincera ***
9 Na antiguidade, a Terra Prometida era chamada de “santo lugar de permanência” de Deus. Lembre-se do cântico de vitória dos israelitas depois que foram libertados do Egito: “Tu, na tua benevolência, guiaste o povo que recuperaste; tu, na tua força, certamente os conduzirás ao teu santo lugar de permanência.” (Êxo. 15:13) Mais tarde, esse “lugar de permanência” passou a incluir um templo e seu sacerdócio, e uma capital, Jerusalém, onde uma linhagem de reis descendentes de Davi se sentavam no trono de Jeová. (1 Crô. 29:23) Não foi sem motivo, então, que Jesus chamou Jerusalém de “cidade do grande Rei”. — Mat. 5:35.
10 Que dizer de nossos dias? Em 33 EC nasceu uma nova nação, “o Israel de Deus”. (Gál. 6:16) Essa nação, composta de ungidos irmãos de Jesus Cristo, cumpre a tarefa que o Israel carnal não cumpriu, ou seja, ser testemunha em favor do nome de Deus. (Isa. 43:10; 1 Ped. 2:9) Jeová fez a eles a mesma promessa que fizera ao Israel antigo: “Eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.” (2 Cor. 6:16; Lev. 26:12) Em 1919, Jeová levou os remanescentes do “Israel de Deus” a uma posição favorecida e, naquela época, eles tomaram posse de uma “terra”, ou seja, um campo espiritual de atividades no qual têm desfrutado de um paraíso espiritual. (Isa. 66:8) Desde os anos 30, milhões de “outras ovelhas” juntaram-se a eles. (João 10:16) A felicidade e prosperidade espiritual desses cristãos da atualidade é forte evidência da retidão da soberania de Jeová. (Leia Salmo 91:1, 2.) Isso enfurece a Satanás!

*** w01 15/12 p. 11 pars. 9-10 Um remédio prático para aliviar o estresse ***
9 Notou que, nas palavras citadas de Mateus 11:28, 29, Jesus disse: “Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim”? Lá naquele tempo, o homem comum talvez achasse que estava trabalhando sob um jugo. Desde a antiguidade, o jugo tem sido símbolo de escravidão ou servidão. (Gênesis 27:40; Levítico 26:13; Deuteronômio 28:48) Muitos dos diaristas a quem Jesus se dirigiu trabalhavam literalmente com um jugo sobre os ombros, carregando fardos pesados. Dependendo do formato do jugo, podia ser menos desconfortável para o pescoço e os ombros, ou podia esfolá-los. Jesus, como carpinteiro, talvez fabricasse jugos, e ele deve ter sabido fabricar um que era “benévolo”. Pode ter revestido os pontos de contato com couro ou pano, para tornar o jugo o mais confortável possível.
10 Quando Jesus disse: “Tomai sobre vós o meu jugo”, ele pode ter-se comparado a alguém que fornecia jugos bem feitos, que seriam ‘benévolos’ para o pescoço e os ombros do trabalhador. De modo que Jesus acrescentou: “Minha carga é leve.” Isto significava que a barra do jugo não era incômoda para usar, nem o trabalho era escravizante. É verdade que Jesus, por convidar seus ouvintes a aceitar seu jugo, não estava oferecendo alívio imediato de todas as condições opressivas então existentes. Mesmo assim, o ponto de vista diferente que apresentou podia dar-lhes considerável ânimo. Eles ficariam também aliviados por ajustarem seu modo de vida e a maneira de fazerem as coisas. Mais importante, terem uma esperança clara e sólida os ajudaria a achar a vida menos estressante.

*** w02 15/12 p. 30 Lembra-se? ***
• Por que os cristãos não precisam pagar dízimos?
Sob a Lei dada ao Israel antigo, o dízimo era um meio de sustentar a tribo de Levi e de cuidar dos mais carentes. (Levítico 27:30; Deuteronômio 14:28, 29) A morte sacrificial de Jesus aboliu a Lei e a sua exigência de pagar dízimos. (Efésios 2:13-15) O padrão na primitiva congregação cristã era que cada um contribuísse de acordo com os seus recursos e conforme o que tivesse resolvido no coração. (2 Coríntios 9:5, 7) — 1/12, páginas 4-6.

*** w03 1/12 p. 16 ‘Mostre-se grato’ ***
Três lições da Lei mosaica
7 Na Lei mosaica, Jeová indicou três modos pelos quais os israelitas podiam mostrar-lhe genuíno apreço pela Sua bondade. Primeiro, havia o dízimo. Um décimo dos produtos da terra, junto com uma “décima parte da manada e do rebanho”, devia se tornar “algo sagrado para Jeová”. (Levítico 27:30-32) Quando os israelitas obedeciam, Jeová os abençoava abundantemente. “ ‘Trazei todas as décimas partes à casa do depósito para que venha a haver alimento na minha casa; e experimentai-me, por favor, neste respeito’, disse Jeová dos exércitos, ‘se eu não vos abrir as comportas dos céus e realmente despejar sobre vós uma bênção até que não haja mais necessidade’.” — Malaquias 3:10.

*** w08 15/12 p. 30 Lembra-se? ***
• O que um ancião cristão pode aprender do modo como os pastores israelitas usavam o cajado?
Os pastores usavam o cajado, ou vara com a ponta arqueada, para guiar o rebanho. Quando as ovelhas entravam ou saíam do redil, elas ‘passavam debaixo do cajado’, tornando possível que o pastor as contasse. (Lev. 27:32) De modo similar, o pastor cristão precisa conhecer e saber como está o rebanho de Deus sob seus cuidados. — 15/11, página 9.

*** w08 15/11 p. 9 par. 7 Ajude os que se desviaram do rebanho ***
7 Os pastores no Israel antigo usavam uma longa vara com a ponta arqueada, ou cajado, para guiar o rebanho. Quando as ovelhas entravam ou saíam do redil, elas ‘passavam debaixo do cajado’, tornando possível que o pastor as contasse. (Lev. 27:32; Miq. 2:12; 7:14) De modo similar, o pastor cristão precisa conhecer e saber como estão as ovelhas de Deus sob seus cuidados. (Note Provérbios 27:23.) Portanto, o pastoreio é um dos assuntos importantes que o corpo de anciãos trata. Inclui medidas práticas de ajuda para as ovelhas que se desviaram. O próprio Jeová disse que procuraria suas ovelhas e lhes daria os cuidados necessários. (Eze. 34:11) Assim, Deus se agrada quando os anciãos tomam medidas similares para ajudar as ovelhas que se desviaram a voltar ao rebanho.

COMO LEVÍTICO AFETA A NOSSA ADORAÇÃO

As Testemunhas de Jeová hoje não estão sob a Lei. (Gálatas 3:23-25) No entanto, o livro de Levítico pode influenciar a nossa adoração, pois aquilo que ele diz nos ajuda a entender como Jeová encara diversos assuntos.
Ao fazer sua leitura semanal da Bíblia em preparação para a Escola do Ministério Teocrático, sem dúvida o fato de que o nosso Deus requer santidade dos seus servos causará uma profunda impressão em você. Este livro bíblico também pode induzi-lo a dar o seu melhor ao Altíssimo, sempre mantendo a santidade para o louvor dele.


N.° 1: Levítico 26:1-17


N.° 2: Será que por fim todos os humanos serão salvos? (rs p. 339 §1)

rs p. 339 §1 Salvação
Será que 1 Coríntios 15:22 prova que todos os humanos por fim serão salvos? Este texto diz: “Assim como em Adão todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo.” (ALA) Conforme indicado nos versículos circundantes, o que se considera aqui é a ressurreição. Quem são os que serão ressuscitados? Todos aqueles cuja morte se deve ao pecado adâmico (veja o versículo 21 de 1 Cor 15), mas que também não cometeram as transgressões intencionais indicadas em Hebreus 10:26-29. Assim como Jesus foi ressuscitado do Hades (Atos 2:31), também todos os outros que estão no Hades serão ‘vivificados’ por meio da ressurreição. (Rev. 1:18; 20:13) Ganharão todos estes a salvação eterna? Essa oportunidade lhes será aberta, mas nem todos aproveitarão isso, conforme indica João 5:28, 29, que mostra que o resultado para alguns será o “julgamento” adverso.

N.° 3: Acidente, acaso — Como as Escrituras diferenciam algo acidental de algo intencional (it-1 p. 43)

it-1 p. 43 Acidente, acaso
Acidente, acaso
Ocorrências imprevistas, resultantes de desconhecimento, descuido ou eventos inevitáveis, e que causam perdas ou danos, costumam ser chamados de acidentes. A palavra hebraica ʼa•sóhn evidentemente tem o sentido literal de “uma cura”, e é usada como eufemismo de “acidente fatal”. (Veja Gên 42:4 n.) A palavra hebraica miq•réh, que deriva duma raiz que significa “ir ao encontro; sobrevir” (Gên 44:29; De 25:18), não é somente traduzida “acidente”, mas também “evento conseqüente” (Ec 2:14, 15; 3:19) e “acaso”. — Ru 2:3; 1Sa 6:9.
Jacó temia que pudesse sobrevir um acidente fatal ao seu amado filho Benjamim, se lhe permitisse acompanhar seus irmãos ao Egito. (Gên 42:4, 38) Os filisteus devolveram a arca de Jeová para testar se a praga das hemorróidas que sofriam realmente procedia de Jeová ou era apenas “um acaso”. (1Sa 6:9) Salomão reconhecia que todos podem tornar-se vítimas dum imprevisto. — Ec 9:11.
A Lei mosaica fazia uma distinção entre um acidente fatal e um que não era fatal. (Êx 21:22-25) Distinguia também o homicídio intencional do desintencional. Para o assassinato deliberado exigia-se a pena capital; para os culpados de homicídio acidental estabeleceram-se cidades de refúgio. (Núm 35:11-25, 31; veja CIDADES DE REFÚGIO.) A lei aplicava-se tanto ao israelita nativo como ao residente forasteiro, e proveram-se instruções para os sacrifícios necessários para expiar pecados acidentais ou desintencionais. — Le 4:1-35; 5:14-19; Núm 15:22-29.

Referências consultadas em: Watchtower Library 2013 CD‒ROM

Baixar as referências no arquivo PDF para PCs, Smartphones e Tablets

Baixar as referências no arquivo PDF para PCs, Smartphones e Tablets

Posts mais vistos

Bigamia - Definição, conceito, significado, o que é Bigamia

Bigamia: definições, conceitos e significados Definição de bigamia Bigamia. O status do homem ou a mulher casada com duas pessoas ao mesmo tempo. Não é permitido no mundo ocidental.
Bigamia é um termo jurídico que se refere à situação que ocorre quando uma pessoa entra em qualquer número de casamentos 'secundários', além do original, que é reconhecido legalmente; e você pode ser punido com prisão. Muitos países têm leis específicas que proíbe a bigamia e considerado crime qualquer casamento infantil.
Bigamia entra a classificação da poligamia, que é mais geral. Isso gera:
"O tipo de casamento em que é permitido para uma pessoa ser casada com várias pessoas ao mesmo tempo."
De acordo com esta definição:
• Poligamia decompõe-se em: "poli = muitos" e "veado = casamento", referindo-se aos "vários casamentos".
Tempo:
• Bigamia é decomposto em: "bi = dois" e "veado = casamento", referindo-se ao "apenas doi…

O que é demisexualidad | Conceitos de Psicologia.

O que é demisexualidad?Desde o final do século XX, a sexualidade tornou-se um muito menos tabu e colonizou todas as esferas da vida. Sexo na arte, ciência sexo, sexo na família e até mesmo na escola. Afinal, não há nada de errado: Se você falar mais de sexo, mais se sabe, vai ter menos preconceitos e é muito mais saudável e responsável.Os seres humanos são seres sexuais desde o nascimento até a nossa morte e, portanto, a sexualidade é parte de todos os aspectos de nossa personalidade. A sexualidade é muito mais do que atração sexual e relacionamentos, portanto, mesmo se uma pessoa não experimentar desejos sexuais de qualquer tipo, é um erro chamar assexuada e que, além de não sentir atração sexual, a pessoa continua a ser um ser sexual.
Mas vamos deixar de lado a assexualidade chamada e se concentrar por um momento sobre a demisexualidad. Sobre o que é isso? É uma condição física? Será que a orientação sexual? Ou o que?
O que é exatamente o demisexualidad?O demisexualidad não é …

Farmacologia - Definição, conceito, significado, o que é Farmacologia

Definição de compêndio de Farmacologia ‒ de conceitos e significados 1. Definição de farmacologia Farmacologia (em grego, pharmacon (φάρμακον), drogas e logos (λόγος), ciência) é a ciência que estuda a origem, as ações e as propriedades das substâncias químicas sobre organismos vivos. Em um sentido mais restrito, é considerado o estudo da farmacologia da droga, é que aqueles têm efeitos benéficos ou tóxicos. Farmacologia tem aplicações clínicas quando substâncias são utilizadas no diagnóstico, prevenção e tratamento de uma doença ou para alívio de seus sintomas.
Você também pode falar de farmacologia como o estudo unificado de propriedades de substâncias químicas e organismos vivos e todos os aspectos de suas interações, orientados para o tratamento, diagnóstico e prevenção de doenças.
Farmacologia como ciência engloba o conhecimento da história, origem e uso de drogas, bem como suas propriedades físicas e químicas, associações, efeitos da droga no corpo e o impacto d…