Pular para o conteúdo principal

Destaques do Levítico 1-5

Destaques da Leitura da Bíblia ‒ Levítico 1-5


HAVIA-SE passado menos de um ano desde que os israelitas foram libertados da servidão egípcia. Agora, organizados numa nova nação, estavam em caminho para a terra de Canaã. O propósito de Jeová era que uma nação santa morasse naquela terra. No entanto, o estilo de vida e as práticas religiosas dos cananeus eram muito degradantes. Portanto, o verdadeiro Deus deu à congregação de Israel regulamentos que a manteria separada para o Seu serviço. Esses se encontram registrados no livro bíblico de Levítico. Escrito pelo profeta Moisés no ermo de Sinai, pelo visto em 1512 AEC, o livro não abrange mais do que um mês lunar. (Êxodo 40:17; Números 1:1-3) Vez após vez, Jeová exorta seus adoradores a serem santos. — Levítico 11:44; 19:2; 20:7, 26.
As Testemunhas de Jeová hoje não estão sob a Lei dada por Deus por meio de Moisés. A morte de Jesus Cristo aboliu essa Lei. (Romanos 6:14; Efésios 2:11-16) No entanto, os regulamentos encontrados em Levítico podem beneficiar-nos, ensinando-nos muito sobre a adoração do nosso Deus, Jeová.

OFERTAS SAGRADAS — VOLUNTÁRIAS E COMPULSÓRIAS

(Levítico 1:1-7:38)
Algumas das ofertas e dos sacrifícios da Lei eram voluntárias, ao passo que outras eram compulsórias. Por exemplo, a oferta queimada era voluntária. O animal inteiro era apresentado a Deus, assim como Jesus Cristo entregou a sua vida de forma voluntária como sacrifício de resgate. O sacrifício de participação em comum era compartilhado. Uma parte era apresentada a Deus no altar, e as outras duas partes eram consumidas: uma pelo sacerdote e a outra pelo ofertante. De forma similar, para os cristãos ungidos, a Comemoração da morte de Cristo é uma refeição de participação em comum. — 1 Coríntios 10:16-22.
A oferta pelo pecado e a oferta pela culpa eram compulsórias. A primeira expiava pecados cometidos por engano ou sem intenção. A segunda visava satisfazer a Deus quando um direito havia sido violado ou restaurava certos direitos do transgressor arrependido — ou ambas as coisas. Havia também ofertas de cereais, feitas em reconhecimento das provisões generosas de Jeová. Todos esses assuntos são de interesse para nós, porque os sacrifícios exigidos pelo pacto da Lei prefiguravam Jesus Cristo e o seu sacrifício ou os benefícios que este traz. — Hebreus 8:3-6; 9:9-14; 10:5-10.
Perguntas bíblicas respondidas:
2:11, 12 — Por que Jeová não aceitava o mel “como oferta feita por fogo”? O mel mencionado aqui não pode referir-se ao das abelhas. Embora esse mel não fosse permitido como “oferta feita por fogo”, estava incluído entre ‘as primícias dos produtos do campo’. (2 Crônicas 31:5) De modo que o mel mencionado no texto evidentemente era o suco, ou caldo, de frutas. Visto que esse tipo de mel podia fermentar, era inaceitável como oferta sobre o altar.
2:13 — Por que tinha de se oferecer sal junto “com toda oferta”? Não se fazia isso para aumentar o sabor dos sacrifícios. Em todo o mundo, o sal é usado como conservante. É possível que fosse apresentado com as ofertas por representar a ausência de corrupção e decomposição.
Lições para nós:
3:17. Visto que a gordura era considerada a melhor ou mais seleta parte, a proibição de comê-la evidentemente dava a entender aos israelitas que a melhor parte pertencia a Jeová. (Gênesis 45:18) Isso nos lembra que devemos dar o nosso melhor a Jeová. — Provérbios 3:9, 10; Colossenses 3:23, 24.

Lev. 1:9, 13
Sacrifícios que Deus aprova
11 Sob o pacto da Lei, para ter o Seu favor, o povo de Deus lhe oferecia sacrifícios aceitáveis. “Caso ofereçais a Jeová um sacrifício de participação em comum”, diz Levítico 19:5, “deveis sacrificá-lo para ganhar aprovação para vós”. Nesse mesmo livro bíblico lemos também: “Caso ofereçais um sacrifício de agradecimento a Jeová, deveis sacrificá-lo para ganhar aprovação para vós.” (Lev. 22:29) Quando os israelitas ofereciam sacrifícios animais adequados no altar de Jeová, a fumaça que subia era como “cheiro repousante” para o Deus verdadeiro. (Lev. 1:9, 13) Essas expressões de amor de seu povo ‘acalmavam’ e ‘reanimavam’ a Deus. (Gên. 8:21, nota) Nesses aspectos da Lei encontramos um princípio que se aplica nos nossos dias. Pessoas que oferecem sacrifícios aceitáveis a Jeová ganham a sua aprovação. Que sacrifícios ele aceita? Considere dois aspectos da vida: nossa conduta e nosso modo de falar.

Levítico 2:2
14 A oferta de cereais é descrita no capítulo 2 de Levítico. Era uma oferta voluntária de flor de farinha, usualmente umedecida com azeite, acrescentando-se olíbano. “O sacerdote tem de apanhar dela seu punhado de sua flor de farinha e de seu azeite, junto com todo o seu olíbano; e ele tem de fazê-la fumegar sobre o altar como lembrança dela, como oferta feita por fogo, de cheiro repousante para Jeová.” (Levítico 2:2) O olíbano era um dos ingredientes do incenso sagrado queimado no altar de incenso no tabernáculo e no templo. (Êxodo 30:34-36) Pelo visto, o Rei Davi pensava nisso quando disse: “Seja minha oração preparada como incenso diante de ti, a elevação das palmas das minhas mãos como a oferta de cereais da noitinha.” — Salmo 141:2.
Levítico 3:17
15 Outra oferta voluntária era o sacrifício de participação em comum, descrito no capítulo 3 de Levítico. O nome também pode ser traduzido como “um sacrifício de ofertas de paz”. No hebraico, a palavra “paz” denota muito mais do que apenas estar livre de guerra ou de perturbação. “Na Bíblia denota isso, bem como a condição ou relação de paz com Deus, prosperidade, alegria e felicidade”, diz o livro Studies in the Mosaic Institutions (Estudos nas Instituições Mosaicas). De modo que não se ofereciam sacrifícios de participação em comum para fazer as pazes com Deus, como que para apaziguá-lo, mas para expressar gratidão ou para celebrar a bendita condição de paz com Deus, usufruída pelos aprovados por ele. Os sacerdotes e o ofertante participavam do sacrifício depois de se terem oferecido a Jeová o sangue e a gordura. (Levítico 3:17; 7:16-21; 19:5-8) De maneira bela e simbólica, o ofertante, os sacerdotes e Jeová Deus participavam da refeição, indicando a relação pacífica existente entre eles.

Lev. 3:1, nota
11 Certos sacrifícios estipulados na Lei mosaica eram considerados ofertas de participação em comum. Significavam paz com Jeová. O ofertante e sua família comiam a carne do animal sacrificado, talvez num dos refeitórios do templo. O sacerdote celebrante e os outros sacerdotes a serviço no templo recebiam uma parte da carne. (Lev. 3:1, nota; 7:31-33) O adorador oferecia seu sacrifício motivado puramente pelo desejo de ter uma boa relação com Deus. Era como se o adorador, sua família, os sacerdotes e o próprio Jeová participassem alegremente numa refeição, em paz.
12 Haveria privilégio maior do que, simbolicamente falando, estender um convite a Jeová para uma refeição assim e ele o aceitar? É óbvio que nesse caso o anfitrião desejaria oferecer o seu melhor para um convidado tão honrado. A provisão dos sacrifícios de participação em comum, como parte da ‘estrutura da verdade’, apontava para o fato de que, por meio do sacrifício maior de Jesus, todos os humanos que desejam podem ter uma relação achegada e pacífica com o Criador. Hoje, podemos ter a amizade e a companhia de Jeová ao sacrificarmos voluntariamente nossos recursos e energias no seu serviço.

Lev 3:9
A Lei a Respeito da Gordura. No terceiro capítulo de Levítico, Jeová deu aos israelitas instruções a respeito do uso da gordura em sacrifícios de participação em comum. Ao oferecerem gado bovino ou cabritos, deviam fazer fumegar sobre o altar a gordura que cobre os lombos e os intestinos, e a que havia sobre os rins, bem como a gordurosa acrescência sobre o fígado. No caso das ovelhas, a inteira cauda gorda devia igualmente ser ofertada. (As ovelhas da Síria, da Palestina, da Arábia e do Egito têm cauda gorda, freqüentemente chegando a pesar 5 kg ou mais.) A Lei dizia especificamente: “Toda a gordura pertence a Jeová . . . Não deveis comer nenhuma gordura nem sangue algum.” — Le 3:3-17.
A gordura queimaria com intensidade e seria cabalmente consumida sobre o altar. Nenhuma gordura oferecida sobre o altar devia ser deixada até a manhã seguinte; provavelmente se estragaria e se tornaria malcheirosa, algo bem impróprio para qualquer parcela das ofertas sagradas. — Êx 23:18.

Levítico 3:17
Em Neemias 8:10, os judeus foram ordenados a ‘comer as coisas gordurosas’, embora a Lei declare em Levítico 3:17: “Não deveis comer nenhuma gordura.” Como podemos conciliar essas declarações?
Na língua original, as palavras traduzidas “as coisas gordurosas”, em Neemias 8:10, e “gordura”, em Levítico 3:17, são diferentes. A palavra hebraica hhélev, traduzida “gordura” em Levítico 3:17, refere-se à gordura de animais ou de homens. (Lev. 3:3; Juí. 3:22) O contexto do versículo 17 mostra que os israelitas não deviam comer as camadas de gordura ao redor dos intestinos e dos rins dos animais para sacrifício, nem a gordura sobre os lombos, porque “toda a gordura pertence a Jeová”. (Lev. 3:14-16) Portanto, a gordura dos animais oferecidos em sacrifício a Jeová não devia ser consumida.
Por outro lado, a palavra traduzida por “as coisas gordurosas”, em Neemias 8:10, é mash•man•ním, e esta é a única ocorrência da palavra nas Escrituras Hebraicas. É derivada do verbo shamén, que significa “ser gordo, engordar”. A idéia básica do grupo de palavras relacionadas com esse verbo parece ser prosperidade e bem-estar. (Note Isaías 25:6.) Uma das palavras mais comumente derivadas desse verbo é o substantivo shé•men, que em geral é traduzido “azeite” ou ‘azeite de oliva’. (Deut. 8:8, Bíblia na Linguagem de Hoje; Lev. 24:2) Como usado em Neemias 8:10, mash•man•ním parece referir-se a alimento preparado com grande quantidade de óleo e até mesmo incluir a carne com vestígios de gordura, mas não camadas de pura gordura animal.
Embora os israelitas fossem proibidos de consumir as camadas de gordura animal, eles podiam ingerir alimentos ricos e saborosos. Algumas coisas, como bolos de cereal, eram cozidas, não em gordura animal, mas em óleo vegetal, geralmente azeite de oliva. (Lev. 2:7) Assim, a obra Estudo Perspicaz das Escrituras explica que “coisas gordurosas” aqui “refere-se a porções ricas, coisas que não são magras ou secas, mas deliciosas, incluindo coisas gostosas preparadas com óleos vegetais”.
Naturalmente, os cristãos sabem que a proibição contra comer a gordura era parte da Lei. No entanto, eles não estão sujeitos à Lei, incluindo seus requisitos relacionados ao sacrifício de animais. — Rom. 3:20; 7:4, 6; 10:4; Col. 2:16, 17.

Lev 4:22
Embora os maiorais devessem ser respeitados, não estavam isentos de obedecer à lei de Deus. Quando pecavam contra a Lei, tinham de satisfazer os regulamentos dela a respeito de tais pecados. Por causa da sua posição de responsabilidade e do efeito da conduta, do exemplo e da influência deles sobre outros, fazia-se uma distinção nas suas individuais ofertas pelo pecado, pela violação desintencional duma ordem de Deus. Exigia-se do sumo sacerdote oferecer um novilho, devendo o maioral oferecer um cabritinho, e qualquer pessoa dentre os demais do povo, quer uma cabritinha, quer uma cordeirinha. — Le 4:3, 22, 23, 27, 28, 32.

Lev. 4:27, 28
9 Mas que dizer da situação em que a Lei mosaica exigia da pessoa uma oferta pelo pecado ou pela culpa devido a uma falha de sua parte? Você acha que a obrigatoriedade do sacrifício afetaria a disposição e atitude da pessoa em oferecê-lo? Haveria a possibilidade de esses sacrifícios terem sido oferecidos de má vontade? (Lev. 4:27, 28) Não, se a pessoa desejasse sinceramente preservar uma boa relação com Jeová.
10 De modo similar hoje, talvez descubra que irrefletidamente, sem querer ou por descuido, você pode ter ofendido um irmão. A sua consciência talvez o acuse de uma falha na sua conduta. Qualquer pessoa que leve a sério seu serviço a Jeová faria todo o possível para corrigir a falha, não é mesmo? Isso poderia significar pedir sinceras desculpas ao ofendido ou, em caso de transgressão grave, buscar a ajuda espiritual de amorosos superintendentes cristãos. (Mat. 5:23, 24; Tia. 5:14, 15) Portanto, corrigir um pecado cometido contra o próximo ou contra o próprio Deus tem o seu custo. No entanto, por meio de tais “sacrifícios” nós restauramos a relação com Jeová e com o nosso irmão e ganhamos uma consciência limpa. Isso, por sua vez, nos reafirma que os melhores caminhos são os de Jeová.

Levítico 5:1
De quem é a responsabilidade?
Quando os anciãos ficam sabendo de transgressões graves, chegam-se à pessoa envolvida para dar ajuda e correção necessárias. É responsabilidade dos anciãos julgar transgressores na congregação cristã. Eles mantêm-se vigilantes sobre a condição espiritual da congregação, a fim de ajudar e admoestar os que estão para dar um passo imprudente ou errado. — 1 Coríntios 5:12, 13; 2 Timóteo 4:2; 1 Pedro 5:1, 2.
Mas e se você não for ancião e souber de uma transgressão grave cometida por outro cristão? Há orientações sobre isso na Lei que Jeová deu à nação de Israel. A Lei declarava que se alguém testemunhasse atos de apostasia, sedição, assassinato ou outros crimes graves, era sua responsabilidade relatar isso e depor sobre o assunto. Levítico 5:1 diz: “Ora, caso uma alma peque por ter ouvido uma maldição pública, e seja testemunha, ou tenha presenciado isso ou veio a sabê-lo, então, se não o relatar, terá de responder pelo seu erro.” — Note Deuteronômio 13:6-8; Ester 6:2; Provérbios 29:24.
Embora não estejam sob a Lei mosaica, os cristãos na atualidade podem ser guiados pelos princípios encontrados nela. (Salmo 19:7, 8) Assim, se souber de uma transgressão grave de um concristão, o que deverá fazer?
Tratar do assunto
Primeiramente, é preciso que haja razão válida para crer que realmente houve uma transgressão grave. “Não te tornes sem base uma testemunha contra o teu próximo”, declarou um sábio. “Então terias de ser néscio com os teus lábios.” — Provérbios 24:28.
Talvez você decida ir diretamente aos anciãos. Não é errado fazer isso. Em geral, porém, o proceder mais amoroso é falar com a pessoa envolvida. Talvez as coisas não sejam o que parecem. Ou talvez o caso já esteja sendo cuidado pelos anciãos. Converse calmamente sobre o assunto com a pessoa. Se ainda há razão para crer que foi cometido um erro grave, encoraje-a a falar com os anciãos e pedir ajuda, e explique por que é sensato fazer isso. Não fale com outros sobre o assunto, pois isso seria tagarelice.
Se a pessoa não contar o problema aos anciãos depois de um período razoável, você deve contar. Um ou dois anciãos considerarão então o assunto com o acusado. Os anciãos têm de “pesquisar, e investigar, e indagar cabalmente” para confirmar que se cometeu um erro. Se esse for o caso, eles cuidarão do assunto segundo as orientações bíblicas. — Deuteronômio 13:12-14.

Levítico 5:1
15 Como já mencionamos, é importante manter confidência em certos assuntos, em especial quando outros dividem conosco seus sentimentos e pensamentos. É muito errado e danoso divulgar informações confidenciais sobre alguém. No entanto, quando é cometido um pecado grave, os que têm a obrigação bíblica de tratar do assunto — os anciãos na congregação — devem ser informados. (Leia Levítico 5:1.) Portanto, se soubermos de um irmão ou de uma irmã que se envolveu nesse tipo de transgressão, temos de incentivar tal pessoa a procurar os anciãos e buscar sua ajuda. (Tia. 5:13-15) Se ela não fizer isso dentro de um período razoável, porém, temos de relatar a transgressão.

Levítico 5:1
“Você estará protegendo um amigo se ajudá-lo a esconder seus pecados.” A verdade é que nós estaríamos prejudicando muito o pecador se o ajudássemos a esconder seus pecados. Cometer pecados graves é sinal de que a pessoa está espiritualmente doente; ocultar esses pecados é como esconder de um médico qualificado os sintomas de uma doença grave. (Tiago 5:14, 15) O transgressor talvez tenha medo de ser disciplinado, mas a disciplina é uma expressão do amor de Jeová e pode até mesmo salvar a vida dele. (Provérbios 3:12; 4:13) Além disso, o pecador que não mostra arrependimento pode representar um verdadeiro perigo para outros na congregação. Você gostaria de contribuir para que outros sejam afetados pela atitude errada que levou o transgressor ao pecado? (Levítico 5:1; 1 Timóteo 5:22) Portanto, faça o necessário para que o pecador leve o assunto aos anciãos da congregação.

Levítico 5:2-11
Ele leva em conta nossas limitações
“POR mais que eu me esforçasse, sempre achava que nunca era o suficiente.” Foi isso o que uma mulher disse sobre seus esforços para agradar a Deus. Será que Jeová Deus aceita o melhor que seus adoradores conseguem fazer? Ele leva em conta a capacidade e circunstâncias deles? Para responder a essas perguntas, vale a pena considerar o que a Lei mosaica diz em Levítico 5:2-11 sobre certas ofertas.
Sob a Lei, Deus exigia vários sacrifícios, ou ofertas, para expiar os pecados. Nos casos mencionados nessa passagem, a pessoa tinha pecado irrefletidamente ou sem intenção. (Versículos 2-4) Quando o assunto era trazido à sua atenção, ela precisava confessar o pecado e apresentar uma oferta pela culpa — “uma cordeira ou uma cabritinha”. (Versículos 5, 6) E o que dizer se a pessoa fosse pobre e não tivesse uma cordeira ou uma cabritinha para oferecer? Será que a Lei exigia que ela pedisse o animal a alguém, contraindo assim uma dívida? Ou teria de trabalhar para conseguir comprar o animal, adiando a expiação pelos seus pecados?
Refletindo a terna consideração de Jeová, a Lei dizia: “Se [ela], porém, não tiver recursos suficientes para trazer um ovídeo, então terá de trazer a Jeová, como sua oferta pela culpa, pelo pecado que cometeu, duas rolas ou dois pombos novos.” (Versículo 7) A frase “se . . . não tiver recursos suficientes” também pode ser traduzida “se . . . sua mão não alcançar”. Se um israelita fosse muito pobre e não conseguisse comprar uma ovelha, então Deus aceitava com prazer algo que estivesse ao alcance do ofertante — duas rolas ou dois pombos.
E se a pessoa não tivesse nem mesmo meios de comprar duas aves? “Então terá de trazer como sua oferta pelo pecado que cometeu a décima parte de um efa [oito ou nove xícaras] de flor de farinha como oferta pelo pecado”, dizia a Lei. (Versículo 11) Para quem era muito pobre, Jeová decidiu fazer uma exceção e permitir que a oferta pelo pecado fosse sem sangue. Em Israel, a pobreza não impedia ninguém de ter a bênção da expiação ou o privilégio de ficar em paz com Deus.
O que a lei das ofertas pela culpa nos ensina sobre Jeová? Que ele é um Deus compreensivo, que sente compaixão e que leva em conta as limitações de seus adoradores. (Salmo 103:14) Jeová deseja que nos acheguemos a ele e cultivemos um bom relacionamento com ele, mesmo que enfrentemos circunstâncias desafiadoras como idade avançada, saúde fraca, obrigações familiares ou outras. Podemos ser consolados por saber que Jeová Deus se agrada quando fazemos tudo o que está ao nosso alcance.

Levítico 5:7, 11
15 Considere outro exemplo da razoabilidade de Jeová, conforme manifestada na Lei mosaica. Se um israelita fosse tão pobre que não pudesse oferecer um cordeiro ou um bode como sacrifício, ele podia oferecer duas rolas ou dois pombos. Mas que dizer se o israelita fosse tão pobre que não tivesse condições de pagar nem mesmo dois pombos? Nesse caso, Jeová permitia que o necessitado oferecesse um pouco de farinha. No entanto, note este importante detalhe: não podia ser uma farinha qualquer, mas sim “flor de farinha”, o tipo usado para convidados de honra. (Gên. 18:6) Por que isso é significativo? — Leia Levítico 5:7, 11.
16 Bem, imagine que você seja israelita e muito pobre. Ao chegar ao tabernáculo com um pouco de farinha para oferecer como sacrifício, você nota israelitas mais abastados trazendo animais. Você talvez se sinta constrangido por causa de seu aparentemente insignificante sacrifício de farinha. Daí você se lembra que, aos olhos de Jeová, sua oferta é significativa. Por quê? Uma das razões é que Jeová exigia que a farinha fosse de alta qualidade. É como se Jeová dissesse aos israelitas mais pobres: ‘Eu sei que você não pode oferecer tanto como os outros, mas sei também que o que você está me dando é o seu melhor.’ Realmente, Jeová mostra razoabilidade por levar em conta as limitações e as circunstâncias de seus servos. — Sal. 103:14
Lev 5:15.
Todas as coisas santas para Jeová eram sagradas e não podiam ser encaradas levianamente ou usadas de modo comum, profano. Um exemplo disso é a lei a respeito do dízimo. Se um homem reservasse como dízimo uma parte, digamos, da sua safra de trigo, e depois ele ou um dos da sua família inadvertidamente tomasse parte dele para uso doméstico, tal como para cozinhá-lo, o homem era culpado de violar a lei de Deus a respeito de coisas sagradas. A Lei exigia que desse ao santuário uma compensação de quantidade igual, mais 20 por cento, além de oferecer como sacrifício um carneiro sadio do rebanho. Assim se gerava grande respeito pelas coisas sagradas pertencentes a Jeová. — Le 5:14-16.

Referências consultadas em: Watchtower Library 2013 CD-ROM

Baixar o arquivo com todas as referências

Baixar o arquivo com todas as referências

Posts mais vistos

Bigamia - Definição, conceito, significado, o que é Bigamia

Bigamia: definições, conceitos e significados Definição de bigamia Bigamia. O status do homem ou a mulher casada com duas pessoas ao mesmo tempo. Não é permitido no mundo ocidental.
Bigamia é um termo jurídico que se refere à situação que ocorre quando uma pessoa entra em qualquer número de casamentos 'secundários', além do original, que é reconhecido legalmente; e você pode ser punido com prisão. Muitos países têm leis específicas que proíbe a bigamia e considerado crime qualquer casamento infantil.
Bigamia entra a classificação da poligamia, que é mais geral. Isso gera:
"O tipo de casamento em que é permitido para uma pessoa ser casada com várias pessoas ao mesmo tempo."
De acordo com esta definição:
• Poligamia decompõe-se em: "poli = muitos" e "veado = casamento", referindo-se aos "vários casamentos".
Tempo:
• Bigamia é decomposto em: "bi = dois" e "veado = casamento", referindo-se ao "apenas doi…

O que é demisexualidad | Conceitos de Psicologia.

O que é demisexualidad?Desde o final do século XX, a sexualidade tornou-se um muito menos tabu e colonizou todas as esferas da vida. Sexo na arte, ciência sexo, sexo na família e até mesmo na escola. Afinal, não há nada de errado: Se você falar mais de sexo, mais se sabe, vai ter menos preconceitos e é muito mais saudável e responsável.Os seres humanos são seres sexuais desde o nascimento até a nossa morte e, portanto, a sexualidade é parte de todos os aspectos de nossa personalidade. A sexualidade é muito mais do que atração sexual e relacionamentos, portanto, mesmo se uma pessoa não experimentar desejos sexuais de qualquer tipo, é um erro chamar assexuada e que, além de não sentir atração sexual, a pessoa continua a ser um ser sexual.
Mas vamos deixar de lado a assexualidade chamada e se concentrar por um momento sobre a demisexualidad. Sobre o que é isso? É uma condição física? Será que a orientação sexual? Ou o que?
O que é exatamente o demisexualidad?O demisexualidad não é …

Farmacologia - Definição, conceito, significado, o que é Farmacologia

Definição de compêndio de Farmacologia ‒ de conceitos e significados 1. Definição de farmacologia Farmacologia (em grego, pharmacon (φάρμακον), drogas e logos (λόγος), ciência) é a ciência que estuda a origem, as ações e as propriedades das substâncias químicas sobre organismos vivos. Em um sentido mais restrito, é considerado o estudo da farmacologia da droga, é que aqueles têm efeitos benéficos ou tóxicos. Farmacologia tem aplicações clínicas quando substâncias são utilizadas no diagnóstico, prevenção e tratamento de uma doença ou para alívio de seus sintomas.
Você também pode falar de farmacologia como o estudo unificado de propriedades de substâncias químicas e organismos vivos e todos os aspectos de suas interações, orientados para o tratamento, diagnóstico e prevenção de doenças.
Farmacologia como ciência engloba o conhecimento da história, origem e uso de drogas, bem como suas propriedades físicas e químicas, associações, efeitos da droga no corpo e o impacto d…